O JORNAL DE PESQUISA E O DIÁRIO DE CAMPO COMO DISPOSITIVOS DA PESQUISA-FORMAÇÃO

  • Maristela Midlej Silva de Araujo Veloso UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA
  • Maria Helena Silveira Bonilla UFBA
Palavras-chave: Pesquisa-formação – Jornal de pesquisa – Diário de campo

Resumo

O presente trabalho é parte de uma pesquisa de doutorado intitulada O professor e a autoria no contexto da cibercultura: redes da criação no cotidiano da escola. O estudo foi conduzido pela pesquisa-formação, com a abordagem da complexidade e os pressupostos da pesquisa nos/dos/com os cotidianos, em diálogo com os estudos da cibercultura e formação de professores e uso de tecnologia. A pesquisa foi desenvolvida na Escola Padre Carlo Salerio, situada no município de Itabuna-Ba, uma das 10 escolas baianas a receber os laptops do Projeto Um Computador por Aluno (PROUCA). Três praticantes professoras (PP) de turmas do Fundamental II nos acompanharam nessa investigação. Analisamos as práticas pedagógicas em diferentes espaçostempos da escola, as narrativas das praticantes e os documentos de processo. Para tal, utilizamos diferentes dispositivos de pesquisa. Buscamos compreender o movimento de criação das professoras no cotidiano da escola, além dos atos do currículo materializados nas suas práticas pedagógicas. Apesar de ter contado com vários dispositivos de pesquisa como os encontros de formação, as nossas conversas, os documentos de processo, decidimos neste artigo priorizar os diários de pesquisa, pois constatamos que estes oferecem pistas sobre as maneiras como se desenvolve o processo da pesquisa-formação, além de elencar alguns elementos que contribuem para a formação do professor-pesquisador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, Inês B.; ALVES, Nilda (Org.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos: sobre redes de saberes. Petrópolis: DP et alii, 2008. p.15-38.

BARBIER, René. A pesquisa-ação. Trad. Lucie Didio. Brasília: Plano, 2007.

BARBOSA, Joaquim Gonçalves; HESS, Remi. O diário de pesquisa: o estudante universitário e seu processo formativo. – Brasília: LiberLivro, 2010.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 16 ed. Petropólis, Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

COULON, Alain. Etnometodologia e educação. Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira. Petrópolis: Vozes, 1995b.

COULON, Alain. Etnometodologia. Petrópolis: Vozes, 1995a.

FERRAÇO, Carlos Eduardo. Pesquisa com o cotidiano. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 98, p. 73-95, jan./abr. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v28n98/a05v2898.pdf > Acesso em 12 nov 2012

FREITAS, Maria Teresa de Assunção. A abordagem sócio-histórica como orientadora da Pesquisa Qualitativa. Cadernos de Pesquisa, n. 116, p. 21-39, jul. 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

JOSSO, Marie-Christine. Caminhar para si. Tradução Albino Pozzer. Revisão Maria Helena Menna Barreto Abrahão. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

MACEDO, Roberto Sidnei. A Etonopesquisa Crítica e Multireferencial nas Ciências Humanas e na Educação. Salvador: EDUFBA, 2000.

MACEDO, Roberto Sidnei. Atos de currículo e autonomia pedagógica: o sociocosntrutivismo curricular em perspectiva. Petropólis, Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

MACEDO, Roberto Sidnei. Atos de currículo formação em ato?: para compreender, entretecer e problematizar currículo e formação. Ilhéus: Editus, 2011.

MACEDO, Roberto Sidnei. Compreender/mediar a formação: o fundante da educação. Brasília: LiberLivro, 2010.

MACEDO, Roberto Sidnei. Etnopesquisa Crítica, etnopesquisa-formação. Brasília: Liber Livro, 2006.

MACEDO, Roberto Sidnei. Outras luzes: um rigor intercrítico para uma etnopesquisa política. In: MACEDO, Roberto Sidnei, GALLEFI, Dante; PIMENTEL, Álamo. Um Rigor Outro: Sobre a questão da qualidade na pesquisa qualitativa. Salvador, EDUFBA, 2009. p. 75-126.

NÓVOA, António. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002.

NÓVOA, António. Prefácio. In: JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004. p.11-17.

SANTOS, Edméa. Educação online como campo de pesquisa-formação: potencialidades das interfaces digitais. In: SANTOS, Edméa; ALVES, Lynn. Práticas pedagógicas e tecnologias digitais. Rio de Janeiro: E-papers, 2006.

_______.Educação online. Cibercultura e Pesquisa-formação na prática docente. Tese de doutorado. Salvador, Ba: Faced/Ufba, 2005.

SANTOS, Edméa e WEBER, Aline. Diários online, Cibercultura e pesquisa-fromação multirreferreferencial. In: SANTOS, Edméa (org.). Diários online: dispositivo multirreferencial de pesquisa formação na Cibercultura. Coleção estudos Pedagógicos. Santo Tirso, Portugal, 2014. P. 13-31.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação.14.ed. São Paulo: Cortez, 2005.

Publicado
2017-10-14
Como Citar
Silva de Araujo Veloso, M. M., & Bonilla, M. H. S. (2017). O JORNAL DE PESQUISA E O DIÁRIO DE CAMPO COMO DISPOSITIVOS DA PESQUISA-FORMAÇÃO. Interfaces Científicas - Educação, 6(1), 47-58. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2017v6n1p47-58
Seção
Dossiê