AS REDES SOCIOTÉCNICAS NO PROCESSO DE DIFUSÃO CIENTÍFICA: A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO

Resumo

O processo de divulgação científica no Brasil tem se mostrado tímido. Vários motivos contribuem para esse fato, dentre os quais os meios de comunicação utilizados, a linguagem empregada e a ausência direta dos pesquisadores no ato de divulgar os resultados das pesquisas. Este estudo tem o objetivo de apresentar as redes sociotécnicas como meios de divulgar a ciência com potencialidade para abarcar um número significativo de leitores e tornar o processo mais interativo e educativo. Assume como metodologia a pesquisa teórica que levanta questionamentos aos modelos tradicionais utilizados por pesquisadores para divulgação de ciência. Conclui evocando um trabalho conjunto de atores sociais na utilização as redes sociotécnicas com vista à relocar o papel basilar da ciência na democratização do saber e na melhoria da qualidade de vida dos sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raimundo Ralin Neto, Universidade Tiradentes - UNIT
Aluno de graduação em História na Universidade Tiradentes – UNIT. Aluno voluntário de Iniciação Científica-UNIT. Participa do Grupo de Pesquisa em Educação, Tecnologias da Informação e Cibercultura (GETIC/CNPq). E-mail: raimundoralin@hotmail.com
Cristiane de Magalhães Porto, Instituto de Tecnologia e Pesquisa – ITP. Universidade Tiradentes - UNIT
Doutora Multidisciplinar em Cultura e Sociedade – UFBA. Mestrado em Letras e Linguística – UFBA. Pesquisadora do Instituto de Tecnologia e Pesquisa – ITP. Bolsista em Produtividade em Pesquisa do CNPq – Nível 2 e faz parte do Comitê de Assessoramento de Divulgação Científica do CNPq. Pós-doutorado em Educação – UERJ. Coordenadora do Programa de Estímulo a Mobilidade e ao Aumento da Cooperação Acadêmica da Pós-Graduação (PROMOB-FAPITEC/CAPES – UNIT/UERJ/UFSC). É professora do Curso de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Tiradentes – Unit. Pesquisadora do Grupo Educação, Redes Sociotécnicas e Culturas digitais (EDUTEC/UFBA/CNPq). Líder do Grupo de Pesquisa Educação, Tecnologia da Informação e Cibercultura (GETIC/UNIT/CNPq). E-mail: crismporto@gmail.com
Verônica Alves dos Santos Conceição, Universidade Tiradentes - UNIT Universiade Estadual de Feira de Santana - UEFS
Doutoranda em Educação pela Universidade Tiradentes (UNIT), mestra em Estudos Interdisciplinares (UFBA), graduada em Pedagoga (UEFS), graduanda em Letras e Literatura Brasileira pela Universidade do Paraná (UNOPAR). Especialista em Psicopedagogia (UNEB) e Coordenação Pedagógica (UFBA). Atua como pedagoga (UEFS), professora na Educação Básica na cidade de Feira de Santana-BA. Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Pedagogia Universitária (NEPPU/UEFS/CNPq) e no Grupo de Pesquisa Educação, Tecnologia da Informação e Cibercultura (GETIC/UNIT/CNPq). E-mail: veronica.alves604@gmail.com

Referências

CIRIACO, Douglas. YouTube é acessado por 95% população online brasileira. TecMundo, São Paulo, 25 de jul. de 2017. Disponível em: <https://www.tecmundo.com.br/internet/119776-youtube-insights-brasil.htm>. Acesso em 10 abr. de 2020

DEMO, Pedro. Pesquisa e construção do conhecimento: metodologia científica no caminho de Habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994.

DEMO, Pedro. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2000.

DIMENSTEIN, Gilberto. O cidadão de papel: a infância, a adolescência e os direitos humanos no Brasil. São Paulo: Ática, 2005, p. 6-10.

DUARTE, Adriano. Comunicação e cultura: a experiência cultural na era da informação. Lisboa: Presença, 1994.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LAVADO, Thiago. Uso da internet no Brasil cresce, e 70% da população estão conectadas. G1, São Paulo, 28 de ago. de 2019. Disponível em: <https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2019/08/28/uso-da-internet-no-brasil-cresce-e-70percent-da-populacao-esta-conectada.ghtml>. Acesso em 10 abr. de 2020

MAGALHÃES, Danilo Castro; MASSARANI, Luisa; ROCHA, Jéssica Norberto. 50 Anos da I Feira Nacional de Ciências (1969) no Brasil. Interfaces Científicas: Humanas e Sociais, Aracaju, v.8, n.2, p. 185 – 202. Ago./Set./Out. 2019. Disponível em: <https://periodicos.set.edu.br/index.php/humanas/article/view/7663/3664>. Acesso em 10 abr. de 2020

MEDEIROS, Zulmira; VENTURA, Paulo Cezar Santos. Cultura tecnológica e redes sociotécnicas: um estudo sobre o portal da rede municipal de ensino de São Paulo. Educ. Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 1, p. 63-75, 2008. Disponível em:

<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022008000100005>. Acesso em 10 abr. de 2020.

PORTO, Cristiane; FERRONATO, Cristiano, LINHARES, Ronaldo. A produção científica brasileira na contemporaneidade: exigências e interlocuções. Salvador: Edufba; Aracaju: Edunit, 2015, p. 21-84, 111-162.

Publicado
2020-11-16
Como Citar
Neto, R. R., Porto, C. de M., & dos Santos Conceição, V. A. (2020). AS REDES SOCIOTÉCNICAS NO PROCESSO DE DIFUSÃO CIENTÍFICA: A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO. Interfaces Científicas - Educação, 10(2), 154-164. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v10n2p154-164