AS PRÁXIS DA SUSTENTABILIDADE NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – A EDUCAÇÃO AMBIENTAL UM DESAFIO A SER ALCANÇADO NA ACADEMIA.

Isabel Cristina Barreto Andrade, Izaclaudia Santana Souza

Resumo


Este trabalho propõe-se a pesquisar sobre a aplicabilidade de conceitos de sustentabilidade em
órgãos públicos, em especial com relação à adesão a projetos de cunho sustentáveis no campo
educacional e que estão calçados nos argumentos das políticas públicas. Através de uma
pesquisa aplicada em unidades de uma autarquia municipal, no município de Ilha das Flores
/SE/BRASIL, baixo São Francisco, foi perguntado para os gestores (executivo) qual a
percepção e conhecimento destes com relação à adoção de medidas de projetos vinculados para
a inserção de projetos que reduzam passivos ambientais e consequentemente custos para o
município. A metodologia utilizada nesta pesquisa foi o levantamento de dados; a pesquisa
bibliográfica realizada em livros, artigos e na legislação vigente como fontes para a coleta de
informações e para a construção do referencial teórico. Os resultados desta pesquisa indicam
que a maioria dos gestores públicos pesquisados desconhece a importância da sustentabilidade
como um aliado ao progresso local. Desta forma, considerando o valor da sustentabilidade na
administração pública como um suporte no processo de desenvolvimento: social, ambiental e
econômico. Tendo em vista a efetividade e a aplicabilidade no processo de planejamento
estratégico das instituições públicas com vistas ao envolvimento das pessoas para obtenção de
resultados a curto, médio e longo prazo.
PALAVRAS CHAVE: Políticas Públicas; Sustentabilidade; Educação.


Palavras-chave


Políticas Públicas; Sustentabilidade; Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

AGENDA 21 - Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento.

ª. ed. Brasília: Senado Federal/Subsecretaria de Edições Técnicas, 1997.

ALIGLERI, Lilian et al. Gestão Socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do

negócio. 1ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2009.

BARBIERI, José Carlos. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos.

ª. ed. Atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70.

(Obra original publicada em 1977). (2006).

COSTA, D. V.; TEODÓSIO, A. Desenvolvimento sustentável, consumo e cidadania: um

estudo sobre a (des) articulação da comunicação de organizações da sociedade civil, do estado e

das empresas. RAM - Rev. Adm. Mackenzie, São Paulo, v.12, n.3, p. 114-115. maio/junho.

Disponível em: Acesso em 19 mar. 2016.

CAMARGO, A. L. de B. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios. Campinas, 4ª

ed. Papirus, 2007.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 10ª ed. São Paulo: Cortez. 2010.

DIAS, Reinaldo. Gestão Ambiental: Responsabilidade Social e Sustentabilidade. São Paulo:

Ed. Atlas, 2008.

GOERGEN, P. Pós-modernidade, ética e educação. Campinas: Autores Associados, 2005.

KANAANE, Roberto; Filho, Alécio; Ferreira, Maria das Graças (org.) Gestão Pública:

planejamento, processos, sistemas de informação e pessoas. 5ªed. São Paulo: Atlas, 2010.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. A3P- Agenda Ambiental na Administração

Pública. Disponível

em:. Acesso em: 22

mar. 2016.

PIEPER, A. Einführung in die Ethik. Tübingen: A. Francke, 2003.

WWF - Brasil. O que é sustentabilidade? Disponível em:

http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/questoes_ambientais/desenvolvimento_su

Sustentavel /. Acesso em: 22 mar. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2018v6n2p53–60


Indexada em: