EDUCAÇÃO, CORPOS E SUAS RESISTÊNCIAS NA CULTURA DIGITAL: ANÁLISE DE UMA NARRATIVA AUDIOVISUAL SOBRE GÊNERO

Rafaela Ferreira dos Santos, Rosilaine Wardenski, Taís Rabetti Giannella

Resumo


Este trabalho é recorte de uma dissertação de mestrado que envolveu a pesquisa e o desenvolvimento da atividade educativa “Vamos falar sobre gênero?” buscando problematizar com alunos do ensino fundamental os significados inscritos nos/sobre os corpos. Apresenta os resultados obtidos com a análise de uma narrativa audiovisual produzida no contexto desta atividade. Trata-se da narrativa “Preconceitos, Estereótipos e Bullying na Escola”, uma dramatização em vídeo, que conta a história de duas alunas, as quais criticam e buscam resistir a heteronorma. Com base no quadro teórico de Lundin (2011) e no modelo de análise temática de conteúdo de Bardin (2016), a narrativa foi analisada a partir de quatro categorias-chave: Corpos e suas Hierarquias, Corpos e suas Dicotomizações, Corpos e suas Estilizações e Corpos e suas Resistências. Como principais resultados, destaca-se a critica das alunas às práticas de bullying contra os sujeitos, que se afastam de modelos hegemônicos de feminilidade; às representações dos corpos presentes nos materiais didáticos, que contribuem com a naturalização das diferenças ao reforçar o pensamento binário e a normatização, por meio de uma performance, em que pode-se evidenciar que narrar é resistir. Por fim, percebemos o potencial da narrativa audiovisual como um processo potente de mobilização de saberes, experiências e propulsora de atos de resistência contra processos de generificação.

Palavras-chave


Gênero; Corpo; Narrativa Audiovisual; Cultura Digital; Ensino Fundamental; Resistência

Texto completo:

PDF PDF

Referências


ANDRADE, F. Biologia e Gênero na Escola: Um diálogo ainda marcado por reducionismo, determinismo e sexismo. 1.ed. Curitiba: Appris, 2016.

AUTOR, 2016.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Trad. Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BAZZUL, J; SYKES, H. The secret identity of a biology textbook: Straight and naturally sexed. Cultural Studies of Science Education, v. 6, n. 2, 2011. p. 265-286. Disponível em: . Acesso em 29 set. 2019.

BRUNER, J. Atos de significação. 2. ed. Trad. Sandra Costa. São Paulo: Artmed, 2002.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Editora Civilização Brasileira, 2015.

CRUZ, L; SILVA, Z; G; SOUZA, M. O brinquedo e a produção do gênero na educação infantil: uma análise pós-estruturalista. Anais do Seminário Nacional de Educação, Diversidade Sexual e Direitos Humanos, 2012.

FERREIRA, B. et al. A homofobia em debate nas escolas e nas telas: Um estudo com vídeos escolares compartilhados no Youtube. 4 Seminário Internacional de Educação em Sexualidade. Vitória, ES, 2016.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade: a vontade de saber. São Paulo: Edições Paz& Terra, 2017.

GOELLNER, S. V. et al. a Produção Cultural do Corpo In Louro, G.L.; Felipe. J; Goellner, S.V (Orgs). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Brasil, p. 28-40, Vozes, 2013.

GUNCKEL, K. Queering science for all: Probing queer theory in science education. JCT (Online), v. 25, n. 2, p. 62, 2009. Disponível em: . Acesso em 29 set. 2019.

HLALELE, D.; BREXA, J. Challenging the narrative of gender socialisation: Digital storytelling as an engaged methodology for the empowerment of girls and young women. Agenda, v. 29, n. 3, p. 79-88, 2015. Disponível em: . Acesso em 29 set. 2019.

JUNIOR, D. R. C.; POCAHY, F; CARVALHO, F. S. P. Ensinar-aprender com os memes: quando as estratégias de subversão e resistência viralizam na internet. Periferia, v. 11, n. 2, p. 17-38, 2019. Disponível em: . Acesso em 29 set. 2019.

LETTS, W. When science is strangely alluring: Interrogating the masculinist and heteronormative nature of primary school science. Gender and Education, v.13, n.3, p. 261–274, 2001. Disponível em: . Acesso em 29 set. 2019.

LOURO, G. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Vozes, 2014.

LOURO, G. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Autêntica, 2016.

LOURO, G. Gênero e Sexualidade: Foucault e os estudos queer. In: RAGO, Margareth (Org): VEIGA- NETO, Alfredo (Org). Para uma vida não-fascista, 2009, p.135-143

LUNDIN, M. Building a framework to study the hetero norm in praxis. International Journal of Educational Research, v. 50, n. 5, p. 301-306, 2011. Disponível em: .Acesso em 29 set. 2019.

MISKOLCI, R. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Autêntica, 2015.

PIRES, E. A experiência audiovisual nos espaços educativos: possíveis interseções entre educação e comunicação. Educação e pesquisa, v. 36, n. 1, p. 281-295, 2010. Disponível em: . Acesso em 29 set. 2019.

PISCHETOLA, M. Cultura Digital, Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação e Práticas Pedagógicas In Candau. V (Orgs.). Didática: Tecendo/ Reinventando saberes e práticas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2018.

SANCHO, J. M. & HERNANDEZ. (Org). Tecnologias para transformar a educação. Porto Alegre: Artmed, 2006.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. Pia Sociedade de São Paulo-Editora Paulus, 2014.

SIBILIA, P. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SOARES, M; PAIVA, V; NOLASCO, L. Gêneros e sexualidades praticados em currículos dissidentes nos/com os cotidianos escolares. Revista Teias, v. 18, n. 51, p. 33-50, 2017. Disponível em: . Acesso em 29 set. 2019.

SNYDER, V.; BROADWAY, F. Queering high school biology textbooks. Journal of research in science teaching, v. 41, n. 6, p. 617-636, 2004. Disponível em: . Acesso em 29 set. 2019.

VALENTE, J.A.; ALMEIDA, M.E.B. narrativas digitais e o estudo de contextos de aprendizagem. Em Rede, Revista de Educação a Distância, v.1, n.1, p.32-50, 2014. Disponível em: . Acesso em 29 set. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n2p233-248


Indexada em: