EDUCAÇÃO INTEGRAL: CONCEPÇÕES DOCENTES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE UBERABA-MINAS GERAIS

Diovane de César Resende Ribeiro, Diego Gerônimo Silva, Wagner Wey Moreira, Regina Maria Rovigati Simões

Resumo


O artigo versa sobre uma pesquisa de mestrado em andamento vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Tratou-se nesse trabalho do histórico da concepção de Educação Integral no Brasil e o Programa de Educação em Tempo Integral da Rede Municipal de Ensino de Uberaba/MG. Partindo da problemática de como os professores que atuam nas turmas dos anos iniciais de uma escola de tempo integral, percebem a Educação Integral?, traçou-se como objetivo analisar as percepções dos docentes regentes das turmas e professores responsáveis pelas oficinas dos anos iniciais na escola de tempo integral, possuem quanto à Educação Integral. A pesquisa utilizou como método de coleta para construção do material empírico a “Entrevista Narrativa” e para a análise dos dados a “Técnica de elaboração e análise de unidades de significado” para interpretação dos dados. O trabalho foi desenvolvido com 17 professores da rede municipal de ensino. Identificou-se diferentes concepções de Educação Integral nas respostas dos docentes: ampliação da jornada escolar, e ainda, notou-se a construção de uma identidade municipal para a política de Educação Integral.

Palavras-chave


Educação Integral. Escolarização de Tempo Integral. Professor de Tempo Integral.

Texto completo:

PDF

Referências


CARDOSO, Carla Santos; OLIVEIRA, Ney Cristina Monteiro de; SILVA, José Bittencourt da. Educação integral e(m) tempo integral: possibilidades analíticas do processo histórico recente em Belém do Pará. Revista HISTEDBR On-Line, Campinas, v. 19, [S.n], p. 1-23, mar. 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8653415. Acesso em: 04 jan. 2020.

CAVALIERE, Ana Maria. Tempo de escola e qualidade na educação pública. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1015-1035, out. 2007. Mensal. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a1828100. Acesso em: 26 maio 2019.

COELHO, Lígia Martha C. da C. Alunos no Ensino Fundamental, ampliação da jornada escolar e Educação Integral. Educar em Revista, Curitiba, [S.v], n. 45, p. 73-89, jul.-set, 2012. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1550/155024666006.pdf. Acesso em: 04 jan. 2020.

COSMO, Claudia de Carvalho; FERNANDES, Silvia Aparecida de Sousa. Neoliberalismo e educação – lógicas e contradições. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISA, 8., 2009, Campinas. Anais... . Campinas: Grupo de Estudo e Pesquisa História, Sociedade e Educação no Brasil, 2009. p. 1 - 23. Disponível em: . Acesso em: 06 jan. 2020.

FIGUERÊDO, Lívia Almeida; RIBEIRO, Marcelo Silva de Souza. Significados da educação integral: a experiência dos professores diante da implantação do Programa Mais Educação. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 9, n. 15, p.57-77, dez. 2013. Semestral. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2019

GALLO, Silvio et al. Educação Integral numa perspectiva anarquista. In: COELHO, Lígia Martha Coimbra da Costa; CAVALIERE, Ana Maria Vilela (Org.). Educação brasileira e(m) tempo integral. Petrópolis: Vozes, 2002. Cap. 1. p. 13-42.

GALVÃO, C. Narrativas em Educação. Ciênc. educ. (Bauru), Bauru, v. 11, n. 2, p. 327-345. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v11n2/12.pdf. Acesso em 02 fev. 2019.

GADOTTI, Moacir. Educação Integral no Brasil: inovações e processos. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009. Disponível em: http://acervo.paulofreire.org:8080/xmlui/bitstream/handle/7891/3079/FPF_PTPF_12_076.pdf. Acesso em: 28 fev. 2019.

GUARÁ, Isa Maria F. Rosa. É imprescindível educar integralmente. Cadernos Cenpec | Nova Série, [s.l.], v. 1, n. 2, p.15-24, 1 ago. 2006. Centro de Estudos e Pesquisas em Educacao, Cultura e Acao Comunitaria (CENPEC). http://dx.doi.org/10.18676/cadernoscenpec.v1i2. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2019.

JOCHELOVICHT, Sandra; BAUER, Martin W.. Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George (Ed.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 7. ed. Petrópolis: ´vozes, 2008. Cap. 6. p. 90-113. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2019.

MARCELO, Carlos. Desenvolvimento Profissional Docente: passado e futuro. Revista de Ciência da Educação, Taubaté, v. /, n. 8, p.7-22, abr. 2009. Bimestral. Disponível em: . Acesso em: 28 dez. 2019.

MUYLAERT, Camila Junqueira et al. Narrative interviews: an important resource in qualitative research. Revista da Escola de Enfermagem da Usp, [s.l.], v. 48, n. 2, p.184-189, dez. 2014. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0080-623420140000800027. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2019.

PALHARES, Lenir. Educação Integral para o homem integral: as escolas integralistas em Minas Gerais (1932-1937). 2016. 137 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado Acadêmico em Educação, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Belo Horizonte, 2016. Cap. 137. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2019.

UBERABA (Município). Lei nº 8.382, de 18 de outubro de 2002. Autoriza instituir no Município de Uberaba, o programa “Educação em Tempo Integral” nas escolas municipais, e contém outras disposições. Programa de Educação em Tempo Integral. Uberaba, MG: Secretaria Municipal de Educação de Uberaba, 18 out. 2002. Disponível em: . Acesso em: 28 dez. 2019.

VIDAL, Diana Gonçalves. 80 anos do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova: questões para debate. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 3, p.577-588, set. 2013. Trimestral. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n3p497-511


Indexada em: