POLÍTICAS DE NARRATIVIDADE E PERFOMANCES DE GÊNERO NA ESCOLA: CARTOGRAFIAS EM ABERTO

  • Lucemberg Rosa de Oliveira Universidade do Estado da Bahia - UNEB http://orcid.org/0000-0002-9471-4578
  • Ana Lúcia Gomes da Silva Universidade do Estado da Bahia - UNEB
  • Juliana Cristina Salvadori Universidade do Estado da Bahia - UNEB
Palavras-chave: Gênero, Práticas Pedagógicas, Diversidade, Cartografia, Professores em exercício.

Resumo

As cartografias mapeadas neste artigo tomam como centralidade as categorias gênero, práticas pedagógicas e formação docente, na tentativa de responder como gênero está presente na escola e de que maneira atravessa as práticas do(a)s professore(a)s/ A pesquisa, tecida colaborativamente com sete participantes, se ancora na abordagem qualitativa, utilizando como procedimento de construção e de análise o método cartográfico, tendo em vista a perspectiva pós-crítica de questionar os próprios modos de fazer pesquisa em educação. Como dispositivos de construção dos dados, utilizamos os Ateliês de Pesquisa e observação participante, buscando registrar através do diário de bordo algumas situações do cotidiano escolar para problematizar e refletir sobre as práticas e, consequentemente, formar professores/a em exercício para o trato com a temática. Como resultado foi possível perceber que muitos (a) professores (a) ainda se sentem reféns de práticas pedagógicas incoerentes com as demandas dos sujeitos da contemporaneidade, presentes na escola. Outro dado evidenciado aponta que a escola ainda é regida por uma estrutura hierárquica que insiste em olhar mais para a normatividade do que para a diversidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucemberg Rosa de Oliveira, Universidade do Estado da Bahia - UNEB
Mestre em Educação e Diversidade , na Universidade do Estado da Bahia, no Campus IV de Jacobina; participa dos grupos de pesquisa Diversidade, formação, educação básica e discursos (DIFEBA). Possui duas especializações concluídas, uma em Docência no ensino superior presencial e ead pela Faculdade Regional de Filosofia, Ciências e Letras de Candeias, outra em Educação a distância pela Universidade do Norte do Paraná (UNOPAR); É Licenciado em História pela Universidade Norte do Paraná (2014). Atua como professor da educação básica desde 2011, lecionando atualmente no Colégio Estadual Necy Novais em Barro Alto. Atua também na referida instituição como Presidente do Colegiado Escolar. Além disso atua como coordenador pedagógico na Escola Márcia Maria de Carneiro Meccia em Barra do Mendes.
Ana Lúcia Gomes da Silva, Universidade do Estado da Bahia - UNEB
Pós-doutora em Educação pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Especialista em Leitura: Teoria e prática (UESB). Graduada em Letras Vernáculas (UNEB). Professora Titular do Departamento de Ciências Humanas - DCH/Jacobina da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) da área de Prática Pedagógica, Estágio Supervisionado de Letras e Literaturas e Seminário Interdisciplinar de Pesquisa (SIP). Docente permanente do Programa de Pós- Graduação em Educação e Diversidade (PPED). Líder do Grupo de Pesquisa Diversidade, Formação, Educação Básica e Discursos – DIFEBA (UNEB).
Juliana Cristina Salvadori, Universidade do Estado da Bahia - UNEB
Doutora na área de Literaturas de Língua Portuguesa pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da (PUC-MG). Mestre em Inglês: Estudos Linguísticos e Literários (UFSC). Graduação em Letras Português Inglês Licenciatura Plena (FECILCAM). Professora Adjunta do Departamento de Ciências Humanas - DCH/Jacobina da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) de Letras Língua Inglesa e Literaturas. Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação e Diversidade (PPED) da Universidade do Estado da Bahia. Líder do Grupo de Pesquisa Diversidade, Formação, Educação Básica e Discursos – DIFEBA (UNEB) e do Desleituras em Série.

Referências

ALVES, Nilda. Decifrando pergaminho: o cotidiano das escolas nas logicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda. (Orgs). Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis, Rio de Janeiro: DP et Alii, 2001.p.13-38

ARAGÃO, Elisabeth Maria; BARROS, Maria Elisabeth Barros de; OLIVEIRA, Sonia Pinto de Oliveira. Falando de metodologia de pesquisa. Revista Estudos e Pesquisas em Psicologia, UERJ, RJ, ANO 5, N.2, 2º SEMESTRE DE 2005. Acesso em 20 de setembro de 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v5n2/v5n2a03.pdf

BELL, Hooks. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade; Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: VMF Martins Fontes, 2013.

BENTO, Berenice Alves de Melo. O que é transexualidade? São Paulo: Brasiliense, 2008.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1999.

BOZON, Michel. Les significations sociales des actes sexuels. Actes de la recherche en sciences sociales, Paris, n.128, p.3-23, juin. 1999

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CANDAU, Vera Maria Ferrão (Org.). Reinventar a escola. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

CONNEL, Robert W. Políticas da masculinidade. Educação e Realidade, São Paulo, v. 2, n. 4, p. 183-206, 1995.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 1. Rio de Janeiro: Ed. 34., 1995.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 2. Rio de Janeiro: Ed. 34., 1995.

DELEUZE, Gilles. O que é um dispositivo? (1996). Disponível em http://www.uc.pt/iii/ceis20/conceitos_dispositivos/programa/deleuze_dispositivo. pdf>. Acesso em 06 agosto 2019.

FACIOLI, Lara. Aprendendo diferença: escola um espaço privilegiado para combater preconceitos. Revista de História da Biblioteca Nacional. Homossexualismo: Da perseguição à luta por igualdade, ano 10, n. 119. ago. 2015.

FILHO, Roberto S Teixeira. A educação sexual nos livros didáticos de Biologia: uma abordagem no campo do currículo. 2016. 126f. Trabalho Final de Conclusão de (Mestrado Profissional em Educação e Diversidade) – Universidade Estadual da Bahia, Jacobina, 2016.

FILHO, Roberto S Teixeira; SILVA, Ana Lúcia Gomes da. A abordagem da Educação Sexual nos livros didáticos de biologia. Anais.... II Colóquio Docência e Diversidade na Educação Básica: Políticas, práticas e formação. Salvador, 2015. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0ByNLmv5aZLadYTJwLXFLaVoyNlU/view. Acesso em: abr. 2017

GARCIA, Wilton. Da performance à diversidade: estudos contemporâneos. In: COLLING, Leandro (Org.). Stonewall 40 + o que no Brasil? Salvador: EDUFBA, 2011.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

MISKOLCI, Richard. Um aprendizado pelas diferenças. 2.ed. rev. e ampl., 3.reimp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

NASSIF, Lourdes. A origem do “Ninguém solta a mão de ninguém”. Portal GGN. Acesso em 10 de março de 2019. Disponível em: https://jornalggn.com.br/historia/a-origem-do-ninguem-solta-a-mao-de-ninguem-por-marcelo-mendonca/

NETO, Daniel N. dos Santos; SILVA; Lucineide O.; SILVA, Ana Lúcia Gomes da. Pesquisas aplicadas no programa de Pós-graduação em Educação e Diversidade: educação inclusiva em pauta. Cadernos de Pós-graduação, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 114-135, jan./jun. 2017.

PASSOS, Eduardo; BENEVIDES, Regina de Barros. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da. (org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

PASSOS, Eduardo; BENEVIDES, Regina de Barros. Por uma política da narratividade. In:

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da. (org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

PÉREZ, Carmen Lúcia Vidal. Vozes, palavras, textos: as narrativas autobiográficas na formação de professoras-alfabetizadoras. 2002. Tese (Faculdade de Educação) - Universidade de São Paulo, 2002.

SILVA, Ana Lúcia Gomes da; COSTA, Váldina Gonçalves da Costa; PEREIRA, Diego Carlos Pereira. Formação de professores/as pesquisadores/as: contribuições e implicações do método cartográfico para as pesquisas em educação. Revista de Educação, Ciência e Cultura. Canoas, v. 23, n. 2, 2018. Acesso em 20 de janeiro de 2019. Disponível em: http://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Educacao

SILVA, Ana Lúcia Gomes da SOUZA, Izanete Marques; FILHO, Roberto Santos Teixeira. Anais... Educação e diversidade: os desafios das interseccionalidades. Disponivel em: http://www.apidic.uneb.br/cillaa/wp-content/uploads/ANAIS-II-SINBAIANIDADE-II-CILLAA1.pdf. Acesso em: 02 maio 2017.

Publicado
2020-04-23
Como Citar
Oliveira, L. R. de, Gomes da Silva, A. L., & Cristina Salvadori, J. (2020). POLÍTICAS DE NARRATIVIDADE E PERFOMANCES DE GÊNERO NA ESCOLA: CARTOGRAFIAS EM ABERTO. Interfaces Científicas - Educação, 8(2), 189-204. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n2p189-204
Seção
Dossiê