EDUCAR NA INCERTEZA E NA URGÊNCIA: IMPLICAÇÕES DO ENSINO REMOTO AO FAZER DOCENTE E A REINVENÇÃO DA SALA DE AULA

  • Sidmar da Silva Oliveira Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
  • Obdália Santana Ferraz Silva Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
  • Marcos José de Oliveira Silva Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
Palavras-chave: Tecnologias digitais. Formação de professores. Ensino remoto. Educação Básica.

Resumo

Este texto propõe uma reflexão sobre os desafios enfrentados por professores da Educação Básica, ao vivenciarem a experiência com o ensino remoto, mediado, especialmente, pelas tecnologias digitais (TD), dada a necessidade de distanciamento social, provocado pela covid-19. Trata-se de um estudo netnográfico que problematiza os desafios gerados pela necessidade de reorganizar a prática pedagógica, em função da suspensão das aulas presenciais, por causa da pandemia do coronavírus. Para tanto, realizamos uma roda de conversa com 12 professores da Educação Básica, por meio da plataforma Microsoft Teams. Este estudo toma como base autores que discutem sobre tecnologias digitais e formação docente, prática pedagógica potencializada pelas tecnologias digitais, ensino remoto e desafios à educação, a partir de artigos e vídeos já socializados na internet, pelos sites e redes sociais. O diálogo com os professores, atores desse processo, levou ao entendimento de que as tecnologias em si não promovem a produção do conhecimento nem o aprendizado, pois é preciso uma reconfiguração das práticas pedagógicas para a potencialização da interação entre os sujeitos envolvidos no processo de ensino e aprendizagem. Quiçá, as vivências com o ensino remoto possam dar um impulso para se pensar essa prática mediada pelas TD, mas também possibilidades para além delas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sidmar da Silva Oliveira, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
Mestre em Educação e Diversidade Pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB); Especialização em Educação do Campo pela Universidade Cândido Mendes (UCAM); Graduado em Pedagogia e Especialização em Alfabetização e Letramento pela Faculdade do Sertão Baiano (FASB). É professor alfabetizador e, atualmente, exerce a função de gestor escolar. Desenvolve estudos e pesquisas sobre alfabetização, letramentos e formação continuada de professor. Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em (multi)letramento, Educação e Tecnologias (GEPLET), vinculado ao CNPq/CAPES.
Obdália Santana Ferraz Silva, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Mestre em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia. Professora adjunta do Departamento de Educação da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Docente dos Programas de Pós-graduação Educação e Diversidade (MPED/UNEB) e Educação e Contemporaneidade (PPGEDUC/UNEB). Coordenadora do Grupo de Estudo e Pesquisa em (multi)letramento, Educação e Tecnologias (GEPLET), vinculado ao CNPq/CAPES.
Marcos José de Oliveira Silva, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
Mestrando em Educação e Diversidade Pela Universidade do Estado da Bahia; Especialista em Metodologia do Ensino Superior e EaD pela Faculdade Educacional da Lapa; Graduado em Licenciatura em História pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Servidor Público Federal no cargo de Técnico em Assuntos Educacionais da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em (multi)letramento, Educação e Tecnologias (GEPLET), vinculado ao CNPq/CAPES.

Referências

ALVES, Lynn et al. Tecnologias digitais nos espaços escolares: um diálogo emergente. In: FERRAZ, Obdália (Org.). Educação, (multi)letramentos e tecnologias: tecendo redes de conhecimento sobre letramentos, cultura digital, ensino e aprendizagem na cibercultura. Salvador: EDUFBA, 2019. p. 117-139.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: MEC/SEB, 2018.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC/SEB, 2013.

CAMPOS, Casemiro de Medeiros. Saberes docentes e autonomia dos professores. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

CANI, Josiane Brunetti; SANDRINI, Elizabete Gerlânia Caron; SOARES, Gilvan Mateus; SCALZER, Kamila. Educação e covid-19: a arte de reinventar a escola mediando a aprendizagem “prioritariamente” pelas TDIC. Revista IfesCiência, v. 6, Edição Especial, n. 1, 2020, p. 23-39. Disponível em: <https://ojs.ifes.edu.br/index.php/ric/article/download/713/484>. Acesso em: 22 jun. 2020.

CANCLINI, Néstor Garcia. Diferentes, desiguais e desconectados: mapas da interculturalidade. 3 ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015.

COSCARELLI, Carla Viana. Perspectivas culturais de uso de tecnologias digitais e a educação. Revista Brasileira de Alfabetização. Belo Horizonte, MG|v. 1|n. 8| p. 33-56| jul./dez. 2018. Disponível em: http://abalf.org.br/revistaeletronica/index.php/rabalf/article/view/293/211. Acesso em: 03 mai. 2020.

COSCARELLI, Carla Viana. Multiletramentos e empoderamento na educação. In: FERRAZ, Obdália (Org.). Educação, (multi)letramentos e tecnologias: tecendo redes de conhecimento sobre letramentos, cultura digital, ensino e aprendizagem na cibercultura. Salvador: EDUFBA, 2019. p. 61-77.

COUTO, Edvaldo Souza; COUTO, Edilece Souza; CRUZ, Ingrid de Magalhães Porto. #Fiqueemcasa: educação na pandemia da covid-19. Interfaces Científicas, Aracaju, v.8, n. 3, p. 200 – 217, 2020.

DIAS, C. A análise do discurso digital: um campo de questões. Revista Eletrônica de Estudos do Discurso e do Corpo – REDISCO, Vitória da Conquista, v. 10, n. 2, p.8-20, jul./dez. 2016. Disponível em: <http://periodicos.uesb.br/index.php/redisco/article/viewFile/6139/5880>. Acesso em: 20 maio. 2017.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 51. ed. São paulo: Cortez, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 55.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

KOZINETS, Robert V. Netnografia: a arma secreta dos profissionais de marketing: como o conhecimento das mídias sociais gera inovação. 2010. Disponível em: <http://kozinets.net/wp-content/uploads/2010/11/netnografia_portugues.pdf>. Acesso em: 22 mai. 2020.

KOZINETS, Robert V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual? São Paulo: Editora 34, 1999.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. 3. ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2016. (Coleção educação em ciências).

MORAN, José. Metodologias ativas e modelos híbridos na educação. In.: YAEGASHI, Solange e outros (Orgs). Novas Tecnologias Digitais: Reflexões sobre mediação, aprendizagem e desenvolvimento. Curitiba: CRV, 2017, p.23-35. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2018/03/Metodologias_Ativas.pdf. Acesso em 27 jun 2020.

NÓVOA, António. O regresso dos professores. Lisboa: Universidade de Lisboa, 2011.

NÓVOA, António. Professor se forma na escola (online). Revista Nova Escola, São Paulo, n. 142, v. 16, p. 13-15, maio de 2001.

PRENSKY, Marc. Nativos digitais, imigrantes digitais. De On the Horizon, Vol. 9 No. 5, 2001. Disponível em: www.colegiongeracao.com.br/novageracao/2_intencoes/nativos.pdf. Acesso em: 18 mai. 2020.

ROJO, Roxane. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In: ROJO, Roxane; MOURA, Eduardo (Orgs). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

Publicado
2020-09-06
Como Citar
Oliveira, S. da S., Silva, O. S. F., & Silva, M. J. de O. (2020). EDUCAR NA INCERTEZA E NA URGÊNCIA: IMPLICAÇÕES DO ENSINO REMOTO AO FAZER DOCENTE E A REINVENÇÃO DA SALA DE AULA. Interfaces Científicas - Educação, 10(1), 25-40. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v10n1p25-40