O QUE OS ALGORITMOS DE BUSCA COMUNICAM SOBRE AS LESBIANIDADES?

DOI:

https://doi.org/10.17564/2316-3828.2022v11n3p223-234

Autores

  • Julianna Paz Japiassu Motter Universidade Federal da Bahia

Palavras-chave:

lesbianidades, pornografia, algoritmização, plataformização.

Publicado

2022-10-18

Downloads

Downloads

Não há dados estatísticos.

Edição

Seção

Artigos

Resumo

Este trabalho utiliza o evento de mudança dos algoritmos do Google para o termo “lésbica” e associados, em agosto de 2019 para o estudo das plataformas digitais e sua influência e participação nas controvérsias cotidianas relacionadas à sexualidade e gênero, partindo da reflexão de Gillespie (2018) sobre os buscadores como fonte de conhecimento. A pesquisa está metodologicamente e teoricamente alinhada à Teoria Ator-Rede e à Teoria Fundamentada nos Dados. Os resultados das buscas em 18 páginas de resultados do Bing e do Yahoo para o termo "lésbica" apontam para a perspectiva de não neutralidade tecnológica e, com isso para reflexões sobre o papel dos algoritmos na vida cotidiana e nas dinâmicas de poder, podendo criar ou aprofundar dilemas e controvérsias. O objetivo é refletir sobre a persistência de conteúdos pornográficos nessas plataformas e suas consequências. Palavras-chave: lesbianidades; pornografia; algoritmização; plataformização.

Como Citar

Motter, J. P. J. (2022). O QUE OS ALGORITMOS DE BUSCA COMUNICAM SOBRE AS LESBIANIDADES?. EDUCAÇÃO, 11(3), 223–234. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2022v11n3p223-234

Referências

AZAMBUJA, P. Televisão híbrida: recepção de TV sob a perspectiva sociotécnica da teoria ator-rede. São Luís: Edufma, 2017.

BOYD, D. Social Network Sites as Networked Publics: Affordances, Dynamics, and Implications. In Papacharissi, Z. (Ed.). A networked self: identity, community and culture on social network sites. New York: Routledge, 2011.

CHARMAZ, K. A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

D’ABREU, L.. Pornografia, desigualdade de gênero e agressão sexual contra mulheres. Psicol. Soc., Belo Horizonte , v. 25, n. 3, p. 592-601, 2013 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822013000300013&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 10 nov. 2019.

DELEUZE, G.. O devir revolucionário e as criações políticas. Gilles Deleuze a Toni Negri. Conversações (1972-1990), ed. 34. Tradução: Peter Pál Pelbart.

DIJCK, J.; POELL, T.; WAAL, M.C. The platform society: public values in a connected world. New York: Oxford University Press, 2018.

DINES, G. Pornland: How Porn Has Hijacked Our Sexuality. Boston: Beacon Press, 2010.

GILLESPIE, T. A relevância dos algoritmos. Parágrafo, [S.l.], v. 6, n. 1, p. 95-121, jun. 2018. ISSN 2317-4919. Disponível em: <http://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/722>. Acesso em: 07 out. 2019.

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, v. 5, p. 7-42, 1995.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria ator-rede. Salvador: Edufba; Bauru: Edusc, 2012.

__________. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 2013.

LAZZARATO, M. Signos, Máquinas, Subjetividades. São Paulo: N-1, 2014.

LEMOS, A. A comunicação das coisas: teoria ator-rede e cibercultura. São Paulo: Anna Blume, 2013.

LUPTON, D. Digital Sociology. Routledge, 2015.

MALAMUTH, N.. M.; CHECK, J. The effects of aggressive pornography on beliefs in rape myths: Individual differences. Journal of Research in Personality, 19, 299-320, 1985.

PASQUINELLI, M. Capitalismo maquínico e mais-valia de rede: Notas sobre a economia política da máquina de Turing. Lugar Comum: Estudos de mídia, cultura e democracia, UFRJ, n. 39, jan-abr, pp. 13-36, 2013.

TOLA, M.. Composing with Gaia: Isabelle Stengers and the Feminist Politics of the Earth. PhaenEx. 11. p. 1-21, 2016.

TURKLE, S. Always-On/Always-On-You: The Tethered Self. In Handbook of Mobile Communication Studies. The MIT Press, 2013. p. 121–138

VENTURINI, Tommaso; MUNK, Anders; JACOMY, Mathieu. Ator-rede versus Análise de Redes versus Redes Digitais: falamos das mesmas redes?. Galáxia (São Paulo), São Paulo , n. 38, p. 5-27, ago. 2018 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-25532018000200005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 20 jan. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/1982-2554236645.

ZIEWITZ, M. Governing Algorithms: Myth, Mess, and Methods. Science, Technology, & Human Values, vol. 41, no. 1, Jan. 2016, pp. 3–16. Disponível em: <https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0162243915608948>. Acesso em: 7 out. 2019.