INFÂNCIAS NAS DOBRAS DA NORMA: ENTRE NARRATIVAS E EXPERIÊNCIAS DE GÊNEROS NO CIBERESPAÇO

  • Raquel Gonçalves Salgado Universidade Federal de Mato Grosso, Câmpus de Rondonópolis http://orcid.org/0000-0002-8730-3025
  • Leonardo Lemos de Souza Programa de Pós-graduação em Psicologia da Unesp/Assis
Palavras-chave: Infâncias, Narrativas, Gêneros, Ciberespaço

Resumo

A internet configura-se como um contexto em que uma vasta diversidade de experiências e narrativas é compartilhada. Dentre estas, estão aquelas que se reportam a infâncias, antes reservadas sob a ordem do segredo, e põem em existência novas corporeidades nos ambientes digitais da atualidade. Assim, este artigo analisa narrativas de infância no ciberespaço como aparecimento social de experiências e corpos infantis que transgridem as expectativas de gênero, pautadas em masculinidades e feminilidades normativas. A análise, especificamente, volta-se para narrativas e imagens (fotos escolhidas pelos/as autores/as dessas narrativas) que compõem as coletâneas Chonguitas: masculinidades de niñas (2013) e Mariconcitos: feminidades de niños, placeres de infancia (2017), sob o formato de livros digitais, disponíveis on line. Destacam-se, nas análises, os corpos dissidentes de crianças em disputas com o ideário construído em torno da infância-inocente, no qual se sustentam as programações normativas de gênero e sexualidade, que se inscrevem nesses corpos por meio de uma semiótica que se multiplica e se expande em diversos espaços da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Gonçalves Salgado, Universidade Federal de Mato Grosso, Câmpus de Rondonópolis
Professora Associada do Programa de Pós-graduação em Educação e do Curso de Psicologia da UFMT/Rondonópolis. Doutora em Psicologia pela PUC-Rio.
Leonardo Lemos de Souza, Programa de Pós-graduação em Psicologia da Unesp/Assis
Professor Livre Docente do Programa de Pós-graduação em Psicologia e do Departamento de Psicologia Social, da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp/Assis. Doutor em Educação pela UNICAMP.

Referências

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas: magia e técnica, arte e política. 2. ed. v. 1. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BURGOS, Juan Manuel; THEUMER, Emmanuel (Orgs.). Mariconcitos. Feminidades de niños, placeres de infancia. Córdoba: Edición de los autores, 2017.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, Judith. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del “sexo”. 2. ed. Buenos Aires: Paidós, 2015.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016a.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto?. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016b.

CASTAÑEDA, Claudia. Figurations: child, bodies, worlds. London: Duke University Press, 2002.

CUELLO, Nicolás. El postrecito. In: BURGOS, Juan Manuel; THEUMER, Emmanuel (Orgs.). Mariconcitos. Feminidades de niños, placeres de infancia. Córdoba: Edición de los autores, 2017. p. 126-129.

FERREIRA, Marcelo Santana. Sobre crianças, sexopolítica e escrita de si. Revista Polis e Psique, vol. 6, n. 1, p. 51-64, 2016.

FLORES, valeria. Rara. In: TRON, fabi; FLORES, valeria. (Orgs.). Chonguitas. Masculinidades de niñas. Neuquén: La Mondoga Dark, 2013. p. 127-131.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1988.

GIUSTI, Iran. Como o “criança viada” virou militância, motivo de histeria reacionária e um crime. http://medium.com/@Irangiusti_/como-o-criança-viada-virou-militância-motivo-de-histeria-reacionária-e-um-crime-e97b50a12f8b, set., 2017. Acesso em 12/04/2019.

HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista. In: TADEU, Tomaz (Org.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016. p. 33-118.

LAURETIS, Teresa. Tecnologias de gênero. In: HOLLANDA, Heloisa B. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 206-242.

LAVIA, Natalia “taty”. Ser chong@ y no morir em el intento. TRON, fabi; FLORES, valeria. (Orgs.). Chonguitas. Masculinidades de niñas. Neuquén: La Mondoga Dark, 2013. p. 110-113.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2009.

PRECIADO, Beatriz. “Quem defende a criança queer?”. Jangada-crítica, literatura, artes, Viçosa, n. 1, p. 96-99, jan/jun. 2013.

SACCHI, xara. Familiar. In: TRON, fabi; FLORES, valeria. (Orgs.). Chonguitas. Masculinidades de niñas. Neuquén: La Mondoga Dark, 2013. p. 78-83.

SAFATLE, Vladimir. Dos problemas de gênero a uma teoria da despossessão necessária: ética, política e reconhecimento em Judith Butler. In: BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p. 173-196.

SCHÉRER, René. Infantis. Charles Fourier e a infância para além das crianças. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

TORRES, Marcela. La guerra contra las polleras. In: TRON, fabi; FLORES, valeria. (Orgs.). Chonguitas. Masculinidades de niñas. Neuquén: La Mondoga Dark, 2013. p. 48-50.

TRON, fabi. Abrir la puerta para ir a jugar. In: TRON, fabi; FLORES, valeria. (Orgs.). Chonguitas. Masculinidades de niñas. Neuquén: La Mondoga Dark, 2013. p. 62-66.

TRON, fabi; FLORES, valeria. (Orgs.). Chonguitas. Masculinidades de niñas. Neuquén: La Mondoga Dark, 2013.

Publicado
2020-04-23
Como Citar
Salgado, R. G., & Souza, L. L. de. (2020). INFÂNCIAS NAS DOBRAS DA NORMA: ENTRE NARRATIVAS E EXPERIÊNCIAS DE GÊNEROS NO CIBERESPAÇO. Interfaces Científicas - Educação, 8(2), 16-30. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n2p16-30
Seção
Dossiê