POLÍTICAS PÚBLICAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA: QUESTÕES TEÓRICO-EMPÍRICAS A PARTIR DA UNILAB

Resumo

Discutimos os desafios que perpassam a constituição de uma política institucional de internacionalização da educação superior, a partir do caso da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB). Para tanto, apresentamos referências teórico-empíricas consideradas significativas à compreensão e análise de políticas públicas em universidades, destacando dimensões e fases das políticas públicas. Mobilizamos também o conceito de campo enquanto relevante à análise da construção e efetivação de políticas públicas. Articulamos também referências interpretativas e pragmáticas à estruturação e à dinâmica do campo. Em seguida, indicamos desafios teórico-empíricos à construção e efetivação de uma política de internacionalização na UNILAB, identificados no cotidiano experienciado no campo. Finalizamos refletindo acerca de algumas interfaces necessárias à essa política, bem como apontando desafios e contradições que dificultam à instituição e à comunidade acadêmica avançarem nessa internacionalização. Desse modo, espera-se apontar questões teórico-empíricas que possam fortalecer as possibilidades de construção de políticas de internacionalização nas universidades. Os dados gerados e as análises efetuadas decorrem de observação participante, análise documental, entrevistas, questionários e oficinas de cartografia social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR (ANDIFES). V Pesquisa do Perfil Socioeconômico e Cultural dos Estudantes de Pós-Graduação das Universidades Federais. Brasília: ANDIFES, 2019. Disponível em: https://ufla.br/images/arquivos/2019/05-maio/pesqui sa-socioeconomica2018.pdf. Acesso em: 16 ago. 2019.

AUTOR 1. et al. Cidades, juventudes e conflitos urbanos: questões teórico-empíricas a partir de Redenção e Acarape. Revista Estudos de Sociologia, PPGS, Universidade Federal de Pernambuco, v. 3, n. 24, 2019.

AUTOR 1 et al. V. Urbanização e os desafios à política urbana em pequenas cidades: o caso de Redenção, Ceará, no contexto de implantação da UNILAB. Revista Políticas Públicas & Cidades, v. 5, n. 1, p. 43-63, 2017.

BARROS, D.; NOGUEIRA, S. G. Cooperação educacional internacional Brasil/África: do programa estudantes-convênio de graduação (PEC-G) à Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB). Revista de Estudos Internacionais, v. 6, n. 2, p. 117-133, 2015.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

BOURDIEU, P. A economia das trocas linguísticas. In: ORTIZ, R. (org.). A sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Olho d’Água, 2003. p. 149-184.

BOURDIEU, P. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

CEFAÏ, D. Como nos mobilizamos? A contribuição de uma abordagem pragmatista para a sociologia da ação coletiva. Dilemas: Revista de Estudos de Conflitos e Controle Social, v. 2, n. 4, p. 11-48, 2009.

CEFAÏ, D. Públicos, problemas públicos, arenas públicas: o que nos ensina o pragmatismo (Parte 1). Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v. 36, n. 1, p. 187-213, 2017.

FREY, K. Análise de políticas públicas: algumas reflexões conceituais e suas implicações para a situação brasileira. Cadernos de Pesquisa, n. 18, p. 1-36, 1996.

GUSMÃO, N. M. M. África e Brasil no mundo acadêmico: diálogos cruzados. In: COSTA, A. B.; BARRETO, A. (coords.). África e o Mundo. Lisboa; Leiria: CEA/ISCTE-IUL; IPL, 2011. p. 283-299.

GUSMÃO, N. M. M. Africanos no Brasil, Hoje: Imigrantes, Refugiados e Estudantes. Tomo, n. 21, p. 13-33, 2012.

HELENO, M. G. B. O lugar da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB) na política externa do governo Lula (2003-2010). O Público e o Privado, n. 23, p. 109-127, jan./jun. 2014.

LANGA, E. N. B. Diáspora africana no Ceará no século XXI: ressignificações identitárias de estudantes imigrantes. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.

MALOMALO, B. I. Desafios de gestão multicultural numa universidade internacional: caso da UNILAB. Tensões Mundiais, Fortaleza, v. 14, n. 26, p. 75-100, 2018.

MENEGHEL, S.; AMARAL, J. Universidades internacionais na contracorrente. As propostas da UNILA e da UNILAB. Universidades, n. 67, p. 25-40, jan./mar. 2016.

MIGUEL, L. F. Consenso e conflito na teoria democrática: para além do “agonismo”. Lua Nova, São Paulo, n. 92, p. 13-43, maio/ago. 2014.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES. Histórico do Programa: Introdução. Brasília: Divisão de Assuntos Educacionais (DCE), Programa de Estudantes-Convênio de Graduação, 2019. Disponível em: http://www.dce.mre.gov.br/PEC/G/ historico/introducao.php. Acesso em: 10 jan. 2020.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

PETERS, G. M. Percursos na teoria das práticas sociais: Anthony Giddens e Pierre Bourdieu. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade de Brasília, 2006.

RIBEIRO, F. A. UNILA e UNILAB: uma abordagem sobre o processo de integração internacional do ensino superior a partir das universidades federais no Brasil. Geosaberes: Revista de Estudos Geoeducacionais, v. 6, n. 1, p. 63-71, jul./dez. 2015.

SANTOS, E. Internacionalização da educação superior: a opção geopolítica pela integração regional nos casos da UNILA e da UNILAB. Laplage em Revista, Sorocaba, v. 3, n. 3, p. 30-51, set./dez. 2017.

UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB). Diretrizes Gerais. Redenção: UNILAB, 2010.

UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB). Estatuto Geral da UNILAB. Redenção: UNILAB, 2018. Disponível em: http://www.unilab.edu.br/wp-content/uploads/2018/01/Estatuto-da-Universidade-da-Integra%C3%A7%C3%A3o-Internacional-da-Lusofonia-Afro-Brasilei ra-aprovado-pela-resolu%C3%A7%C3%A3o-42_2016-e-alterado-pelas-resolu%C3% A7%C3%B5es-332017-e-34_2017.pdf. Acesso em: 11 mar. 2019.

UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB). UNILAB em números. Redenção: UNILAB, 2019. Disponível em: https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiNTkzZjY2MWQtNjMzNS00MjkzLWI4YTA tOGJjY2NmNjdmNzI1IiwidCI6IjkwMjlkZGNlLWFmMTItNDJiZS04MDM3LTU4MzEzZTRkYzVkMSJ9. Acesso em: 10 jan. 2020.

UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB). UNILAB em números. Redenção: UNILAB, 2020. Disponível em: https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiNTkzZjY2MWQtNjMzNS00MjkzLWI4YTA tOGJjY2NmNjdmNzI1IiwidCI6IjkwMjlkZGNlLWFmMTItNDJiZS04MDM3LTU4MzEzZTRkYzVkMSJ9.

Publicado
2020-11-25
Como Citar
MACHADO, E. G., TAVARES, R. S. D. A., Freitas, M. V. C. C. de, & TEIXEIRA, T. G. (2020). POLÍTICAS PÚBLICAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA: QUESTÕES TEÓRICO-EMPÍRICAS A PARTIR DA UNILAB. Interfaces Científicas - Educação, 8(3), 567-583. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n3p567-583
Seção
Artigos