A CONVERSA ONLINE COMO PROCEDIMENTO METODOLÓGICO NA PESQUISA COM MASCULINIDADES DISSIDENTES NA CIBERCULTURA: NOTAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS

  • Ruann Moutinho Ruani Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).
  • Dilton Ribeiro Couto Junior Pós-doutorando (bolsista PNPD/CAPES) e professor no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).
  • Ivan Amaro Professor da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Líder do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).
Palavras-chave: masculinidades, cibercultura, metodologia, conversa online.

Resumo

Este trabalho é parte das reflexões que vêm sendo desenvolvidas em pesquisa de mestrado em educação em andamento. A pesquisa, ainda em fase inicial, apresenta como objetivo investigar como as normas regulatórias de gênero e sexo agem na constituição das masculinidades de pessoas autoproclamadas gays usuárias de aplicativos de pegação/namoro. Este texto, de cunho teórico, é um recorte desta pesquisa e se propõe a apresentar notas teórico-metodológicas que evidenciam alguns dos desafios da produção de conhecimento no campo de estudos de gênero e sexualidade no contexto das dinâmicas ciberculturais. Mais especificamente, nosso foco é discutir sobre a importância da conversa online como procedimento metodológico na pesquisa que adota o ciberespaço para o desenvolvimento do trabalho de campo. Ao longo do trabalho, buscamos ressignificar o papel dos sujeitos participantes das pesquisas, entendendo-os como coautores no processo de construção do conhecimento, e refletindo também sobre as especificidades do digital em rede nos estudos de gênero. Nossa aposta, durante o trabalho de campo da pesquisa, vem sendo reconhecer a conversa online como procedimento metodológico alinhado com uma dimensão dialógica e de alteridade que prima pela horizontalidade das vozes na interação com homens gays que performatizam masculinidades dissidentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ruann Moutinho Ruani, Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).
Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).
Dilton Ribeiro Couto Junior, Pós-doutorando (bolsista PNPD/CAPES) e professor no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).
Pós-doutorando (bolsista PNPD/CAPES) e professor no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).
Ivan Amaro, Professor da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Líder do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).
Professor da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Líder do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).

Referências

AMARO, Ivan. Tecnologias digitais e formação de professoras: superando desafios, construindo potencialidades. In: AMARO, Ivan; SOARES, Maria da Conceição Silva (Orgs.). Tecnologias digitais nas escolas: outras possibilidades para o conhecimento. Rio de Janeiro: De Petrus et Alii; Brasília, DF: CAPES, 2016, p. 89-111.

BARBOSA, Alexsandra; SANTOS, Edméa; RIBEIRO, Mayra. Diário online no WhatsApp: App-learning em contexto de pesquisa-formação na cibercultura. In: SANTOS, Edméa; CAPUTO, Stela Guedes (Orgs.). Diário de pesquisa na cibercultura: narrativas multirreferenciais com os cotidianos. Rio de janeiro: Omodê, 2018, p. 111-131.

BELLO, Alexandre Toaldo; FELIPE, Jane. Delineando masculinidades desde a infância. Revista Instrumento, Juiz de Fora, v. 12, n. 2, jul./dez. 2010. Disponível em: <https://bit.ly/2L4XBRJ>. Acesso em: 8 dez. 2018.

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 549-559, maio/ago. 2011. Disponível em: <https://bit.ly/1VWhF9m>. Acesso em: 29 out. 2018.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. 3. Ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2016.

BOURDIEU, Pierre. Poder simbólico. Tradução de Fernando Thomaz. 4. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Russel, 2007.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro do. Cibercultura, juventude e alteridade: aprendendo - ensinando com o outro no facebook. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; FERREIRA, Helenice Mirabelli Cassino; OSWALD, Maria Luiza Magalhães Bastos. Compartilhando experiências sobre o “armário”: as conversas online como procedimento metodológico da pesquisa histórico-cultural na cibercultura. Interfaces Científicas – Educação, Aracaju, v. 6, n. 1, p. 23-34, out. 2017. Disponível em: <https://bit.ly/2zRX7KV>. Acesso em: 26 out. 2017.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; OSWALD, Maria Luiza Magalhães Bastos. “Fico sem nada de interessante pra postar qnd estou recatada!”: a relação entre o espaço eletrônico e o espaço físico em conversas mantidas entre jovens no Facebook. In: PORTO, Cristiane; SANTOS, Edméa (Orgs.). Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar. Paraíba: EDUEPB, 2014, p. 167-184. Disponível em: <https://bit.ly/2wcJuWP>. Acesso em: 6 abr. 2019.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; POCAHY, Fernando; OSWALD, Maria Luiza Magalhães Bastos. Crianças e infâncias (im)possíveis na escola: dissidências em debate. Periódicus, Salvador, v. 1, n. 9, p. 55-74, maio/out. 2018. Disponível em: <https://bit.ly/2P5JGw6>. Acesso em: 2 out. 2018.

FERRAÇO, Carlos Eduardo; ALVES, Nilda. Conversas em redes e pesquisas com cotidianos: a força das multiplicidades acasos, encontros, experiências e amizades. In:. RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (Orgs.). Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018, p. 41-65.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Foucault revoluciona a pesquisa em educação? Perspectiva, Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 371-389, jul./dez. 2003. Disponível em: <https://bit.ly/2yhPafM>. Acesso em: 7 abr. 2019.

GUTIERREZ, Suzana de Souza. A etnografia virtual na pesquisa de abordagem dialética em redes sociais on-line. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 32., 2009, Caxambu. Anais... Caxambu: Espaço Livre, 2009, 16p.

MEYER, Dagmar Estermann. Abordagens pós-estruturalistas de pesquisa na interface educação, saúde e gênero: perspectiva metodológica. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. 2. Ed. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014, p. 49-63.

LEMOS, André; LÉVY, Pierre. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.

MEDRADO, Benedito; LYRA, Jorge. Por uma matriz feminista de gênero para os estudos sobre homens e masculinidades. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 809-840, set./dez. 2008. Disponível em: <https://bit.ly/2LNAopD>. Acesso em: 11 jul. 2019.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 9-42, 2000. Disponível em: <https://bit.ly/2Y0A9ik>. acesso em: 23 jul. 2019.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégicas analíticas. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. 2. Ed. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014, p. 25-47.

RALEIRAS, Mónica Sofia Costa. Identidade, Internet e Subjectivação: Os sites de redes sociais. 2009. 104 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) - Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2009.

SAMPAIO, Carmen Sanches; RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de. Conversa como metodologia de pesquisa: uma metodologia menor? In: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (Orgs.). Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018, p. 21-40.

SANTAELLA, Lucia. Intersubjetividade nas redes digitais: repercussões na educação. In: PRIMO, Alex. (Org.). Interações em rede. Porto Alegre: Editora Sulina, 2013, p. 33-47.

SANTOS, Edméa; CARVALHO, Felipe da Silva Ponte de. Autorias partilhadas na interface cidade-redes digitais. Interfaces Científicas – Educação, Aracaju, v. 6, n. 3, p. 29-40, jun. 2018. Disponível em: <https://bit.ly/2MQHAOF>. Acesso em: 20 jul. 2018.

SKLIAR, Carlos. Elogio à conversa (em forma de convite à leitura). In.: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (Orgs.) Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018, p. 11-13.

SILVA JUNIOR, Paulo Melgaço; BRITO, Leandro Teofilo. Masculinidades performativas no contexto escolar: entre regulações, tensões e subversões. Áskesis, São Carlos, v. 7, n. 1, p. 26-38, 2018. Disponível em: <https://bit.ly/2yOboHG>. Acesso em: 3 nov. 2018.

ZAGO, Luiz Felipe. Pornotopias - espaço, mídias e sexualidade. Revista E-Compós, Brasília, v. 19, n. 3, p. 1-18, set./dez. 2016. Disponível em: <https://bit.ly/32MY0Rl>. Acesso em: 24 jul. 2019.

ZAGO, Luiz Felipe. Masculinidades disponíveis.com: sobre como dizer-se homem gay na internet. 2009. 227f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

Publicado
2020-04-23
Como Citar
Ruani, R. M., Couto Junior, D. R., & Amaro, I. (2020). A CONVERSA ONLINE COMO PROCEDIMENTO METODOLÓGICO NA PESQUISA COM MASCULINIDADES DISSIDENTES NA CIBERCULTURA: NOTAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS. Interfaces Científicas - Educação, 8(2), 205-218. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n2p205-218
Seção
Dossiê