UM MATCH COM OS CONSERVADORISMOS: MASCULINIDADES DESAFIADAS NAS RELAÇÕES HETEROSSEXUAIS POR MEIOS DIGITAIS

  • Larissa Maués Pelucio Universidade Estadual Paulista "Júiio de Mesquita Filho"
Palavras-chave: masculinidades, aplicativos móveis para relacionamentos, inflexão feminista, tecnologias digitais

Resumo

Neste artigo apresento resultados parciais de pesquisa etnográfica realizada no fluxo online/off-line, entre homens heterossexuais usuários de aplicativos móveis voltados para relacionamentos amorosos/sexuais (Adote um Cara, Happn e Tinder). Interessou-me compreender como, por meio das comunicações digitais, homens entre 29 e 60 anos, estão lidando com seus afetos diante da inflexão feminista vivida pelo País nas últimas duas décadas. A partir de interlocução direta com esses homens foi possível perceber que muitos deles, apesar de reconhecerem as mudanças comportamentais como positivas, têm encontrado dificuldades para lidar com os avanços da agenda feminista, que os força a reposicionar seus desejos e rever valores relativos às masculinidades. Os homens mostraram-se conscientes das estruturas machistas que orientam a própria constituição de masculinidades, o que não implicou em transformações efetivas na maneira de se comportarem nas relações com mulheres. Porém, essa consciência os tem levado a refletir sobre questões de gênero e sexualidade, o que muitas vezes revela o desejo de conservarem comportamentos tradicionais no campo dos afetos. Tarefa que têm se mostrado árdua, desafiados que estão pelas suas pretendentes e por todo um entorno no qual o político tem se revelado altamente pessoal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Maués Pelucio, Universidade Estadual Paulista "Júiio de Mesquita Filho"
Livre-Docente em Estudos de Gênero, Sexualidade e Teorias Feministas. Atua como professora de Antropologia na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (campus Bauru Departamento de Ciências Humanas FAAC), integra o quadro de docentes do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais na mesma instituição (campus Marília), é também pesquisadora colaboradora do Núcleo de Estudos de Gênero Pagu. Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), tem desenvolvido pesquisas que abordam temas como gênero, sexualidade, saúde, mídias digitais a partir de diálogos com a teoria queer, as epistemologias feministas e os Saberes subalternos.

Referências

APPADURAI, Arjun. Dimensões culturais da globalização. Lisboa: Teorema, 2004.

BENTO, Berenice. Damares: uma metáfora de ministra?. Revista Cult, on-line. 19/01/2019. Disponível em:https://revistacult.uol.com.br/home/damares-uma-metafora-de-ministra/. Última Consulta em 21/01/2019).

CASTELLS, Manuel. Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

CONNEL, R. W. Políticas da masculinidade. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 185-206, 1995.

GARCIA, Sandra Mara. Conhecer os homens a partir do gênero e para além do gênero. In: ARILHA, Margareth; RIDENTI, Sandra G. Unbehaum; MEDRADO, Benedito. Introdução. In ARILHA, Margareth; RIDENTI, Sandra G. Unbehaum; MEDRADO, Benedito (Org.). Homens e masculinidades: outras palavras. São Paulo: Ecos: Editora 34, 1998.

GOMES, Carla; SORJ, Bila. Corpo, geração e identidade: a Marcha das vadias no Brasil. Revista Sociedade e Estado - Volume 29, Número 2, Maio/Agosto 2014, pp. 433-447.

FRANCO, César B. “Como Conquistar Mulheres?” - Masculinidade e Subjetivação em uma Comunidade Virtual. Dissertação para defesa do título de mestre no Programa de Pós-Graduação em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná. 2015.

ILLOUZ, Eva. ¿Por qué duele el amor? Una explicación sociológica. Traducción de María Victoria Rodil. Buenos Aires: Katz. 2012.

ILLOUZ, Eva. “Don't Be My Valentine: Are Couples Becoming a Thing of the Past”? Haaretz, Israel. 2013.

JARDIM, Maria C. & MOURA, Paulo J. C.. A construção social do mercado de dispositivos de redes sociais: a contribuição da sociologia econômica para os aplicativos de afeto. Tomo – Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Universidade Federal do Sergipe, no. 30, jan/jun., 2017, pp. 151-196.

KIMMEL, Michael. S. “A Produção de Masculinidades Hegemônicas e Subalternas”. Horizontes Antropológicos – Corpo, Doença e Saúde. Porto Alegre, ano 4, n. 9, outubro , pp. 103-117. 1998.

MORELLI, Fábio. Não Existe Amor em APP? Pistas sobre o processo de subjetivação entre homens por meio de aplicativos voltados ao público gay. Dissertação apresentada à Faculdade de Ciências e Letras de Assis – UNESP – Universidade Estadual Paulista para a obtenção do título de Mestre em Psicologia. 2017.

NATANSOHN, L. Graciela (Org.). Internet em código feminino. Teorias e práticas. E-book. Ed. em português revista e ampliada.. 1. ed. Buenos Aires: La Crujía, 2013. v. 1. 192p.

MISKOLCI, Richard; CAMPANA, Maximiliano. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Sociedade e Estado., Brasília , v. 32, n. 3, p. 725-748, Dec. 2017.

VALE DE ALMEIDA, Miguel. Senhores de Si – uma interpretação Antropológica da Masculinidade. Lisboa: Fim de Século. 2000.

WELZER-LANG, DANIEL. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 460-482, 2001.

Publicado
2020-04-23
Como Citar
Pelucio, L. M. (2020). UM MATCH COM OS CONSERVADORISMOS: MASCULINIDADES DESAFIADAS NAS RELAÇÕES HETEROSSEXUAIS POR MEIOS DIGITAIS. Interfaces Científicas - Educação, 8(2), 31-46. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n2p31-46
Seção
Dossiê