PEDAGOGIAS DA SEXUALIDADE NA PORNOCULTURA: NOTAS SOBRE AS MILFS

  • Luiz Felipe Zago Programa de Pós-Graduação em Educação Curso de Comunicação Social - Jornalismo Universidade Luterana do Brasil
  • Thanise Guerini Atolini Universidade Luterana do Brasil.
Palavras-chave: corpo, gênero, sexualidade, pornografia

Resumo

O artigo investiga as pedagogias da sexualidade que constituem a milf (mother i’d like to fuck), personagem da pornografia contemporânea, enquanto um produto da economia do desejo e da pornocultura. O objetivo é circunscrever a milf como uma pedagoga da sexualidade do tempo presente, constituída por diferentes sentidos de corpo, gênero, sexualidade, geração, maternidade em três vídeos do site YouPorn, investigados por meio de análise cultural. Aponta-se a milf como uma pedagoga que ensina diferentes aspectos da sexualidade devido à sua própria experiência sexual. As milfs ressignificam o corpo e prazer da mulher “mais velha”, destacando que o fator geracional é um ponto positivo devido à experiência e segurança que dispõem na hora de se relacionar afetiva e sexualmente. Por outro lado, as milfs reiteram os padrões corporais estéticos e práticas sexuais heteronormativas conformadas pela indústria pornográfica tradicional, centralizando-se no prazer e desejos do homem, bem como no pênis e na penetração. No entanto, há vídeos que se centralizam também no prazer feminino, destacando o quanto diferentes partes do corpo da mulher devem ser exploradas na busca do prazer. Em geral, há a negociação de diferentes sentidos sobre corpo, sexualidade, gênero, maternidade e geração. A milf como uma pedagoga da sexualidade é marcada pela sua suposta experiência sexual como um diferencial para ensinar homens “mais novos”, posicionados como indivíduos inexperientes, tímidos e infantilizados em relação ao corpo, prazer e sexualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Felipe Zago, Programa de Pós-Graduação em Educação Curso de Comunicação Social - Jornalismo Universidade Luterana do Brasil
Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação, na Linha de Pesquisa Pedagogias e Políticas da Diferença, e Professor do Curso de Comunicação Social - Jornalismo da Universidade Luterana do Brasil (Campus Canoas). Membro do Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos da mesma instituição. Editor-gerente da Revista Textura. Graduado em Comunicação Social pela Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006), Mestre (2009) e Doutor (2013) em Educação pelo Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da UFRGS na Linha de Pesquisa em Educação, Sexualidade e Relações de Gênero. Já atuou como jornalista e assessor de comunicação. Foi coordenador e consultor de projetos de prevenção às infecções sexualmente transmissíveis, HIV/Aids entre homens que fazem sexo com homens das cidades de Porto Alegre e região metropolitana, tendo sido militante no movimento LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros) durante 7 anos. Atuou como consultor técnico na Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas do Ministério da Saúde da Brasil. Suas áreas de interesse são relações de gênero, corpo, sexualidade, Direitos Humanos, produção de subjetividades, mídia radical alternativa, produção social do ódio/violência e ética.

Referências

ABREU, Nuno Cesar. O olhar pornô: A representação do obsceno no cinema e no vídeo. Campinas: Mercado de Letras, 1996.

ATTIMONELLI, Claudia. SUSCA, Vicenzo. Pornocultura: viagem ao fundo da carne. Porto Alegre: Sulina, 2017. 181 p.

ATTWOOD, F. Sexed up: Theorizing the sexualization of culture. Sexualities, 2006. p. 77–95.

BALTAR, Mariana; BARRETO, N. M. C.. As pornificações de si em Diário da putaria. Crítica Cultural, v. 9, p. 265-275, 2014.

DEBERT, Guita Grin. A dissolução da vida adulta e a juventude como valor. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v.16, n. 34, p. 49-70, Dec. 2010.

DOORN, Niels Van. A. J. M. Digital Spaces, Material Traces: Investigating the Performance of Gender, Sexuality, and Embodiment on Internet Platforms that feature User-Generated Content. 2010.

FRIEDMAN, May. Unpacking MILF: Exploring motherhood, sexuality and feminism. Atlantis: Critical Studies in Gender, Culture and Social Justice 36(2): 49-60. 2015.

FURLANI, Jimena. Mulheres só fazem amor com homens? A Educação Sexual e os relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo. Pro-Posições (Unicamp), v. 19, p. 111-131, 2008.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, v. 22, n.2, jul./dez., 1997.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da Sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. O Corpo Educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. P. 07-34.

MEYER, Dagmar E. E.. Educação, saúde e modos de inscrever uma forma de maternidade nos corpos femininos. Movimento, Porto Alegre, v. 9, n.3, p. 38-52, 2003.

MISKOLCI, Richard. San Francisco e a nova economia do desejo. Lua Nova (Impresso), São Paulo, n. 91, p. 269-295, 2014.

PARREIRAS, C. Altporn, corpos, categorias, espaços e redes: um estudo etnográfico sobre pornografia online. 2015. 267 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, São Paulo. 2015.

PORNHUB. PORNHUB’S 2016 Year in Review. Disponível em: <https://www.pornhub.com/insights/2016-year-in-review>. Acesso em: 26 mar. 2019.

PORNHUB. PORNHUB’S 2017 Year in Review. Disponível em: <https://www.pornhub.com/insights/2017-year-in-review>. Acesso em: 26 mar. 2019

PRIMO, Alex. O aspecto relacional das interações na Web 2.0. In: XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2006, Brasília. Anais, 2006.

SARMET, Erica R. “Sin porno no hay posporno”: corpo, excesso e ambivalência na América Latina. 2015. 133 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) - Instituto de Arte e Comunicação Social - Universidade Federal de Fluminense, Rio de Janeiro. 2015.

SIBILIA, Paula. O show do eu – a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2016.

VANNIER, S. A., CURRIE, A. B., & O’SULLIVAN, L. F. School girls and soccer moms: A content analysis of free “teen” and “MILF” online pornography. Journal of Sex Research, 52, 253-264. 2014.

WORTMANN, Maria Lúcia C.. Análises culturais - um modo de lidar com histórias que interessam à educação. In: COSTA, Marisa, Vorraber. (Org.). Caminhos Investigativos II. Outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. 1 ed. Rio de Janeiro (RJ): DP&A, 2002, v., p. 73-92.

Publicado
2020-04-23
Como Citar
Zago, L. F., & Atolini, T. G. (2020). PEDAGOGIAS DA SEXUALIDADE NA PORNOCULTURA: NOTAS SOBRE AS MILFS. Interfaces Científicas - Educação, 8(2), 83-98. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n2p83-98
Seção
Dossiê