NARRATIVAS SOBRE OS CAMINHOS DA PROFISSIONALIDADE DOCENTE: A HISTÓRIA E OS OLHARES DE ÂNGELA

DOI:

https://doi.org/10.17564/2316-3828.2021v10n3p19-32

Autores

Palavras-chave:

Trajetória profissional. Profissionalidade docente. História de vida.

Publicado

2021-04-28

Downloads

Downloads

Não há dados estatísticos.

Edição

Seção

Artigos

Resumo

O presente artigo apresenta a discussão sobre os caminhos da profissionalidade docente, organizada a partir da narrativa de uma das participantes da investigação que objetiva compreender as características constituintes da profissionalidade e da identidade docente. A pesquisa, em fase de análise dos dados, se configura como qualitativa, de abordagem biográfica e utiliza cartas como um instrumento de recolha das informações. Os participantes convidados a narrar suas histórias são professores(as) da Educação Básica e do Ensino Superior, atuantes em três municípios de duas regiões brasileiras distintas.O trabalho de análise tem sido realizado buscando identificar no conteúdo das narrativas, elementos que sinalizem os sentidos dados às trajetórias de formação e profissionalização; à motivação para o ingresso na profissão; à identificação com a docência; às imagens sobre a profissão docente; além de outros que emergem das memórias singulares. No caso particular da narrativa selecionada para a presente discussão, as memórias pessoais e profissionais se entrelaçam de forma significativa. Os primeiros movimentos da análise e reflexões nos levam a cogitar que a constituição do(a) profissional professor(a) seja balizada por suas diversas experiências de aprendizagem ao longo da vida, realizadas nos diferentes ambientes por onde circula, tornando necessário a realização de mais estudos voltados para a investigação de individualidades e singularidades.

Como Citar

Rodrigues, S. A., Zechi, J. A. M., Sousa, V. L. de, & Gomes, A. A. (2021). NARRATIVAS SOBRE OS CAMINHOS DA PROFISSIONALIDADE DOCENTE: A HISTÓRIA E OS OLHARES DE ÂNGELA. EDUCAÇÃO, 10(3), 19–32. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2021v10n3p19-32

Referências

ALMEIDA, M. I. Formação de professores do Ensino Superior. desafios e políticas institucionais. São Paulo: Cortez, 2012.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BENJAMIN, W. O narrador. Considerações sobre a obra de NikolaiLeskow. In: BENJAMIN,W.Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, W. Rua de mão única: infância berlinense: 1900.Tradução João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, jan./fev./mar./abr. 2002.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, F. M. Pesquisa narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. Tradução: Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEEI/UFU. Uberlândia: EDUFU, 2011.

DELORY-MOMBERGER, C. Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Tradução de Anne-Marie Milon Oliveira. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 51, p. 523-536, set.-dez. 2012.

DOMINGO, J. C. Tener historias que contar: profundizar narrativamente la educación. Roteiro, Joaçaba, v. 41, n. 1, p. 15-40, jan./abr. 2016.

DUTRA, E. A narrativa como uma técnica de pesquisa fenomenológica. Estudos em Psicologia: Natal, v. 7, n. 2, p. 371-378, 2002.

GOMES, A. A. Autoconstituição da docência em processo: a história vivida e a história contada... 2019. (texto não publicado).

JOSSO, M-C. Experiências de vida e formação. Tradução José Cláudio; Júlia Ferreira. 2. ed. Natal: EDUFRN/ São Paulo: Paulus, 2010.

LUDKE, M.; BOING, L. A. Profissionalidade docente. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. DICIONÁRIO: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CDROM. Disponível em: http://www.gestrado.net.br/?pg=dicionario-verbetes&id=345. Acesso em: 23 mar. 2020.

MIGNOT, A. C. V. Em busca do tempo vivido: autobiografias de professoras. In: MIGNOT, A. C. V.; CUNHA, M. T. S. (org.). Práticas de memória docente. São Paulo: Cortez, 2003.

MOUTINHO, K.; CONTI, L. Análise narrativa, construção de sentidos e identidade. Psicologia: Teoria e Pesquisa [online], v. 32, n. 2, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722016000200216&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 14ago. 2019.

NÓVOA, A. Os professores e suas histórias de vida. In: NÓVOA, A. (org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992.

PINEAU, G. A autoformação no decurso da vida: entre hetero e a ecoformação. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (org.). O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988. p. 65-77.

SOUZA, E. C. Histórias de vida, escritas de si e abordagem experiencial. In: SOUZA, E. C.; MIGNOT, A. C. V. (org.). Histórias de vida e formação de professores. Rio de Janeiro: Quartet: FAPERJ, 2008.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

VIEIRA, R. Identidades, histórias de vida e culturas escolares: contribuições e desafios para a formação de professores. In: ARAUJO, M. S. et al..Vozes da educação: memória, história e formação de professores. Petrópolis: DP et Alii. Rio de Janeiro: FAPERJ, 2008.