Gênero e Tecnologias Infocomunicacionais em contexto de Plataformização

Palavras-chave: Comunicação, Tecnologias, Gênero, Plataformização.

Resumo

O contínuo desenvolvimento de tecnologias conversacionais, como os aplicativos de assistentes pessoais e os assistentes virtuais utilizados em sites web e telefonia, tem exigido a observação sobre como os metadados utilizados por essas tecnologias têm contribuído para o aprofundamento de preconceitos em diferentes níveis. O presente artigo traz elementos de uma investigação sobre estereótipos e enviesamentos de gênero na cultura digital. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica e exploratória que pretende contribuir para o debate sobre a relação entre gênero e tecnologias infocomunicacionais, a partir do diálogo teórico com autores e autoras como Butler (2019), Haraway (1995, 2004), Leurs e Shepherd (2017), Wajcman (2009), Lemos (2020), Dijck, Poell e Waal (2018), Casilli e Posada (2018).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Nogueira de Oliveira, Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Jornalista. Doutoranda pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia (UFBA), bolsista pela CAPES e integrante do Lab404/UFBA. Mestra em Comunicação, pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Salvador, Bahia, Brasil.
Nayra Veras de Araujo, Universidade Federal do Piauí (UFPI)
Jornalista. Professora Adjunta da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Mestre em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Teresina, Piauí, Brasil.

Referências

BEAUVOIR, S. de. O segundo sexo. Traducao Sérgio Milliet. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BERRY, D. M. Introduction: Understanding the digital humanities. In: BERRY, D. M. (Ed.). Understanding digital humanities. London: Palgrave Macmillan, 2012. p. 1–20.

BRAY, F. Gender and technology. Gender and Science: Studies across Cultures, p. 37–60, 2011.

BUCHER, T. If... Then: Algorithmic Power and Politics. New York: Oxford University Press, 2018.

BUTLER, J. Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade. 18. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

CASILLI, A.; POSADA, J. Platformization of Labor and Society. Society and the Internet; How Networks of Information and Communication are Changing Our Lives, 2018.

COOLE, D.; FROST, S. New Materialisms. Ontology, Agency, and Politics. Durham and London: Duke University Press, 2010.

COWAN, R. S. The “Industrial Revolution” in the home: household technology and social change in the twentieth century. In: STAUB, A. (Ed.). The Routledge Companion to Modernity, Space and Gender. London: Routledge, 2018.

DIJCK, J. van; POELL, T.; WAAL, M. de. The Platform Society. 2018. ed. New York: Oxford University Press, 2018.

DOURISH, P.; GÓMEZ CRUZ, E. Datafication and data fiction: Narrating data and narrating with data. Big Data and Society, v. 5, n. 2, p. 1–10, 2018.

FOLBRE, N. The invisible heart: Economics and family values. [s.l.] New Press, 2001.

FORD, H.; WAJCMAN, J. ‘Anyone can edit’, not everyone does: Wikipedia’s infrastructure and the gender gap. Social Studies of Science, v. 47, n. 4, p. 511–527, 2017.

GILLESPIE, T. A relevância dos algoritmos. Parágrafo, v. 6, n. 1, p. 95–121, 2018. Disponível em: <http://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/722>.

GUIBOURG, C.; STYLIANOU, N. Por que há tão poucas invenções atribuídas a mulheres? Disponível em: <https://epocanegocios.globo.com/Mundo/noticia/2019/10/por-que-ha-tao-poucas-invencoes-atribuidas-mulheres.html>. Acesso em: 4 maio. 2020.

HARAWAY, D. SABERES LOCALIZADOS: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. cadernos pagu, n. 5, p. 7–41, 1995.

HARAWAY, D. “Gênero” para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. Cadernos Pagu, n. 22, p. 201–246, 2004.

HARDING, S. G. The science question in feminism. Ithaca: Cornell University Press, 1986.

HIMMELWEIT, S. An evolutionary approach to feminist economics. In: BARKER, D.; KUIPER, E. (Ed.). Towards a Feminist Philosophy of Economics: An Anthology. London: Routledge, 2003.

HOWARD, A.; BORENSTEIN, J. The Ugly Truth About Ourselves and Our Robot Creations: The Problem of Bias and Social Inequity. Science and Engineering Ethics, v. 24, n. 5, p. 1521–1536, 2018.

KLEEMAN, J. The Wikipedia wars: does it matter if our biggest source of knowledge is written by men? Disponível em: <https://www.newstatesman.com/lifestyle/2015/05/wikipedia-has-colossal-problem-women-dont-edit-it>. Acesso em: 4 maio. 2020.

LEMOS, A. Epistemologia da Comunicação , Neomaterialismo e Cultura Digital. Galáxia. Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica., v. jan-abr, n. 43, p. 54–66, 2020. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/1982-25532020143970>.

LEURS, K.; SHEPHERD, T. Datafication and discrimination. In: VAN ES, K.; SCHAEFER, M. T. (Ed.). The datafied society. Studying culture through data. Amsterdam: Amsterdam University Press, 2017.

MACCHIAVELLO, F. Mulheres na TI: Atuação da mulher no mercado de trabalho formal brasileiro em Tecnologia da Informação. Brasil: Softex, 2019.

MARINO, M. C. The Racial Formation of Chatbots. CLCWeb: Comparative Literature and Culture, v. 16, n. 5, 2014. Disponível em: <https://doi.org/10.7771/1481-4374.2560>.

NUNES, P. Exclusivo: levantamento revela que 90,5% dos presos por monitoramento facial no Brasil são negros. Disponível em: <https://theintercept.com/2019/11/21/presos-monitoramento-facial-brasil-negros>. Acesso em: 4 maio. 2020.

PADRÃO, M. Mulheres digitais Por que todas as assistentes virtuais têm vozes femininas? Disponível em: <https://www.uol/noticias/especiais/assistentes-de-voz-x-feminismo.htm#mulheres-digitais>. Acesso em: 4 maio. 2020.

POELL, T.; NIEBORG, D.; VAN DIJCK, J. Platformisation. Internet Policy Review, v. 8, n. 4, p. 1–13, 2019.

SARDENBERG, C. M. B. Da Crítica Feminista à Ciência. Uma Ciência Feminista? In: COSTA, A. A. A.; SARDENBERG, C. M. B. (Ed.). Feminismo, Ciência e Tecnologia. Salvador: Coleção Bahianas, 2002. p. 89–120.

SCOTT, J. Gênero, uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, v. 2, n. 20, p. 71–99, 1995.

SILVA, T. Racismo Algorítmico em Plataformas Digitais: microagressões e discriminação em código. VI Simpósio Internacional Lavits: Assimetrias e (In)visibilidades: Vigilância, Gênero e Raça, 2019.

STANLEY, A. Mothers and daughters of invention: Notes for a revised history of technology. Chicago: Rutgers University Press, 1995.

WAJCMAN, J. Feminist theories of technology. Cambridge Journal of Economics, v. 34, n. 1, p. 143–152, 2009.

WEST, M.; KRAUT, R.; EI CHEW, H. I’d blush if I could: closing gender divides in digital skills through education. [s.l.] EQUALS Skills Coalition by UNESCO, 2019.

WIKIPEDIA. WikiProject Countering systemic bias. Disponível em: <https://en.wikipedia.org/wiki/Wikipedia:WikiProject_Countering_systemic_bias>. Acesso em: 4 maio. 2020.

Publicado
2020-11-16
Como Citar
de Oliveira, A. N., & de Araujo, N. V. (2020). Gênero e Tecnologias Infocomunicacionais em contexto de Plataformização. Interfaces Científicas - Educação, 10(2), 165-178. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v10n2p165-178