COMPARTILHANDO EXPERIÊNCIAS SOBRE O “ARMÁRIO”: AS CONVERSAS ONLINE COMO PROCEDIMENTO METODOLÓGICO DA PESQUISA HISTÓRICO-CULTURAL NA CIBERCULTURA

  • Dilton Ribeiro do Couto Junior Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
  • Helenice Mirabelli Cassino Ferreira Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
  • Maria Luiza Magalhães Bastos Oswald Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Palavras-chave: “armário”, metodologia, dialogismo, alteridade.

Resumo

Fruto de pesquisa de doutorado recentemente concluída, este texto propõe discutir a importância das conversas online como procedimento metodológico da pesquisa histórico-cultural na cibercultura. O trabalho foi fundamentado teórico e metodologicamente nos conceitos de dialogismo e alteridade de Mikhail Bakhtin, fundamentais na interpretação do material empírico produzido com um grupo de jovens no Facebook que não se identifica com a heterossexualidade. Gênero, sexualidade e as experiências no/com o “armário” foram alguns dos temas discutidos com os sujeitos ao longo do trabalho de campo, evidenciando a centralidade das conversas online no estreitamento dos vínculos sociais e afetivos entre/com o grupo de jovens internautas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dilton Ribeiro do Couto Junior, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Pós-doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd/UERJ), com bolsa CNPq. Membro do Grupo de Pesquisa Infância, Juventude, Educação e Cultura (IJEC) e do Grupo de Estudos em Gênero e Sexualidade e(m) Interseccionalidades (Geni).
Helenice Mirabelli Cassino Ferreira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Professora adjunta da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Membro do Grupo de Pesquisa Infância, Juventude, Educação e Cultura (IJEC).
Maria Luiza Magalhães Bastos Oswald, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Professora associada da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd/UERJ). Líder do Grupo de Pesquisa Infância, Juventude, Educação e Cultura (IJEC).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Tradução de Vinícius Nicastro Honesto. Chapecó, SC: Argos, 2009.

AMORIM, Marilia. Cronotopo e exotopia. In: BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2008, p. 95-114.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 6. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

______. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução de Paulo Bezerra. 4. Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BERLANT, Lauren; WARNER, Michael. Sex in public. Critical Inquiry, Chicago, v. 24, n. 2, p. 547-566, 1998.

BRITZMAN, Deborah. O que é esta coisa chamada amor: identidade homossexual, educação e currículo. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 71-96, jan./jun. 1996. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71644/40637>. Acesso em: 10 abr. 2017.

BUTLER, Judith. Critically queer. GLQ: A Journal of Lesbian and Gay Studies, v. 1, n. 1, p. 17-32, nov. 1993.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CORNEJO, Giancarlo. A guerra declarada contra o menino afeminado. Tradução de Larissa Pelúcio. In: MISKOLCI, Richard. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. 2. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013, p. 73-82.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro. Etnografia virtual e as contribuições de Mikhail Bakhtin na Pesquisa com internautas. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 14, n. 31, p. 83-94, maio/ago. 2013. Disponível em: <http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/24330/17308>. Acesso em: 2 jun. 2017.

FERREIRA, Helenice Mirabelli Cassino. Dinâmicas de uma juventude conectada: a mediação dos dispositivos móveis nos processos de aprender-ensinar. Tese de Doutorado (Educação) apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da UERJ, 2014.

FREITAS, Maria Teresa de Assunção. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de Pesquisa, n. 116, p. 21-39, jul. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/n116/14397.pdf>. Acesso em: 2 jun. 2017.

______. A perspectiva sócio-histórica: uma visão humana da construção do conhecimento. In: FREITAS, Maria Teresa de Assunção; JOBIM E SOUZA, Solange; KRAMER, Sônia. (Orgs.). Ciências humanas e pesquisa: leituras de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2007, p. 26-38.

GERALDI, João Wanderley. Os perigos do amor. RevistAleph, Niterói, ano XIII, n. 25, p. 1-11, maio 2016. Disponível em: <http://revistaleph.uff.br/index.php/REVISTALEPH/article/view/331/238>. Acesso em: 16 abr. 2017.

JOBIM E SOUZA, Solange; ALBUQUERQUE, Elaine Deccache Porto. A pesquisa em ciências humanas: uma leitura bakhtiniana. Bakhtiniana, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 109-122, jul./dez. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/bak/v7n2/08.pdf>. Acesso em: 27 abr. 2017.

______. Bakhtin e Pasolini: vida, paixão e arte. In: FREITAS, Maria Teresa de Assunção (Org.). Educação, arte e vida em Bakhtin. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013, p. 47-68.

JOBIM E SOUZA, Solange; KRAMER, Sonia. Experiência humana, história de vida e pesquisa: um estudo da narrativa, leitura e escrita dos professores. In: KRAMER, Sonia; JOBIM E SOUZA, Solange (Orgs.). História de professores: leitura, escrita e pesquisa em educação. São Paulo: Ática, 2003, p. 13-42.

LEMOS, André; LÉVY, Pierre. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, Campinas, v. 19, n. 2, p. 17-23, maio/ago. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pp/v19n2/a03v19n2.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2017.

MISKOLCI, Richard. Comentário [sobre A Epistemologia do Armário de Eve Sedgwick]. Cadernos Pagu, Campinas, v. 28, p. 55-63, jan./jun. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cpa/n28/04.pdf>. Acesso em: 2 jun. 2017.

______. A teoria queer e a sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, ano 11, n. 21, p. 150-182, jan./jun. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/soc/n21/08.pdf>. Acesso em: 27 abr. 2017.

NUNES, Maria Fernanda Rezende; KRAMER, Sonia. Linguagem e alfabetização: dialogando com Paulo Freire e Mikhail Bakhtin. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 6, n. 11, p. 26-47, jan./jul. 2011. Disponível em: <http://www.educacao.ufrj.br/artigos/n11/linguagem_e_alfabetizacao.pdf>. Acesso em: 16 abr. 2017.

OSWALD, Maria Luiza Magalhães Bastos; COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; WORCMAN, Karen. Apresentação: potencialidades e desafios das escritas de si na internet. In: OSWALD, Maria Luiza Magalhães Bastos; COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; WORCMAN, Karen (Orgs.). Narrativas digitais, memórias e guarda. Curitiba: Editora CRV, 2014, p. 13-23.

PASSOS, Mailsa Carla Pinto; PEREIRA, Rita Marisa Ribes. Sobre encontros e amizades: a horizontalidade na pesquisa em educação. In: LEITE, Miriam; GABRIEL, Carmem Teresa (Orgs.). Linguagem, discurso, pesquisa e educação. Petrópolis, RJ: De Petrus; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2015, p. 149-169.

PEREIRA, Rita Marisa Ribes. Pesquisa com crianças. In: PEREIRA, Rita Marisa Ribes; MACEDO, Nélia Mara Rezende (Orgs.). Infância em pesquisa. Rio de Janeiro: Nau, 2012, p. 59-86.

______. Por uma ética da responsividade: exposição de princípios para a pesquisa com crianças. Currículo Sem Fronteiras, v. 15, n. 1, p. 50-64, jan./abr. 2015. Disponível em: <http://www.curriculosemfronteiras.org/vol15iss1articles/pereira.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2017.

POCAHY, Fernando. Notas sobre homofobia/heterossexismo. In: PASINI, Elisiane (Org.). Educando para a diversidade. Porto Alegre: nuances, 2007, p. 13-16.

PRECIADO, Paul Beatriz. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 Edições, 2014.

PRIMO, Alex. Interações mediadas e remediadas: controvérsias entre as utopias da cibercultura e a grande indústria midiática. In: PRIMO, Alex (Org.). Interações em rede. Porto Alegre: Editora Sulina, 2013, p. 13-32.

RECUERO, Raquel. A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2012.

______. Redes sociais no ciberespaço: uma proposta de estudo. In: CONGRESSO NACIONAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES DA COMUNICAÇÃO, 28., 2005, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ECO, 2005, 15p. Disponível em: <http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2005/resumos/R0096-1.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2017.

SANTOS, Edméa. A cibercultura e a educação em tempos de mobilidade e redes sociais: conversando com os cotidianos. In: FONTOURA, Helena Amaral; SILVA, Marco (Orgs.). Práticas pedagógicas, linguagem e mídias: desafios à Pós-graduação em Educação em suas múltiplas dimensões. Rio de Janeiro: ANPEd Nacional, 2011, p. 75-98.

SCHLICHTER, Annette. Contesting “straights”: “lesbians”, “queer heterosexuals” and the critique of heteronormativity. Journal of Lesbian Studies, v. 11, n. 3-4, p. 189-201, 2007.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, p. 19-54, jan./jun. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cpa/n28/03.pdf>. Acesso em: 24 abr. 2017.

Publicado
2017-10-14
Como Citar
do Couto Junior, D. R., Ferreira, H. M. C., & Oswald, M. L. M. B. (2017). COMPARTILHANDO EXPERIÊNCIAS SOBRE O “ARMÁRIO”: AS CONVERSAS ONLINE COMO PROCEDIMENTO METODOLÓGICO DA PESQUISA HISTÓRICO-CULTURAL NA CIBERCULTURA. Interfaces Científicas - Educação, 6(1), 23-34. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2017v6n1p23-34
Seção
Dossiê