OS MEMES DE HUMOR E A NATURALIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA COMO CAMINHO EDUCATIVO

Milena Aragão

Resumo


O presente artigo tem como objetivo compreender os discursos sobre os castigos físicos manifestos nos memes da fanpage do Facebook, “Bode Gaiato”, a fim de analisar a legitimação e a disseminação da violência contra a criança mascarada pelo humor. Para tanto, foram discutidos o uso dos castigos como caminho educativo; o conceito de meme e sua projeção nas redes sociais; e analisados os discursos presentes nos memes e nos comentários destes. Como caminho metodológico, foram escolhidos dois dos memes sobre castigos mais curtidos do site, compreendendo o período de 2013 a 2017, os quais foram analisados a partir da Análise Textual Discursiva. Como discussão, foram problematizadas quatro categorias: os castigos, o humor, o erro e a família. Na conclusão, debateu-se sobre a valorização da violência na educação da criança, bem como os memes de humor na naturalização de discursos que legitimam a violência como caminho para educar, seja em casa ou na escola

Palavras-chave


Castigo Físico; Rede Social x Meme; Processos culturais

Texto completo:

PDF

Referências


ARAGAO, Milena.; FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de. Práticas de castigos escolares: enlaces históricos entre normas e cotidiano. Conjectura: Filosofia e Educação (UCS), v. 17, p. 17-36, 2012.

BERGER, Arthur. An Anatomy of Humor. New Jersey: 2ª edição, Transaction Publishers, 2012.

BERGSON, Henri. O Riso: ensaio sobre a significação do cômico. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1983.

BLACKMORE, Susan. O poder do meme. The Skeptic (EUA), 1997, 5 nº 2, p. 43-49

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

________________. Razões Práticas: Sobre a Teoria da Ação. Campinas: Papirus Editora, 1996.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069 de 13 de julho de 1990. Disponível em:< www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm>. Acesso em: 12, jan, 2017.

DAWKINS, Richard. O Gene Egoísta. São Paulo: EDUSP- Editora da Universidade de São Paulo, 1979.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., vol 1, 1994.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014

LEAL-TOLEDO, Gustavo. Em busca de uma fundamentação para a Memética. Trans/Form/Ação, Marília , v. 36, n. 1, p. 187-210, abr. 2013 . Disponível em . Acesso em: 12, jan, 2017.

LUCKESI, C. C. Avaliação Escolar. São Paulo: Cortez, 1999.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência e Educação, São Paulo, v. 12, n. 3, dez. 2003.

SAGIM, Miriam Botelho. Violêncai domestica observada e vivenciada por crianças e adlescentes no ambiente familiar.2008. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade de São Paulo, 2008.

SOARES, Priscila Farina. O discurso da violência sistêmico-simbólica e sua replicação nos memes de humor da fanpage Diva Depressão. 2013. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Católica de Pelotas, 2013.

SOUZA, Rita de Cássia. Punições e disciplina: introdução ao estudo da cultura escolar. II Congresso de Pesquisa e Ensino em História da Educação em Minas Gerais, 2003, Uberlândia. Anais do II Congresso de Pesquisa e Ensino em História da Educação em Minas Gerais, 2003. Disponível em: Acesso em: 12, jan, 2017.

____________. "Não premiarás, não castigarás, não ralharás..." dispositivos disciplinares em Grupos Escolares de Belo Horizonte (1925-1955). São Paulo: USP, 2006, 493 p. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2006. Disponível em: . Acesso em: 12, jan, 2017.




DOI: https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n3p129-144


Indexada em: