FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA PELO VIÉS DO INSTAGRAM

DOI:

https://doi.org/10.17564/2316-3828.2021v10n3p133-144

Autores

Palavras-chave:

Formação docente, Instagram, Educação Inclusiva, Educação Especial

Publicado

2021-06-03

Downloads

Downloads

Não há dados estatísticos.

Edição

Seção

Artigos

Resumo

O artigo se insere na discussão sobre o processo de formação inicial e continuada dos professores para atuarem em nossas escolas de acordo com os pressupostos da Educação Inclusiva. Apresentamos uma proposta que objetiva disseminar e multiplicar os conhecimentos voltados para as demandas de formação docente na atualidade por meio do projeto “Café Inclusivo: uma proposta de formação docente. A opção pelo caminho metodológico é da netnografia, que amplia os estudos na área da cibercultura, de forma a analisar o público que optou sobre o acesso aos conhecimentos relativos à temática da Educação Especial e Inclusiva, por meio de uma página da rede social Instagram intitulada @cafeinclusivo e o processo de formação docente instituído pelo projeto da referida página. Como resultados apresentamos que há uma grande procura não só por profissionais da área da Educação, mas familiares, estudantes, demais profissionais interessados pela área e sujeitos com deficiência e que esta plataforma pode ser uma ferramenta útil para a disseminação de informações, troca de experiências e autoformação.

Biografia do Autor

Annie Gomes Redig, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora Adjunta da Faculdade de Educação da UERJ

Cristina Angélica Aquino de Carvalho Mascaro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora Adjunta da Faculdade de Educação da UERJ

Como Citar

Redig, A. G., & Mascaro, C. A. A. de C. (2021). FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA PELO VIÉS DO INSTAGRAM. EDUCAÇÃO, 10(3), 133–144. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2021v10n3p133-144

Referências

AMARAL, Adriana; NATAL, Geórgia; VIANA, Luciana. Netnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicação digital. Revista Comunicação Cibernética, Porto Alegre, n.20, p.1-7, 2008.

ANTUNES, Katiuscia Carvalho Vargas. Uma leitura sociológica da construção do espaço escolar à luz do paradigma da educação inclusiva. Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), 2007.

BUENO, José Geraldo. Crianças com necessidades educativas especiais, política educacional e a formação de professores: generalistas ou especialistas. Revista Brasileira de Educação Especial, vol. 3, nº 5, pp. 7-25, 1999.

CAPELLINI, Vera Lúcia Messias Fialho; RODRIGUES, Olga Maria Piazentin Rolim. Práticas inclusivas: fazendo a diferença. Rio de Janeiro: WAK Editora, 2014.

CASTRO, Rodrigo Inacio. Instagram: produção de imagens, cultura mobile e seus possíveis reflexos nas práticas educativas. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pelotas. 2014.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; POCAHY, Fernando; CARVALHO, Felipe da Silva Ponte de. Ensinar-aprender com os memes: quando as estratégias de subversão e resistência viralizam na internet. Periferia. pp. 17-38, v. 11, n.2. 2019

DUTRA, Flávia Barbosa; REDIG, Annie Gomes. Formação docente para a inclusão escolar de alunos com necessidades educativas especiais. In: Anais VII Congresso Brasileiro de Educação Especial e X Encontro Nacional dos Pesquisadores da Educação Especial. São Carlos: UFSCAr, 2016. p. 1-13.

FERNANDES, Edicléa Mascarenhas. A Escola Regular e a Escola Especial: a Dialética da Inclusão. In: Anais do XI Congresso da Federação Nacional das Associações Pestalozzi e do I Fórum Internacional da Fenasp. pp. 229-232. Niterói: RJ: Nota Bene, 2006.

FONTES, Rejane de Souza. A educação inclusiva no município de Niterói (R.J.): das propostas oficiais às experiências em sala de aula – o desafio da bidocência. Tese de Doutorado em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), 2007.

GLAT, Rosana. A integração social dos portadores de deficiência: uma reflexão. Rio de Janeiro: Editora Sette Letras, 2004.

GLAT, Rosana. A Educação Especial no contexto da Educação Inclusiva: diretrizes políticas e ações pedagógicas. Projeto Prociência. Rio de Janeiro, 2008.

GLAT, Rosana; BLANCO, Leila de Macedo Varela. Educação Especial no contexto de uma Educação Inclusiva. In: GLAT, Rosana (Org.). Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. pp. 15-35. Rio de Janeiro: Editora Sete Letras, 2015.

GLAT, Rosana; NOGUEIRA, Mario Lucio de Lima. Políticas educacionais e a formação de professores para a educação inclusiva no Brasil. Revista Integração. Vol. 24, ano 14, p.22-27. Brasília: MEC/SEESP, 2002.

GUTIERREZ, Suzana. A etnografia virtual na pesquisa de abordagem dialética em redes sociais on-line. 2009. Disponível em: http://32reuniao.anped.org.br/arquivos/trabalhos/GT16-5768--Int.pdf Acessado em 24 de março de 2020.

LINS, Gustavo Georranys da Silva; MEDEIROS, Vanessa Karla de; SILVA, Ana Maria da; SILVA, Renato Xavier Alves da. Uso do instagram como ferramenta de divulgação científica e ensino de física para o ensino médio. In: Anais do VI Congresso Nacional de Educação. pp. 1-8. Fortaleza, 2019.

MACHADO, Kátia da Silva. A prática da inclusão de alunos com necessidades educativas especiais em classe regular: um estudo de caso com abordagem etnográfica. Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), 2005.

MENDES, Eniceia Gonçalves. Colaboração entre ensino regular e especial: o caminho do desenvolvimento pessoal para a inclusão escolar. In: MANZINI, Eduardo José (Org.). Inclusão e acessibilidade. p.29-42. Marília: ABPEE, 2006.

MENDES, Eniceia Gonçalves. Caminhos da pesquisa sobre formação de professores para a inclusão escolar. In: MENDES, Eniceia Gonçalves; ALMEIDA, Maria Amélia; HAYASHI, Maria Cristina Piumbato Innocentini. Temas em Educação Especial: conhecimentos para fundamentar a prática. Pp. 92 – 119. Araraquara, SP: Junqueira & Marin; Brasília, DF: CAPES – PROESP, 2008.

MÜLLER, Tania Mara Pedroso; GLAT, Rosana. Uma professora muito especial. Rio de Janeiro: Editora Sette Letras, 1999.

OLIVEIRA, Anna Augusta Sampaio de; LEITE, Lucia Pereira. Construção de um sistema educacional inclusivo: um desafio político-pedagógico. pp. 517-524. Ensaio. 57 (15), 2007.

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de Professores: Identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, Selma Garrido (org). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez 2007. p.15-34.

REDIG, A. G. Da Barbie à Fiona: a construção de uma escola inclusiva. In: Anais do V Seminário Internacional: As redes de conhecimento e as tecnologias. Rio de Janeiro: UERJ, 2009.

REDIG, Annie Gomes. Ressignificando a Educação Especial no contexto da Educação Inclusiva: a visão de professores especialistas. Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), 2010.

RIBEIRO, Hellen Cordoniz; SILVA, Priscylla Pinto da; REDIG, Annie Gomes. Inclusão escolar e os desafios para formação dos profissionais: perfil dos participantes do Café Inclusivo. In: Anais do X Seminário Internacional As redes educativas e as tecnologias. pp. 1-5. Rio de Janeiro, 2019.

RODRIGUES, David. Dez idéias (mal)feitas sobre a educação inclusiva. In: RODRIGUES, David (Org.). Inclusão e Educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. Pp. 209-318. São Paulo: Summus, 2006.

SENNA, Luiz Antônio Gomes. O problema epistemológico da educação inclusiva. In: SENNA, Luiz Antônio Gomes (Org.). Letramento: princípios e processos. pp. 149-170. Curitiba: IBPEX, 2007.

SILVA, Gabrielle Souza da; RIBEIRO, Hellen Cordoniz; REDIG, Annie Gomes Redig. Café Inclusivo: formação continuada docente na perspectiva da educação inclusiva. In: Anais do X Seminário Internacional As redes educativas e as tecnologias. pp. 1-5. Rio de Janeiro, 2019.

UNESCO. Declaração de Salamanca. 1994.