PRÁTICAS DE FORMAÇÃO NO CONTEXTO DA CIBERCULTURA: MULTIMODALIDADE E MULTIRREFERENCIALIDADE NO ENSINO DE INGLÊS

  • Maria Amália Vargas Façanha Universidade Federal de Sergipe (UFS)
  • Simone Lucena Universidade Federal de Sergipe - UFS
Palavras-chave: Cibercultura, multimodalidade, multirreferencialidade

Resumo

Este artigo tem o objetivo de apresentar experiências vividas em um curso de Letras Inglês, de uma Universidade Federal Brasileira, com o foco nas práticas de letramentos envolvendo os ambientes de sala de aula e da rede social Facebook. As práticas desenvolvidas e as análises seguiram a perspectiva das teorias dos novos letramentos e multiletramentos e da multirreferencialidade, envolvendo práticas da cibercultura, como espaçostempos multirreferenciais de formação. A convergência de diferentes modos de produção de significado presentes em artefatos produzidos pelos discentes e o trabalho com mídias digitais apontaram para uma realidade em que, cada vez mais, a aproximação das práticas desenvolvidas na escola, as quais ainda estão muito centradas na modalidade linguística, com projetos multimodais já tão presentes no cotidiano das pessoas pode levar os agentes envolvidos no processo de ensino-aprendizagem a leituras mais críticas e significativas de questões do cotidiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Amália Vargas Façanha, Universidade Federal de Sergipe (UFS)
Docente do Curso de Letras Inglês, do Departamento de Letras Estrangeiras da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Mestre em Educação (UFS), Licenciada em Letras Português/Inglês (UFS) e Doutoranda em Educação (UFS)
Simone Lucena, Universidade Federal de Sergipe - UFS
Prfessora do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED) e do Departamento de Educação (DEDI) da Universiade Federal de Sergipe, Líder do Grupo de Pesquisa ECult – Educação e Culturas Digitais (UFS/CNPq/Ecult). Site: http://grupoecult.blogspot.com.br/

Referências

ADICHIE, Chimamanda N. Americanah. New York: Anchor Books, 2013.

BERGER, G. A multirreferencialidade na Universidade de Paris Vincennes à Saint-Denis: o pensamento e a praxis de Jacques Ardoino. In: MACEDO, R. S.; BARBOSA, J. G.; BORBA, S. Jacques Ardoino & a Educação. Belo Horizonte Autêntica, 2012.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petropólis, RJ: Vozes, 2011.

COPE, B.; KALANTZIS, M. Multiliteracies: literacy and the design of social futures. New York: Routledge, 2000.

GEE, J. P. Situated Language and Learning. New York & London: Routledge, 2003.

HEATH, S.B. What No Bedtime Story Means: Narrative Skills at Home and at School. Language in Society, vo. 11, p. 49-76, 1982.

JESUS, D.; CARBONIERI, D. (Orgs.). Práticas de Multiletramentos e Letramento Crítico: Outros Sentidos para a Sala de Aula de Línguas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2016.

KRESS, G. Multimodality. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. Multiliteracies: literacy and the design of social futures. New York: Routledge, 2000.

LUCENA, S.; OLIVEIRA, A. A. D. Os softwares sociais e a web 2.0 como espaços multirreferencias em programa de iniciação à docência. In: Laplage em Revista (Sorocaba), vol. 3 n.2, mai.-ago. 2017, p.34-46. Disponivel em < http://www.laplageemrevista.ufscar.br/index.php/lpg/article/view/349/485>. Acesso em 05 junho 2017.

MARCUSCHI, L. A. Produção Textual, Análise de Gêneros e Compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MATTOS, A. M.A. Ensino de Inglês como Língua Estrangeira na Escola Pública: Letramentos, Globalização e Cidadania. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

MOREIRA, J.A.; JANUÁRIO, S. Redes Sociais e Educação: reflexões acerca do Facebook enquanto espaço de aprendizagem. In: PORTO, C.; SANTOS, E. (Orgs.). Facebook e Educação: publicar, curtir, compartilhar. Campina Grande: EDUEPB, 2014, p. 67-84.

RECUERO, R. Redes sociais da internet.Porto Alegre: Sulina, 2009.

SANTOS, E.; ROSSINI, T.S.S. Comunidade REA-BRASIL no Facebook: um espaço de ativismo, autorias, compartilhamentos e inquietações. In: PORTO, C.; SANTOS, E. (Orgs.). Facebook e Educação: publicar, curtir, compartilhar. Campina Grande: EDUEPB, 2014, p.85-112.

SANTOS. E.; MADDALENA, T.L.; ROSSINI, T. S. S. Diário hipertextual on-line de pesquisa. In: COUTO, E.; PORTO, C.; SANTOS, E. App-Learning: experiências de pesquisa e formação.Salvador: EDUFBA, 2016, p.93-108.

SERRES, M. Polegarzinha. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

SIBILIA, P. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

STREET, B. V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad. Marcos Bagno. 1.ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

ZACCHI, V. Jogos Eletrônicos e Novos Letramentos no Ensino de Língua Inglesa. In: TAKAKI, N. H.; MACIEL, R. F (Orgs.). Letramentos em Terra de Paulo Freire. Campinas, SP: Pontes Editores, 2a ed., 2015, p.63-74.

Publicado
2017-10-14
Como Citar
Façanha, M. A. V., & Lucena, S. (2017). PRÁTICAS DE FORMAÇÃO NO CONTEXTO DA CIBERCULTURA: MULTIMODALIDADE E MULTIRREFERENCIALIDADE NO ENSINO DE INGLÊS. Interfaces Científicas - Educação, 6(1), 137-148. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2017v6n1p137-148
Seção
Dossiê