O LUGAR DOS ROTEIROS PRÁTICOS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE BIOLOGIA

DOI:

https://doi.org/10.17564/2316-3828.2021v10n3p33-46

Autores

  • Lara Cristina de Queluz Andrade Colégio Estadual da Polícia Militar de Goiás (CEPMG) - Unidade Dionária Rocha
  • Daniela Franco Carvalho Universidade Federal de Uberlândia

Palavras-chave:

Trabalho prático, Ensino, Livro didático

Publicado

2021-04-28

Downloads

Downloads

Não há dados estatísticos.

Edição

Seção

Artigos

Resumo

Os roteiros práticos são usados para descrever as ações e tarefas do trabalho prático, o qual abrange várias atividades que vão desde as experimentações, o laboratório, a investigação e até as mais didáticas e artísticas. Assim, reconhecer o lugar dos roteiros e do trabalho prático contribui para a compreensão da imagem de ensino e de Ciência que está sendo difundida nas escolas. Diante desse contexto, o objetivo desse artigo é entender o lugar ocupado pelos roteiros práticos nos livros didáticos de Biologia, sendo o método adotado uma pesquisa bibliográfica com o tratamento inspirado na análise de discurso. Para isso, analisamos 25 roteiros práticos da coleção Biologia Hoje. A partir da análise, percebemos que a coleção reconhece o roteiro e o trabalho prático com igual valor a um exercício teórico, compondo uma imagem de Ciência e de Ensino que valoriza o cientificamente comprovado e o trabalho técnico.

Como Citar

Andrade, L. C. de Q., & Carvalho, D. F. (2021). O LUGAR DOS ROTEIROS PRÁTICOS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE BIOLOGIA. EDUCAÇÃO, 10(3), 33–46. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2021v10n3p33-46

Referências

ALVES FILHO, José de Pinho. Atividades experimentais: do método à prática construtivista. 303 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação). Centro de Ciências da Educação. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

BAPTISTA, Mónica Luísa Mendes. Concepção e implementação de actividades de investigação: um estudo com professores de física e química do ensino básico. 561 f. Tese de doutoramento (Educação, Área de Especialização em Didática das Ciências). Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2010.

BRANDÃO, Helena H. Nagamine. Introdução à Análise do Discurso. Campinas: Editora UNICAMP, 2004.

CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. As práticas experimentais no ensino de física. In: CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. (Org.). Ensino de Física. São Paulo: Cengage Learning, 2010, cap.3, p.53-77.

FAHL, Deise Dias. Marcas do ensino escolar de ciências presentes em museus e centros de ciências: um estudo da Estação Ciência. 203 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

GARCÍA BARROS, Susana; MARTÍNEZ LOSADA, María Cristina; MONDELO ALONSO, Maltide. El trabajo práctico: una intervención para la formación de profesores. Enseñanza de La Ciencias. Coruña, v.13, n. 2, p.203-209, 1995.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HODSON, Derek. Experimentos na ciência e no ensino. Tradução Paulo A. Porto. Educational Philosophy and Theory, Auckland, Nova Zelândia, v.20, out., 1988. Tradução de: Experiments in science and science teaching. Disponível em: < http://www.iq.usp.br/palporto/TextoHodsonExperimentacao.pdf>. Acesso em: 01 jul. 2015.

HODSON, Derek. Haciaun enfoque más crítico Del trabajo de laboratório. Enseñanza de las Ciencias. v. 12, n.3, p. 299-313, 1994.

LINHARES, Sérgio Vasconcelos de; GEWANDSZNAJDER, Fernando. Biologia Hoje. 2. ed. São Paulo: Ática, 2013.

MEN, Cleonice. Tipo textual injuntivo: exemplos em revistas impressas de negócios. Estudos Semióticos, Número 3, São Paulo, 2007. Disponível em: . Acesso em: 26 mar. 2015.

ROSA, Adriana Letícia Torres da; A sequência injuntiva passo a passo. Dissertação (Mestrado em Linguística). 144f. Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003. Disponível em: <http://www.repositorio.ufpe.br/bitstream/handle/123456789/7899/arquivo8096_1.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 28 mar. 2015.