EDUCAÇÃO INFANTIL: OLHAR PARA AS CRIANÇAS DO CAMPO NO TERRITÓRIO DE IDENTIDADE DO SUDOESTE BAIANO

DOI:

https://doi.org/10.17564/2316-3828.2021v10n3p63-75

Autores

Palavras-chave:

Creches, Educação Infantil no campo, Plano Municipal de Educação

Publicado

2021-04-28

Downloads

Downloads

Não há dados estatísticos.

Edição

Seção

Artigos

Resumo

A Educação Infantil é um direito de todas as crianças brasileiras e das suas famílias. Este artigo tem como objetivo analisar o discurso presente nos Planos Municipais de Educação (PME) do Território de Identidade do Sudoeste Baiano sobre acesso à Educação Infantil. A metodologia está alicerçada nas teorizações de Foucault. Foram abordados os seguintes os conceitos: saber, poder, vontade de verdade, prática discursiva, discurso e governamentalidade. Os resultados evidenciam crianças com até três anos, que moram em áreas rurais possuem menos chances de ingressarem na Educação Infantil do que as outras, perpetuando o ciclo da desigualdade social existente. Apesar da vontade de verdade de ampliar o acesso à Educação Infantil ter sido identificada nos PME, os dados evidenciam pouco avanço na oferta de vagas em creche e na educação infantil especificamente no campo. O número de matrículas em creche tem duplicado, mas a oferta ainda é muito pequena.

Biografia do Autor

Sandra Márcia Campos Pereira, UESB

Departamento de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Ensino

Como Citar

Pereira, S. M. C., Soares, R. L. C., & Leite, M. I. P. de A. (2021). EDUCAÇÃO INFANTIL: OLHAR PARA AS CRIANÇAS DO CAMPO NO TERRITÓRIO DE IDENTIDADE DO SUDOESTE BAIANO. EDUCAÇÃO, 10(3), 63–75. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2021v10n3p63-75