VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES NAS REDES SOCIAIS: O CASO ELAINE PEREZ CAPARRÓZ

  • Telma Brito Rocha UFBA ( Faculdade de Educação)
  • Cleyton Williams Golveia da Silva Brandão Universidade Federal da Bahia (UFBA) Universidade Salvador (UNIFACS)
Palavras-chave: Violência, Mulheres, Redes Sociais, Elaine Perez Caparróz.

Resumo

A violência configura-se como um problema para sociedade brasileira. A expressão dessa problemática demonstra a ausência do diálogo e de uma visão crítica, seja por parte de quem a assiste ou de quem a vivencia. Trata-se de um fenômeno multifacetado, que não atinge apenas a integridade física, mas também a integridade psíquica, emocional e simbólica de mulheres, seja na “vida on-line” ou “off-line”. A análise das causas e das relações que geram condutas violentas impõe alguns desafios aos pesquisadores: demanda tanto o reconhecimento das especificidades das situações nesta sociedade em rede, como a compreensão de processos mais abrangentes que produzem a violência. Nessa contextura, através da análise de conteúdo proposta por Bardin (2011), capturou-se prints com os comentários dos internautas em postagens no Facebook e inferiu-se reflexões acerca das intencionalidades ofensivas dos sujeitos em questão. Buscou-se levantar os discursos de ódio direcionados às mulheres na rede online, a fim de conhecer os conceitos de violência e a legislação brasileira para os crimes na internet, discutindo medidas educativas dentro do ensino básico brasileiro para prevenção desse problema na atualidade. No decorrer da pesquisa, foram analisados oitenta e três prints de comentários de seis publicações distintas e, nesse escrito, apresentar-se-á quatro figuras contendo comentários de um caso, que perpassam por questões de machismo, culpabilização da vítima, difamação, discriminação etária e “comportamento ideal feminino”. Assim, entende-se que a educação de base deve ser transformadora, a fim de formar cidadãos críticos e reflexivos acerca do seu papel social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Telma Brito Rocha, UFBA ( Faculdade de Educação)
Doutora em Educação, docente da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia
Cleyton Williams Golveia da Silva Brandão, Universidade Federal da Bahia (UFBA) Universidade Salvador (UNIFACS)
Graduando em Licenciatura em Pedagogia (UFBA) Graduando em Jornalismo (UNIFACS) Bolsista PIBIC UFBA

Referências

AZEVEDO, Eulália Lima. Violência de Gênero na Trama Geracional. In: SARDENBERG, Cecilia M. B. (org.); TAVARES, Márcia S. (org.). Violência de Gênero Contra Mulheres: suas diferentes faces e estratégias de enfrentamento e monitoramento. Salvador: EDUFBA, 2016.

BARSTED, Lelia Linhares. O Feminismo e o Enfrentamento da Violência Contra as Mulheres no Brasil. In: SARDENBERG, Cecilia M. B. (org.); TAVARES, Márcia S. (org.). Violência de Gênero Contra Mulheres: suas diferentes faces e estratégias de enfrentamento e monitoramento. Salvador: EDUFBA, 2016.

BOURDIEU, Pierre. Campo de Poder, Campo Intelectual. BA: Quadrata, 2004.

BRASIL.Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituição.htm>.

BRASIL. Decreto-Lei 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, 2015.

COSTA, J. F. Violência e psicanálise. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FRANCO, S. La violência: un problema de salud pública que se agrava en la Región. Boletín Epidemiológico de la OPS, v.11, n. 2, p. 1-7, 1990.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz & Terra, 2017.

HOOKS, Bell. Ensinando a Transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2017.

HOOKS, Bell. O Feminismo é Para Todo Mundo: políticas arrebatadoras. São Paulo: Rosa dos Tempos, 2019.

IBGE. Estudo sobre Estatísticas de Gênero 2018. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf>. Acesso em: 11 de julho de 2019.

JENKINS, Henry.Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

MARTINO, Luis Mauro Sa. Teorias das Mídias Digitais. Linguagens, ambientes e redes. Petropólis: Vozes, 2015.

MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia. Feminismo e Política. São Paulo: Boitempo, 2014.

OMS. Pesquisa dos Valores Mundiais 2016. Disponível em: <https://www.who.int/eportuguese/publications/pt/>. Acesso em 27 de maio de 2019.

OMS. Pesquisa Valores Mundiais 2016. Disponível em: <https://www.who.int/eportuguese/publications/pt/>. Acesso em: 11 de julho de 2019.

RIBEIRO, Djamila. Quem Tem Medo do Feminismo Negro?. São Paulo: Cia das Letras, 2018.

ROCHA, Telma Brito. Cyberbullying: ódio, violência virtual e profissão docente. Brasília: Liber Livro, 2012.

ROCHA, Telma Brito. Violencia, Agressividade e Poder: conceitos para professores compreenderem conflitos no ambiente escolar. In: WANZINACK, CLOVIS (org.); SIGNORELLI, Marcos Claudio (org.). Violencia, Genero e Diversidade: desafios para a educacao e o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Autografia, 2015.

SANTOS, Marco Aurélio Moura Dos. O Discurso de Ódio nas Redes Sociais. São Paulo: Lura Editorial, 2016.

Publicado
2020-04-23
Como Citar
Rocha, T. B., & Golveia da Silva Brandão, C. W. (2020). VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES NAS REDES SOCIAIS: O CASO ELAINE PEREZ CAPARRÓZ. Interfaces Científicas - Educação, 8(2), 67-82. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n2p67-82
Seção
Dossiê