A INSTRUCÇÃO É A MAIS SOLIDA BASE D’UMA SOCIEDADE BEM ORGANIZADA: o abono da civilização. Província da Parahyba do Norte. 1849-1889

  • Lays Macena Batista Universidade Federal da Paraíba
  • Mauricéia Ananias Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Província da Parahyba do Norte, Instrução Primária, Civilização.

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar o debate sobre a instrução e civilização na Província da Parahyba do Norte nos anos de 1849 a 1889. Os dois primeiros regulamentos da instrução decretados após o Ato adicional à constituição de 1824 marcam o começo da narrativa. O final do estudo indica o ocaso da monarquia e a reconfiguração em outro regime político marcando a sociedade e o ensino. Os estudos no campo da história da educação no período imperial têm demonstrado que a ideia de instruir estava relacionada à necessidade de inserir a população em um projeto civilizatório. O percurso teórico-metodológico contemplou os estudos do sociólogo Nobert Elias para a conceituação do termo civilização. Para a análise, considerou-se que as elites da época reproduziram a ideia de civilizar como instrumento de controle e desenvolvimento da instrução de uma parcela da população pobre. Concluímos que, aos pobres, defenderam que a instrução os salvariam das trevas da ignorância. Pelas críticas, percebeu-se que havia uma vontade das pessoas em compor a forma escolar. Os conflitos indicaram dois movimentos: de um lado o controle, de outro a necessidade de socialização para reconhecimento público e moral. Os discursos dos homens da época defenderam o acesso à instrução como garantia de libertação dos povos, reconfigurando uma moral pautada no desenvolvimento material como forma de progresso social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lays Macena Batista, Universidade Federal da Paraíba
Doutoranda em Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba, na linha de História da Educação, com ênfase para pesquisa da escolarização da população pobre e negra no século XIX. Mestrado em Educação. Graduação em Pedagogia.
Mauricéia Ananias, Universidade Federal da Paraíba
Atualmente é professora Associada do Centro de Educação e membro do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba. Possui graduação em Licenciatura Plena em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUCC - (1994), mestrado em História da Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP- (2000) e doutorado em História da Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP- (2005). Compõe a Comissão Editorial da Revista HISTEDBR On-line UNICAMP/SP. Integra os Grupos de pesquisa: História da Educação no Nordeste Oitocentista- GHENO e Estudos e Pesquisas História da Educação da Paraíba- HISTEDBR/PB, ambos radicados na Universidade Federal da Paraíba e registrados no Diretório de Grupos do CNPQ. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em História da Educação, atuando principalmente com temas relacionados à história da educação na Paraíba Imperial, em especial, pesquisando processos de escolarização e a institucionalização da escola pública primária.

Referências

ABREU, Martha. Civilização. In: VAINFAS, Ronaldo (org.) Dicionário do Brasil imperial. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008.

ANANIAS, Mauricéia. As escolas para pobres: instrução, trabalho e civilização: Campinas – SP, 1860-1889. João Pessoa, Editora da UFPB, 2015.

BOTO, Carlota. A racionalidade escolar como processo civilizador: a moral que captura almas. Revista Portuguesa de Educação, vol. 23, núm. 2, 2010. Universidade do Minho, Braga, Portugal.

CASTANHA, André Paulo. Pedagogia da Moralidade: a ordem civilizatória imperial. Revista Piquiriguaçu, Cascavel - Paraná, p. 14 - 15, 20 maio 2007.

ELIAS, Nobert, O processo civilizador. Vol. 1. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

LEIS E REGULAMENTOS DA INSTRUÇÃO PÚBLICA NO PERÍODO IMPERIAL. PINHEIRO. Antonio Carlos Ferreira; CURY, Cláudia Engler (org.). Coleção Documentos da Educação Brasileira [recurso eletrônico]- Dados eletrônicos- Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2004.

PARAHYBA DO NORTE, Província. Relatório aprezentado a Assembléa Legislativa Provincial da Parahyba do Norte pelo presidente da mesma Província, o tenente coronel, Frederico Carneiro de Campos, em Maio de 1846. Pernambuco, Typ. Imparcial, 1846. Disponível em: http://www.crl.edu/pt-br/brazil/about-project. Acesso em: 18/06/2015.

PARAHYBA DO NORTE, Província. Relatório apresentado a Assembléa Legislativa da Parahyba do Norte pelo Presidente da Província, o Dr. Ambrozio Leitão da Cunha, em 2 de Agosto de 1859. Parahyba, Typ. de José Rodrigues da Costa, 1859. Disponível em: http://www.crl.edu/pt-br/brazil/about-project. Acesso em: 18/06/2015.

PARAHYBA DO NORTE, Província. Relatório apresentado a Assemblea Legislativa da Província da Parahyba do Norte em 15 de Junho de 1860 pelo presidente, Dr. Luiz Antonio da Silva Nunes. Parahyba, Typ. de José Rodrigues da Costa, 1860. Disponível em: http://www.crl.edu/pt-br/brazil/about-project. Acesso em: 18/06/2015.

PARAHYBA DO NORTE, Província. Relatório com que o Ill.mo e Ex.mo Snr. Barão de Mamanguape recebeu do Ill.mo e Ex.mo Snr. Dr. Luiz Antonio de Silva Nunes, a administração da Província da Parahyba do Norte a 17 de Março de 1861. Parahyba, Typ. de J.R. da Costa, 1861. Disponível em: http://www.crl.edu/pt-br/brazil/about-project. Acesso em: 18/06/2015.

PARAHYBA DO NORTE, Província. Relatório apresentado a Assembléa Legislativa Provincial da Parahyba do Norte pelo Exm. Sr. Dr. Francisco Araujo Lima na abertura da sessão ordinária de 1863. Parahyba, Typ. Parahybana, [n.d.]. Disponível em:

PARAHYBA DO NORTE, Província. Relatório apresentado a Assemblea Legislativa Provincial da Parahyba do Norte pelo Presidente, Exm. Sr. Dr. Manoel Ventura de Barros Leite Sampaio, em 4 de Outubro de 1882. Parahyba, Typ. do Commercio, 1882. Disponível em: http://www.crl.edu/pt-br/brazil/about-project. Acesso em: 18/06/2015.

ROCHA, Solange Pereira da. Gente negra na Paraíba oitocentista: população, família e parentesco espiritual. São Paulo: UNESP, 2009.

SÁ, Ariane Norma de Menezes. Escravos, libertos e insurgentes: Paraíba (1850-1888). 2 ed. João Pessoa: UFPB, 2005.

Publicado
2018-03-02
Como Citar
Batista, L. M., & Ananias, M. (2018). A INSTRUCÇÃO É A MAIS SOLIDA BASE D’UMA SOCIEDADE BEM ORGANIZADA: o abono da civilização. Província da Parahyba do Norte. 1849-1889. Interfaces Científicas - Educação, 6(2), 97–106. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2018v6n2p97–106
Seção
Artigos