PARADIGMA DO CUIDADO COMPLEXO EM SAUDE: produção de conhecimento no campo da enfermagem

Andréia Valéria de Souza Miranda, Marina Patricio de Arruda, Sonia Maria Martins de Melo

Resumo


Esse artigo tem por objetivo integrar reflexões sobre complexidade e formação em enfermagem. Por tratar-se de um artigo de revisão a metodologia utilizada para o estudo foi a pesquisa bibliográfica. Observamos por meio de diferentes discussões que o cuidado no campo da enfermagem foi se transformando até chegar ao cuidado profissional tal como é praticado hoje, tendo em vista os paradigmas que permearam sua trajetória histórica. Pensar e refletir sobre o paradigma do cuidado complexo em saúde significa estar sensível ao desenvolvimento de práticas de cuidado que considerem interconexões, intercorrências das interações envolvidas na assistência no processo de cuidar. A teoria base para essa reflexão tornou-se um ponto de partida, não de chegada.

Palavras-chave


Paradigma. Cuidado complexo em saúde. Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto nº791, de 27 de setembro de 1890. In: Decretos do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brazil, 9º fasc., set. 1890. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1890.

____. Lei 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício de Enfermagem e dá outras providencias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 jun.1986

¬¬¬¬

____. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996.

____. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação(*)

Câmara de educação superior. Resolução cne/ces nº 3, de 7 de novembro de 2001. Brasília: me. 2001

BRESCIANI, H.R. et al. Legislação comentada: lei do exercício profissional e código de ética / Organização: Helga Regina ... [et al.]. – Florianópolis: Conselho Regional de Enfermagem de Santa Catarina: Letra Editorial, 2016. 137p. – (Cadernos Enfermagens; v.3)

CAPRA, F. O ponto de mutação. A ciência, a sociedade e a cultura emergente. São Paulo: Cultrix, 1982.

COFEN. Resolução 0564/2017. Aprova o novo Código de ética dos Profissionais de Enfermagem. Brasília: 2017. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-5642017_59145.html. Acessado em 15/05/2018.

GALVANI, P. A autoformação, uma perspectiva transpessoal, transdiciplinar e transcultural. In: SOMMERMAN, A.; MELLO, M. F.; BARROS, V. M. (Org.). Educação e transdisciplinaridade II. São Paulo: Triom, 2002. p. 95-121.

GEOVANINI, T. MOREIRA, A; SCHOELLER, S. D; MACHADO, W. C. A. História da Enfermagem: versões e interpretações. 3 ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2010.

GONÇALVES, T.N. R. Promoção de habilidades cognitivas e educação: um modelo de análise de programas de desenvolvimento cognitivo. Revista Brasileira de Educação. UIED/FCT/Universidade Nova de Lisboa. v. 15 n. 45 set./dez. 2010.

____. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya; revisão técnica de Edgard de Assis Carvalho. 2. ed. São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 2000.

____. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand, 2001.

____. Ciência com consciência. Ed. Revista e aumentada pelo autor. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

____. O método 5. A humanidade da humanidade. Porto Alegre: Sulina, 2002.

OGUISSO, T. (org). Trajetória histórica e legal da enfermagem. 2ª ed. Ampl. – Barueri, SP: Manole, 2007.

SENA, R. R.; GONÇALVES, A. M.; DUARTE, E. D.; COELHO, S. O cuidado no trabalho em saúde: implicações para a formação de enfermeiros. Rev. Interface. Comunicação, Saúde e Educação, v. 24, p. 23-34, 2008. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832008000100003&script=sci_abstract&tlng=pt Acessado em 23/05/2017

SILVA, A.L; CAMILLO, S.O. A educação de enfermagem à luz do paradigma da complexidade. Rev Esc Enferm USP. 2007; v. 41, n. 3, p. 403-410.2007. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62342007000300009&script=sci_abstract&tlng=pt Acessado em 21/03/2018




DOI: https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n3p27-40


Indexada em: