A BRINQUEDOTECA E A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO: BREVES APONTAMENTOS

Tatiana Platzer Platzer do Amaral, Celia Regina da Silva, Ana Paula Torres Peres, Douglas Gustavo Prado

Resumo


O presente artigo tem como proposta realizar apontamentos sobre a brinquedoteca, enquanto laboratório didático, na formação do pedagogo. Sobre a brinquedoteca e as políticas públicas em educação para formação do pedagogo destaca-se que os documentos oficiais, como diretrizes curriculares e instrumentos de avaliação de curso, apresentam informações superficiais sobre a função da brinquedoteca. Para se construir uma proposta de brinquedoteca universitária, minimamente, comprometida é preciso analisar os documentos oficiais que embasam as práticas na Educação Infantil a fim de se compreender a concepção de infância. Aliada a essa questão verificou-se a ausência de referência ou classificação dos tipos de brinquedoteca, bem como de uma concepção comum. A partir dos dados da pesquisa apresentada foi reforçada a ideia de que a relação entre brinquedoteca e formação do pedagogo ainda está em processo de construção. Finalizando, as contribuições da Psicologia Histórico-Cultural evidenciam a importância da brincadeira para desenvolvimento como atividade central no processo de formação do psiquismo infantil.

Palavras-chave


Brinquedoteca. Formação Pedagogo. Educação Infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


ARCE, Alessandra. O jogo e o desenvolvimento infantil na teoria da atividade e no pensamento educacional de Friedrich Froebel. Cad. CEDES, Campinas, v. 24, n. 62, p. 9-25, abr. 2004. DOI: 10.1590/S0101-32622004000100002. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622004000100002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 8 dez. 2019.

CARNEIRO, M. A. B. Brinquedoteca: um espaço interessante para favorecer o desenvolvimento da criança. 2015. http://www4.pucsp.br/educacao/brinquedoteca/downloads/brinquedoteca.pdf Acesso em: 8 dez. 2019.

EIDT, Nadia Mara; DUARTE, Newton. Contribuições da teoria da atividade para o debate sobre a natureza da atividade de ensino escolar. Psicol. educ., São Paulo, n. 24, p. 51-72, jun. 2007. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-69752007000100005&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 8 dez. 2019.

FACCI, Marilda Gonçalves Dias. A periodização do desenvolvimento psicológico individual na perspectiva de Leontiev, Elkonin e Vigostski. Cad. CEDES, Campinas, v. 24, n. 62, p. 64-81, abr. 2004. DOI: 10.1590/S0101-32622004000100005. Disponível em . Acesso em: 8 dez. 2019.

KISHIMOTO, T. M. Diferentes tipos de brinquedoteca. In: ANDRADE C. et al. O direito de brincar. São Paulo: Scritta, Abrinq, 1992.

KOCHEM, K. S. B. C.; VALENTE, F. M.; DE SOUZA MARCATO, D. C. B. A importância do projeto brinquedoteca aberta na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul para formação pedagógica dos discentes. v. 1, n. 1. 2018. Campo Grande. Jornada Brasileira de Educação e Linguagem, 3 / Jornada de Educação do Mato Grosso do Sul/ Encontro dos Mestrados Profissionais em Educação e Letras, 12, 2018. Anais..., Campo Grande, UEMS, 2002. Disponível em: http://anaisonline.uems.br/index.php/jornadaeducacao/article/view/4875/4902. Acesso em: 8 dez. 2019.

MARCOLINO, S.; BARROS, F. C. O. M.; MELLO, S. A. A teoria do jogo de Elkonin e a educação infantil. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 18, n. 1, p. 97-104, June 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572014000100010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 8 dez. 2019.

MENDES, Jacqueline Araujo Corrêa et al. Brinquedoteca Universitária: espaço de formação e de experiências lúdicas. Revista Intercâmbio, v. 11, p. 187-204, 2018. http://www.intercambio.unimontes.br/index.php/intercambio/article/view/253. Acesso em: 8 dez. 2019.

MOZZATO, A. R.; GRZYBOVSKI, D. Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da Administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 4, p. 731-747, 2011. DOI: 10.1590/S1415-65552011000400010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552011000400010&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 8 dez. 2019.

PORTO, C. L. Brinquedo e brincadeira na brinquedoteca. In: KRAMER, S.; LEITE, M. I. (Org.). Infância e produção cultural. Campinas: Papirus, 1998. p. 171-98.

REIS, F. S.; ARAÚJO, P. S. C.; BAPTISTA, T. J. R. Brinquedoteca universitária e formação de professores: [in]visibilidades acadêmicas. Dossiê Aspectos Históricos do Esporte e Lazer, Belo Horizonte, v. 3, n. 4, p.96-115, dez. 2017. Quadrimestral. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/rbel/article/view/10195. Acesso em: 8 dez. 2019.

SILVÉRIO, C. A., RUBIO, J. de A. S. Brinquedoteca hospitalar: o papel do pedagogo no desenvolvimento clínico e pedagógico de crianças hospitalizadas. Revista Eletrônica Saberes da Educação, v. 3, n. 1, 2012. Disponível em: http://docs.uninove.br/arte/fac/publicacoes/pdf/v3-n1-2012/Claudia.pdf. Acesso em: 8 dez. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2020v9n1p15-28


Indexada em: