DISSIDÊNCIAS SEXUAIS E DE GÊNERO NO HUMOR: ESTIGMA E RESISTÊNCIA ENTRE A TV E A INTERNET

  • Rafael Silva de Carvalho Universidade Federal do Espírito Santo

Resumo

O artigo se trata de uma pesquisa de campo virtual que busca analisar os enunciados, as relações de poder e as produções de subjetividades a partir de dois vídeos humorísticos em torno das dissidências sexuais e de gênero. Os vídeos são esquetes de humor de personagens que marcaram época na televisão brasileira em diferentes décadas (80 e 90). O método utilizado é a análise do discurso em Michel Foucault, valendo-se dos conceitos de enunciado, verdade, saber, poder e sujeito. Os elementos discursivos foram apreendidos das falas, imagens e comentários dos vídeos selecionados. Adiante, problematizo os resultados da pesquisa no tensionamento entre a produção de estigma e possibilidades de resistência através do humor na Televisão e internet. Palavras-chave: Dissidências sexuais e de gênero. Humor. Análise do discurso. Televisão. Internet.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALONSO, Nilton Tadeu de Queiroz. Entre segredos e risos: gírias da diversidade sexual paulistana. 2010. 233 f. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010.

CARMO, Michel Soares do. Pondo na Roda as Metapragmáticas do Armário Gay. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Goiás. Faculdade de Letras (FL). Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, Goiânia, 2017.

CARNIEL, Fagner; RUGGI, Lennita; RUGGI, Júlia de Oliveira. Gênero e humor nas redes sociais: a campanha contra Dilma Rousseff no Brasil. Opinião Pública, Campinas, vol. 24, nº3, set. dez., p. 523-546, 2018.

FOUCALT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão; tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis, Vozes, 1987. 288 p.

GONZATTI, Christian. Bicha, a senhora é performática mesmo: sentidos queer nas redes digitais do jornalismo pop. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de Pós-graduação em Ciências da Comujnicação, São Leopoldo, RS, 2017.

HATERS. Dicionário online Significados, 17 de set. 2019. Disponível em < https://www.significados.com.br/haters/ > Acesso em 17 set. 2019.

JUNIOR, Dilton; POCAHY, Fernando; CARVALHO, Felipe. Ensinar-aprender com os memes: quando as estratégias de subversão e resistência viralizam na internet. Periferia, v. 11, n. 2, p. 17-38, maio/ago. 2019.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Pedagogia do armário A normatividade em ação. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 13, p. 481-498, jul./dez. 2013. Disponível em: retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/download/320/490. Acesso em 29 de ago. 2019.

MAZOTI, Patrícia Aurora Corrêa. Põe na roda: entre conexões e conectividades nas mídias digitais. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Filosofia e Ciências, 2018.

MISKOLCI, Richard. Do armário à discrição? Regimes de visibilidade sexual das mídias de massa às digitais. In.: PELÚCIO, Larissa. No emaranhado da rede: gênero, sexualidade e mídia, desafios teóricos e metodológicos do presente. São Paulo: Annablume. 2015. 272 p.

OLIVA, Thiago Dias. Memes de natureza cômica como estratégia de resistência a discursos hegemônicos: análise das reações à campanha #gaysnomerecenmedallas no twitter. Linguagem em (Dis)curso – LemD, Tubarão, SC, v. 18, n. 3, p. 583-601, set./dez. 2018.

OLIVEIRA, João Manuel de. Desobediências de gênero. Salvador, BA: Editora Devires, 2017.

Publicado
2020-04-23
Como Citar
de Carvalho, R. S. (2020). DISSIDÊNCIAS SEXUAIS E DE GÊNERO NO HUMOR: ESTIGMA E RESISTÊNCIA ENTRE A TV E A INTERNET. Interfaces Científicas - Educação, 8(2), 219-232. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n2p219-232
Seção
Dossiê