POLÍTICAS DE AVALIAÇÃO E OS IMPACTOS NA VIDA DO PROFESSOR: UM ESTUDO NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS

DOI:

https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n3p512-525

Autores

Palavras-chave:

Políticas públicas educacionais. Accountability em educação. Avaliações externas. Educação Básica.

Publicado

2020-09-06

Downloads

Downloads

Não há dados estatísticos.

Edição

Seção

Artigos

Resumo

O presente estudo visa tecer apontamentos sobre a política de accountability e os impactos no ambiente escolar docente. Nesse sentido, pensar e repensar o processo de formulação de políticas públicas significa, hoje, um grande desafio frente a atual conjuntura educacional do país. Para a elaboração da pesquisa utilizou-se uma abordagem qualitativa alicerçada nas bases da pesquisa documental. Além disso, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com quinze professores em quatro escolas do município de Santa Maria/RS. Os resultados obtidos nas avaliações externas reverberam na prática docente e nas escolas, as quais pressionadas por uma prestação de contas e a obtenção por bons resultados, buscam alternativas e estratégias para reverter números não desejáveis dentro das exigências da lógica da performatividade competitiva.

Biografia do Autor

Micheli Bordoli Amestoy, UFSM

Licenciada e Bacharel em Ciências Biológicas (UFSM). Mestra e Doutora em Educação em Ciências (UFSM). Atualmente é Pós-Doutoranda do Programa Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde (PPGECQVS/UFSM). Colaboradora no Grupo de Pesquisa IDEIA - Educação em Ciências/ UFSM.

Luiz Caldeira Brant de Tolentino-Neto, UFSM

Doutor em Educação (FEUSP), Mestre em Ensino de Ciências (FEUSP), bacharel e licenciado em Ciências Biológicas (IBUSP) pela Universidade de São Paulo. Professor do Departamento de Metodologia do Ensino do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Coordenador do Grupo de Pesquisa IDEIA - Educação em Ciências/ UFSM.

Como Citar

Amestoy, M. B., & Tolentino-Neto, L. C. B. de. (2020). POLÍTICAS DE AVALIAÇÃO E OS IMPACTOS NA VIDA DO PROFESSOR: UM ESTUDO NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS. EDUCAÇÃO, 8(3), 512–525. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n3p512-525

Referências

AFONSO, A. J. Políticas avaliativas e accountability em educação: subsídios para um debate ibero-americano. Sísifo, Lisboa, n.9, p. 57-69, 2009a.

____________. Nem tudo o que conta em educação é mensurável ou comparável. Crítica à accountability baseada em testes estandardizados e rankings escolares. Revista Lusófona de Educação, n. 13, p. 13-29, 2009b.

____________. Um olhar sociológico em torno da accountability em educação. In: ESTEBAN, Maria Teresa; AFONSO, Almerindo Janela (Orgs.). Olhares e interfaces: reflexões críticas sobre a avaliação. São Paulo: Cortez, p. 147-170, 2010.

____________. Para uma Concetualização alternativa de Accountability em Educação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 471-484, 2012.

AMESTOY, M.B. A política de accountability na educação básica e os efeitos da avaliação externa no ensino e na gestão escolar: um estudo no município de Santa Maria/RS. 265 p. Tese (Doutorado em Educação em Ciências), Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2019.

AMESTOY, M. B.; TOLENTINO-NETO, L.C.B. Uniformização Curricular, Testes Estandardizados e Responsabilização de Professores e Gestores: Os efeitos das avaliações externas. In: IX Simpósio Nacional de Educação e III Colóquio Internacional de Políticas Educacionais e Formação de Professores: Políticas e Processos de Formação Docente no Território Ibero-Americano: construindo um futuro comum. Frederico Westphalen, p. 269-282, 2016.

BALL, S.J. Profissionalismo, Gerencialismo e Performatividade. Cadernos de Pesquisa, v.35, n. 126, p. 539-564, Set/Dez. 2005.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Ed. 70. 2011.

BONAMINO, A.; SOUSA, S. Z. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 373-388, abr./jun. 2012.

FREITAS, L. C. Eliminação adiada: o caso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade do ensino. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 965-987, 2007.

HYPOLITO, A.M. Políticas curriculares, Estado e regulação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1337-1354, out/dez. 2010.

MULGAN, R. Accountability: An ever-expanding concept? Public Administration, v.78, n. 3, p.555-573, 2000.

SANTA MARIA. Lei municipal n. 5341, de 10 de agosto de 2010. Cria o Prêmio Qualidade da Educação e da outras providencias.

SANTA MARIA. Lei municipal n. 5610, de 05 de janeiro de 2012. Acresce incisos IV e V ao Art. 2 da Lei municipal n. 5341/10, que cria o Premio Qualidade na Educação e dá outras providencias.

SANTOS, B. V. J. Qualidade da Educação: Consensos e Dissensos Entre O Discurso Oficial e dos Seus Críticos. Interfaces Científicas - Educação, v. 2, p. 71-81, 2013.

SCHEDLER, A. Que es la rendición de cuentas? Cuadernos de Transparencia. IFAI: México, 2004.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. Avaliação e responsabilização pelos resultados: atualizações nas formas de gestão de professores. In: Revista Perspectiva. Florianópolis, v. 29, n. 1, jan./jun. 2011, p. 127-160.

SUDBRACK, E. M; COCCO, E. M. Avaliação em Larga Escala no Brasil: potencial indutor de qualidade? Roteiro, Joaçaba, v. 39, n. 2, p. 347-370, jul./dez. 2014.