EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR: a ótica do corpo docente sobre a inclusão escolar

Thaynara Carvalho Lima, Julio Cesar Vieira Lopes, Hamilton Ayres de Andrade, Aline Vieira Freitas, Rafael Marques Reis

Resumo


A situação da inclusão de deficientes no ensino regular é uma luta que se prolonga há pouco mais de 40 anos no mundo e há 12 anos no Brasil. No Brasil, as discussões sobre o direito do aluno com necessidades especiais de frequentar a classe comum iniciaram com a Declaração de Salamanca, em 1994, com o tema “Escola para Todos” e incorporou-se na política nacional com a Política Nacional de Educação Especial, onde consta que toda pessoa deficiente tem direito a participar da vida social de maneira o mais “normal” possível, tendo seus direitos reconhecidos pela sociedade em geral. Percebe-se que a inclusão não cabe no paradigma tradicional da educação, requer um modelo diferente das propostas existentes. O presente estudo buscou compreender a percepção do corpo docente do Colégio Militar de Salvador-CMS diante da proposta de implantação da Educação Inclusiva com vistas a se concretizar até o ano de 2020, nesse sistema de ensino. Para isto foi aplicado um questionário aos professores do CMS com questões norteadoras sobre o tema da Educação Inclusiva. Qualitativamente e utilizando-se da Análise de Conteúdo, os dados coletados foram analisados a fim de traduzir os sentimentos dos professores diante da nova proposta de ensino. Os resultados encontrados apontaram para a falta de capacitação dos profissionais, e em consequência disso, mesmo receptivos à implantação da Educação Inclusiva, se sentem inseguros e apreensivos. Concluiu-se que, dada à receptividade dos docentes, é possível a implantação da Educação Inclusiva no CMS desde que atendidas algumas ressalvas, como a capacitação dos profissionais envolvidos.

 

Palavras-chave: Educação Inclusiva; docentes; CMS.


Palavras-chave


Educação Inclusiva; docentes; CMS

Texto completo:

PDF

Referências


ASCH, S. E. Psicologia Social. São Paulo: Nacional, 1979.

BANDURA, A. Sel-Evaluative and Self-Efficacy Mechanisms Governing the Motivational Effects of Goal Systems. Educational Psychologist, 1991.

________. Perceived Self-efficacy in Cognitive Development and Functioning. Educational Psychologist, v.28, n. 2, p. 117-48, 1993.

BRASIL. Decreto 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado, regulamenta o parágrafo único do art. 60 da lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e acrescenta dispositivo ao Decreto nº 6.253, de 13 de novembro de 2007.

_________. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE). Censo Demográfico do ano 2000. Disponível em: HTTP://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias acesso em 16 de julho de 2015.

CASTRO, S. A representação social de professores de alunos incluídos em rede regular de ensino. Monografia (Conclusão de curso de especialização em Educação Especial na área da Deficiência Mental) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria/RS, 2002.

COLÉGIO MILITAR DE FORTALEZA (CMF). Proposta pedagógica do Colégio Militar de Fortaleza. Disponível em: http://www.cmf.ensino.eb.br/. Acesso em: 06/06/2015.

COSTA, M. C. S. Sentimentos de Professores Frente às Dificuldades na Prática da Educação Inclusiva de Alunos com Deficiência no Ensino Fundamental. 2007. 121 f. Dissertação (Mestrado)- Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL (DEPA). Histórico dos Colégios Militares. Disponível em: http://www.depa.ensino.eb.br/pag_historico.htm. Acesso em: 03/06/2015.

EXÉRCITO BRASILEIRO. Lei complementar nº 97, de 9 de junho de 1999 e Portaria do Comandante do Exército nº 42, de 6 de fevereiro de 2008 (Regulamento dos Colégios Militares – R-69). Disponível em: http://www.eb.mil.br/. Acesso em: 03/06/2015.

GLAT, R.; ANTUNES, K.V.C.; OLIVEIRA, M.; PLETSCH, M. D. A educação especial no paradigma da inclusão: a experiência da rede pública municipal de educação do Rio de Janeiro. In: Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, 13. 2006, Recife, 2006.

HEIDEGGER, Martin. SER E TEMPO. 8ª. Ed. – Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2013.

MANJON, D.G. Adaptaciones curriculares: guia para su elaboración. Porto Algibe, 1995.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da metodologia científica. 5º Ed. São Paulo, Atlas, 2003.

MELLI, R. IN: MANTOAN, M.T.E. (Org.). Caminhos pedagógicos da inclusão: como estamos implementando a educação (de qualidade) para todos nas escolas brasileiras. São Paulo: Memnon, 2001.

MATTAR, F.N. Pesquisa de Marketing. 5ed. São Paulo: Atlas, 1999.

MOURA, S. M. de. A Educação Especial e as produções acadêmicas da década de 1970: reflexos de um contexto. Comunicações: Piracicaba, v. 10, 2003.

NEVES, J.L. Pesquisa Qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, vol 1, nº 3, 1996.

OLABUENAGA, J.I.R.; ISPIUZA, M.A. La descodificacion de la vida cotidiana: métodos de investigacion cualitativa. Bilbao, Universidad de Deusto, 1989.

REZENDE, Thelmy Arruda de. Meninas não entram. Edição comemorativa dos 20 anos de ingresso das Alunas Pioneiras no Colégio Militar de Brasília: 1989-1995. Colégio Militar de Brasília: CMB, 2009.

SARTRE, J. P. Crítica da Razão Dialética. Trad. Guilherme João de Freitas Teixeira. Rio de Janeiro RJ: Ed. DP&A editora, 2002.

SAVIANI, Demerval. Educação brasileira: estrutura e sistema. 10ª Ed, Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SCHMIDT, Lawrence K. HERMENÊNTUICA. 2ª. Ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

SILVEIRA, A. R. M.; SILVA, J. A. C. É possível ser plenamente inclusivo no Sistema Colégio Militar do Brasil. In: EDUCARE. Revista Científica do Colégio Militar do Brasil, ano 6, nº 10, p. 60 – 69. 2014.

SMEHA, L.N.; FERREIRA, I.V. Prazer e sofrimento docente nos processos de inclusão escolar. Revista Educação Especial v.21, nº 31. 2008

STAINBACK, Susan e STAINBACK, William (organizadores). Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre (RS): ARTMED, 1999.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

UNESCO/Ministry of Education and Science (1994) Final Report on the World Conference on Special Needs Education: Access and Quality. Salamanca, Spain, 7-1. Junho,1994.




DOI: https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n3p304-321


Indexada em: