PROPAGANDA E AMBIGUIDADE LEXICAL: ESTRATÉGIA PARA CONSTRUÇÃO PERSUASIVA E ENSINO DE LEITURA

  • Sayonara Abrantes de Oliveira Uchôa IFPB / UERN
  • Symara Abrantes Albuquerque de Oliveira Mestrado multiprofissional em Sistemas Agroindustriais com ênfase na saúde; Doutoranda em Ciências da Saúde pela Santa Casa da Misericórdia de São Paulo; Especialista em Saúde da Família, Obstetrícia, Gestão e Metodologias ativas; Graduada em Letras – IFPB e em Enfermagem pela Universidade Federal de Campina Grande – UFCG (2011); Atua principalmente nos seguintes temas: Enfermagem, Enfermagem em Saúde da Mulher, Ensino e aprendizagem, Metodologias Ativas de ensino e aprendizagem.
Palavras-chave: ambiguidade lexical. Persuasão. Propaganda. Ensino.

Resumo

O universo da propaganda, sob o reflexo da rapidez requerida pelos instrumentos midiáticos, tende a buscar meios que promovam mecanismos capazes de envolver o consumidor, fazendo uso de estratégias que motivem o leitor e, ao mesmo tempo, sejam adequadas à rapidez e precisão que a sociedade requer. Com base nesta constatação inicial, objetivamos discutir a produtividade dos fenômenos de ambiguidade lexical na construção de peças envolvidas na propagação de campanhas de conscientização acerca de problemas sociais e a riqueza constitutiva desses fenômenos para a produção de ferramentas de ensino de leitura. Partimos do pressuposto de que essas propagandas são construídas com base na riqueza constitutiva de situações linguísticas envolvendo tanto a polissemia como a homonímia. Assim, serão apresentadas análises descritivas desses fenômenos em propagandas, estabelecendo uma relação com bases teóricas entre as teorias da comunicação e as linguísticas, ancorando-nos em Brandão (2006), Carvalho (2006), Sandmann (2014), entre outros, através dos quais buscamos caracterizar o gênero propaganda e a importância das relações lexicais em sua construção, analisando os fenômenos lexicais geradores de ambiguidade à luz das reflexões de Oliveira (2008), Henriques (2011), Ullmann (1964), Carvalho (2014, 2006), entre outros. Com base nas analises realizadas, fica evidente como os fenômenos lexicais produtores de ambiguidade são representativos à construção de mensagens voltadas à propaganda, ampliando a riqueza desses enunciados, marcados pela criatividade como instrumento de persuasão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sayonara Abrantes de Oliveira Uchôa, IFPB / UERN
Pós-doutoranda em Ensino, pela UERN. Doutora e Mestre em Linguística pela UFPB\PROLING, pesquisadora nas áreas de Semântica, Leitura e Linguística Aplicada. Possui graduação em LICENCIATURA PLENA EM LETRAS pela Universidade Federal de Campina Grande (2003). Atualmente é professora efetiva do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba- Campus Cajazeiras - PB, atuando nos ensinosTécnico, Tecnológico e Licenciatura em Letras. Líder do Grupo de Pesquisa Ensino e Aprendizagem de Línguas. Atua, também, como supervisora de área do PIBID. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa, atuando principalmente nos seguintes temas: produção textual, metodologia do trabalho científico, formação e ensino linguagem de linguagem. Desenvolve pesquisa na área de Linguística Aplicada, com ênfase no desenvolvimento da leitura fundamentando-se em teorias semânticas do texto e do discurso.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

CARVALHO, Nelly. O texto publicitário na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2014.

____________. Publicidade: a linguagem da sedução. São Paulo: Ática, 1996.

COSTA, João Roberto Vieira da. Comunicação de Interesse Público: ideias que movem pessoas a fazer um mundo melhor. São Paulo: Jaboticaba, 2006.

COUTINHO, Renata Corrêa. Publicidade e Propaganda: aspectos históricos. 2011. Disponível em: www.bocc.ubi.pt. Acesso em 15/05/2017.

CITELLI, Adilson. Linguagem e persuasão. São Paulo: Ática, 2002.

DUBOIS, Jean [et al]. Dicionário de Linguística. 7.ed. São Paulo: Cultrix, 1999.

DURANDIN, Guy. As mentiras na propaganda e na publicidade. Antônio Carlos [trad.] São Paulo: JSN Editora, 1997.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. Curitiba: Criar Edições, 2003.

GARCIA, Nélson Jahr. Propaganda: ideologia e manipulação. 1999. Versão digital: http://ebooksbrasil.org/index2.html.

GOMES, Neusa Demartini. Publicidade ou propaganda? É isso aí! Porto Alegre: FAMECOS/PUCRS, dezembro de 2001.

GONÇALVES, E. M. Publicidade: análise da produção publicitária e da formação profissional. São Bernardo do Campo, Revista comunicação e sociedade, 1997.

HENRIQUES, Claudio Cezar. Léxico e Semântica: estudos produtivos sobre palavra e significação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

LAMPREIA, J. Técnicas de comunicação: Publicidade, propaganda, relações públicas. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1994.

MALANGA, Eugênio. Publicidade: uma introdução. São Paulo: Atlas, 1979.

MARCONDES, Pyr. Uma história da propaganda brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros Textuais: configuração, dinamicidade e circulação. IN: KARWOSKI, Acir Mário; GAYDECZKA, Beatriz; BRITO, Karim S. (Orgs.). Gêneros Textuais: reflexões e ensino. São Paulo: Parábola, 2011.

______________. Gêneros Textuais: definição e funcionalidade. IN: DIONÍSIO, A. et al (Orgs.). Gêneros Textuais e Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002. p.19-36.

MORAIS, Mateus de Souza; FELIZOLA, Matheus Pereira Mattos. A Propaganda como Semeadora de Informações e Ideias por um Mundo Melhor e a Análise dos Cases “Razões para Acreditar”, da Coca-Cola e “Embrace Life”. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Recife, PE – 2 a 6 de setembro de 2011.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Manual de Semântica. Petrópolis: Vozes, 2008.

PINHO, J.B. Propaganda Institucional: usos e funções da propaganda em relações públicas. São Paulo: Summus, 1990.

SAMPAIO, Rafael. Propaganda de A a Z. São Paulo, Editora Campus, 2003.

SANDMANN, Antônio. A linguagem da propaganda. 10. ed. São Paulo: Contexto, 2014.

STEPHENS, Mitchell. História das comunicações: do tantã ao satélite. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1993.

REBOUL, Olivier. O slogan. Trad. Inácio de Assis Silva. São Paulo: Cultriz, 1975.

ULLMANN, Stephen. Semântica: uma introdução à ciência do significado. 4.ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1964.

VESTERGAARD, Torben. SCHRØDER, Kim. A linguagem da propaganda. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

Publicado
2020-09-06
Como Citar
Uchôa, S. A. de O., & Oliveira, S. A. A. de. (2020). PROPAGANDA E AMBIGUIDADE LEXICAL: ESTRATÉGIA PARA CONSTRUÇÃO PERSUASIVA E ENSINO DE LEITURA. Interfaces Científicas - Educação, 8(3), 469-482. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n3p469-482
Seção
Artigos