ATELIÊ DE FILOSOFIA NA ESCOLA PÚBLICA: ROTAS DE FUGA E RESISTÊNCIA

DOI:

https://doi.org/10.17564/2316-3828.2021v10n3p47-62

Autores

  • Rosângela Luz Matos PPG GESTEC
  • Raquel Maciel Paulo dos Anjos Secretaria de Educação do Município de Lauro de Freitas Programa de Pós-graduação stricto sensu Gestão e Tecnologias Aplicadas a Educação (GESTEC) Universidade do Estado da Bahia (UNEB

Palavras-chave:

Ensino Fundamental, Docência, Filosofia, Ateliê, Artes.

Publicado

2021-04-28

Downloads

Downloads

Não há dados estatísticos.

Edição

Seção

Artigos

Resumo

Este artigo apresenta práticas de uma pesquisa em educação desenvolvida entre julho e dezembro de 2019 que se moveu no sentido de pensar a docência em Filosofia e Artes nos anos finais do Ensino Fundamental (EF) em uma escola pública do município de Lauro de Freitas, Bahia. A justificativa toma por referência a necessidade de propor rotas de fuga e resistência para a crise na educação pública no atual cenário de implantação da BNCC que trouxe para o currículo do EF da rede de ensino de Lauro de Freitas riscos, entre eles o de desregulamentação da disciplina e, por conseguinte, da docência em Filosofia, tanto no concerne a oferta, quanto na possibilidade de esta ver-se submetida ao conteúdo de ensino religioso. A pesquisa tem natureza aplicada, abordagem qualitativa e por procedimento adotou-se a criação de um Ateliê de Filosofia e Artes na escola. Participaram da experiência 37 estudantes dos anos finais do EF, com idade entre 11 e 16 anos, por livre adesão e mediante inscrição online em um formulário alojado no Google Drive. A criação do ateliê seguiu o conceito de experiência proposto por Larrosa (2008) o qual exigiu, dos atos de ensinar e conhecer, implicação de professor e estudantes. Como resultado, observamos que o Ateliê funcionou como plataforma de experiências diversas daquelas vividas na rotina escolar, afirmando o valor da Filosofia na educação básica para a produção de sentidos e usos novos para a educação escolar.

Biografia do Autor

Rosângela Luz Matos, PPG GESTEC

Profa. Permanente stricto sensu Gestão e Tecnologias Aplicadas a Educação (GESTEC) Universidade do Estado da Bahia (UNEB Doutora em Sociologia - UFC Mestre Psicologia Social e Institucional - UFRGS Psicóloga PUC RS

Raquel Maciel Paulo dos Anjos, Secretaria de Educação do Município de Lauro de Freitas Programa de Pós-graduação stricto sensu Gestão e Tecnologias Aplicadas a Educação (GESTEC) Universidade do Estado da Bahia (UNEB

Licenciada em Filosofia - UFBA

Como Citar

Matos, R. L., & Anjos, R. M. P. dos. (2021). ATELIÊ DE FILOSOFIA NA ESCOLA PÚBLICA: ROTAS DE FUGA E RESISTÊNCIA. EDUCAÇÃO, 10(3), 47–62. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2021v10n3p47-62

Referências

ARENDT, Hannah. A crise na educação, in: ________. Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro W. Barbosa. 5 ed. São Paulo: Perspectiva, 1990, p. 221-247;

BARBIER, René. A pesquisa-ação. Trad. Lucie Didio. Brasília: Liber Livro Editora, 2007.

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf acesso em 15 jan. 2010.

CARRANO, Paulo César Rodrigues. Juventudes e cidades educadoras. Petrópolis: Vozes, 2003.

CUNHA, Luiz Antônio. A universidade temporã: o ensino superior, as colônia a Era Vargas. – 3ª ed. [revista]. – São Paulo: Ed. UNESP, 2007.

Morin, Edgar. Ensinar a viver: manifesto para mudar a educação. Porto Alegre: Sulina, 2015.

GALEFFI, Dante. Para que serve ensinar filosofia na educação disciplinar? projeto/invenção da aprendizagem filosófica no educar transdisciplinar. REVISTA IDEAÇÃO, EDIÇÃO ESPECIAL 2017. Disponível em http://periodicos.uefs.br/index.php/revistaideacao/article/view/2985/0 acesso 11 jun. 2018.

PASCOAL, Hermeto. Cérebro Magnético. Atlantic: 1980. CD (36 min).

ROSSATO, Ricardo. Universidade: nove séculos de história. 2ª ed. rev. e ampl. – Passo Fundo: UPF, 2005.

UNESCO. Philosophie et Démocratie dans le Monde - Une enquête de l'UNESCO. Librairie Génerale Française, 1995, p. 13-14.