PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA: UMA ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DE 2007 A 2017

DOI:

https://doi.org/10.17564/2316-3828.2021v10n3p93-105

Autores

  • CICERA AUREA FONTES VILELA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO
  • MARIANNE LOUISE MARINHO MENDES UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Palavras-chave:

Programa saúde na Escola, educação, saúde, intersetorialidade

Publicado

2021-04-28

Downloads

Downloads

Não há dados estatísticos.

Edição

Seção

Artigos

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo analisar a produção científica em relação ao Programa Saúde na Escola (PSE) no período de 2007 a 2017, por meio de uma análise bibliométrica, nas bases de dados do portal Periódicos Capes/MEC, Scielo, e Google Acadêmico no período de junho a agosto de 2017. Foram relacionados 12 artigos, em que mencionasse o termo PSE no título, onde se observou a pouca publicação de artigos nessa temática. O número de autores por artigo variou de um a seis autores. Essas publicações variaram de 1 (um) a 2 (dois) artigos por ano. Os artigos foram publicados em periódicos da área de Ciências da Saúde, Ciências Biológicas, Ciências sociais e na área da Educação. Em relação à técnica de coleta de dados foram predominantes, a análise documental e a de entrevistas. Esses estudos foram realizados com documentos oficiais e na comunidade escolar, com profissionais de saúde e educação. Se referiam a diversas temáticas sobre o PSE, porém, observou-se o destaque dado à intersetorialidade nos estudos realizados, acreditamos que devido ao programa ter sido criado nessa perspectiva, da articulação entre os setores saúde e educação. Embora ainda seja um ponto bastante fragilizado, quanto ao entendimento do significado de intersetorialidade, que vai além de uma parceria, é esse conceito fundamental para atingir o objetivo principal, que é o cuidado integral ao educando. Diante do panorama encontrado no país sobre o tema, percebemos a necessidade de pesquisar mais sobre o programa.

Como Citar

VILELA, C. A. F., & MENDES, M. L. M. (2021). PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA: UMA ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DE 2007 A 2017. EDUCAÇÃO, 10(3), 93–105. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2021v10n3p93-105