CIBERESPAÇO, ETNOGRAFIA VIRTUAL E EDUCAÇÃO: A COMPREENSÃO DE OUTROS E NOVOS ESPAÇOS DE PESQUISA

  • Maristela Abadia Guimarães Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - IFMT http://orcid.org/0000-0002-8097-239X
  • Kátia Morosov Alonso Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2005). Atualmente é professora associada da Universidade Federal de Mato Grosso. Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE - do Instituto de Educação da UFMT. Líder do Grupo de Pesquisa Laboratório de Estudos Sobre Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação – LêTECE.
Palavras-chave: Etnografia Virtual. Cibercultura. Mídias e Redes Sociais Digitais. Migração.

Resumo

Este artigo é parte de tese de doutoramento desenvolvido no contexto do Lêtece/UFMT. É fruto de pesquisa de caráter multidisciplinar na área de educação em diálogo com o projeto “Aprender e ensinar com as TDIC: sobre tendências, dilemas e perspectivas”. Discorremos sobre o processo de construção da investigação que se desenvolveu no ciberespaço, baseado na Etnografia Virtual (HINE, 2004). A pesquisa é etnográfica, e a internet se configurou como veículo onde se processam as mudanças sociais (CASTELLS, 1999) e espaço profícuo para pesquisas em todas as áreas. Buscamos as condições de existência dos migrantes haitianos no Brasil, entre 2010-2016, a partir de manifestações de brasileiros nos portais de notícias G1, Folha de São Paulo e UOL e nas redes sociais Facebook e Twitter, com foco no racismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maristela Abadia Guimarães, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - IFMT
Departamento de Ensino - Letras e Literatura. Educação. Relações Raciais. Migração

Referências

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura, vol. 3, São Paulo: Paz e terra, 1999.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Tradução Sandra Netz. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Tradução de Adriana Lopez; revisão técnica de Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. (Coleção educação e Comunicação, v. 18).

FRONTEIRAS DO PENSAMENTO. Manuel Castells: “um país educado com internet progride; um país sem educação usa a internet para fazer 'estupidez'". Entrevista concedida a Fronteiras do Pensamento, por Ingrid Santos. Publicada no Diário Catarinense. 17 maio de 2015. Disponível em: <https://goo.gl/YYp0u3>. Acesso em: 25 maio 2015.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1. ed. 13. reimp. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

HINE. Cristine. Etnografía virtual. Tradução do inglês de Crtsuen P. Hormazabal para versão em espanhol. Barcelona: Ed. UOC, 2004. (Coleção Nuevas Tecnologías y Sociedad).

LÉVY, Pierre. A emergência do Cyberspace e as mutações culturais. In. PELLANDA, Nize Maria Campos; PELLANDA, Eduardo Campos (Org.). Ciberespaço: um hipertexto com Pierre Lévi. Porto Alegre: Arte e Ofícios, 2000. p. 13-35.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Conversas – 1948. Organização e notas de Stephanie Menase. Tradução de Fabio Landa e Eva Landa. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO; PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO – PPGE. Aprender e ensinar com as TDIC: sobre tendências, dilemas e perspectivas. Cuiabá: UFMT/PPGE, 2013. Disponível em http://encurtador.com.br/fmI07

Publicado
2017-10-14
Como Citar
Guimarães, M. A., & Alonso, K. M. (2017). CIBERESPAÇO, ETNOGRAFIA VIRTUAL E EDUCAÇÃO: A COMPREENSÃO DE OUTROS E NOVOS ESPAÇOS DE PESQUISA. Interfaces Científicas - Educação, 6(1), 13-22. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2017v6n1p13-22
Seção
Dossiê