DO DEJETO AO DESEJO: ARQUITETURA DE BANHEIROS COMO DISPOSITIVO DE CONTROLE DA SEXUALIDADE

Palavras-chave: Genealogia do banheiro, práticas homoeróticas, semiótica

Resumo

A ressignificação de espaços de acordo com novos usos e práticas sociais é não apenas natural, mas pode ser geradora de ansiedades coletivas e iniciativas de controle quando novas práticas são entendidas como subversivas. Esse artigo se interessa em entender como a arquitetura é empregada como um dispositivo de controle da sexualidade nos banheiros de uso coletivo. Busca entender também como a arquitetura e sua semiose co-criam dispositivos de controle da sexualidade. A partir desses objetivos, é proposto aqui uma breve genealogia do banheiro, a fim de entender sua transformação ao longo do tempo e sua ressignificação nos dias de hoje, através de práticas homoeróticas, buscando entender na divisão por gêneros e nas características próprias desse ambiente qualificações ímpares para determinada prática sexual entre homens. Logo, investiga-se o que chamamos de arquitetura do desejo, ou seja, a reatualização do banheiro coletivo como um espaço do tesão e dos encontros sexuais. Neste capítulo as ideias projetuais que buscam coibir a pegação são descritas e examinadas à luz das práticas vigentes, com a breve análise de casos concretos ocorridos na cidade do Rio de Janeiro. Mais adiante, faz-se uma análise mais completa dos dados gerados sobre pegações em banheiros coletivos: textos online, entrevista semi-estruturada, vivência etnográfica em banheiros e descrição de reformas. Finalmente, apresentamos algumas conclusões a respeito da análise da semiótica do banheirão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gleiton Matheus Bonfante, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Bacharel em Linguística (UNICAMP) mestre em Interdisciplinar em Linguística Aplicada (UFRJ) e doutorando do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Linguística Aplicada – PPGILA/UFRJ.
Filipe Ungaro Marino, Universidade do Grande Rio
Doutor em urbanismo (PROURB-UFRJ). Professor adjunto da Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO) e professor colaborador da Universidade Estácio de Sá e Pesquisador do Laboratório de Mobilidade Sustentável da Universidade Federal do Rio de Janeiro (LABMOB-UFRJ).

Referências

BECH, H. (1979) When men meet: Homossexuality and modernity. Polity Press, Cambridge

CERTEAU, M. (1984) The practice of everyday life. University of California Press, Berkeley

CLEMINSON, R. & GORDO, A. (2008) Relaciones tecnosexuales: de los molinos medievales a las paginas de encuentro. In: SABADA, I & GORDO, A. Cultura digital y movimientos sociales. Madri, Catarata

FOUCAULT, M. (1987) Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Trad. Lígia M. Ponde Vassalo. Petrópolis: Vozes

FOUCAULT, M. (1988) História da Sexualidade 1: a vontade de saber. 19ª ed. Rio de Janeiro, Edições Graal

MUMFORD, L. (1982) A cidade na história: suas origens, desenvolvimento e perspectivas. São Paulo: Martins Fontes

PERLONGHER, N. (2008) O negócio do michê. São Paulo. 2ª Edição. Ed. Fundação Perseu Abramo

RAMPTON, B. Post-panoptic language standard?. Working Papers in Urban Language and Literacies. 2015.https://www.academia.edu/13106780/WP162_Rampton_2015._Post-anoptic_standard_language

RIBEIRO, S. et al. (2005) A evolução do banheiro: da Antigüidade Clássica aos dias atuais.Trabalho publicado no III Congresso Internacional de Pesquisa em Design, Rio de Janeiro

VERDASCA, A. C. (2010) As termas de Tróia: documentação escrita e materiais do Museu Nacional de Arqueologia. Dissertação de mestrado, Arqueologia, Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras

http://diariodebanheirao.blogspot.com.br/2011/06/sao-paulo.html Acessado em 12/10/2016

Publicado
2020-04-23
Como Citar
Bonfante, G. M., & Marino, F. U. (2020). DO DEJETO AO DESEJO: ARQUITETURA DE BANHEIROS COMO DISPOSITIVO DE CONTROLE DA SEXUALIDADE. Interfaces Científicas - Educação, 8(2), 117-131. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n2p117-131
Seção
Dossiê