RISCOS SOCIOAMBIENTAIS DO BENEFICIAMENTO DA CASTANHA DE CAJU NO POVOADO CARRILHO-SE

DOI:

https://doi.org/10.17564/2316-3798.2016v4n2p9-18

Autores

  • Carolina Seixas da Rocha Engenheira Ambiental, Universidade Tiradentes; Estudante de graduação, Bolsista Pibic, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Sergipe.
  • Katiane dos Santos Costa Estudante de graduação, Bolsista Fapitec, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Sergipe.
  • Zenith Nara Costa Delabrida Doutora em Psicologia; Professora Adjunta IV, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Sergipe
  • Joelma Santos Araújo Estudante de graduação, Bolsista PibicVol, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Sergipe
  • Lucas Ribeiro Rocha Estudante de graduação, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Sergipe.

Publicado

2016-02-29

Downloads

Edição

Seção

Artigos

Resumo

 Esta pesquisa teve como objetivo principal apresentar um

levantamento das queixas dos moradores do povoado Carrilho

em relação à saúde. Nesse sentido, foi realizada uma

pesquisa de cunho exploratório-descritivo, optando-se

por uma metodologia qualitativa conjugadaa uma quantitativa.

Inicialmente, foi realizada a observação direta das

etapas do beneficiamento, as quais foram documentadas

nos diários de campo. Já para documentar as queixas de

saúde, foram feitas entrevistas com duas agentes de saúde

da comunidade e onze idosos que relataram as doenças

mais comuns no povoado. Também foram aplicados

questionários a respeito das queixas de saúde com 44

moradores, sendo a maioria do sexo feminino (86,4%).

Desse total, 77,5% trabalham com o beneficiamento da

castanha e apenas 22,7% possuem outras atividades. As

queixas mais citadas pelos entrevistados foram “dor na

coluna” (84,1%) e “dor de cabeça” (75%). Em ambas, os

participantes especificaram que a dor se mantinha mesmo

depois do período de labor. O uso regular de fármacos

para o tratamento de doenças crônicas não transmissíveis

foi exposto por 22 sujeitos, sendo a doença mais citada a

Pressão Alta (31,8%), seguida das doenças respiratórias

crônicas (29,5%). Concluiu-se que a atividade de beneficiamento

da castanha, tal qual é realizada no povoado

Carrilho, pode expora comunidade a uma situação de risco

socioambiental, uma vez que parece ser realizada em

um ambiente insalubre e impróprio para o bem-estar dos

seus trabalhadores, mas não é claro a sua relação com os

acometimentos de saúde relatados.

Como Citar

Rocha, C. S. da, Costa, K. dos S., Delabrida, Z. N. C., Araújo, J. S., & Rocha, L. R. (2016). RISCOS SOCIOAMBIENTAIS DO BENEFICIAMENTO DA CASTANHA DE CAJU NO POVOADO CARRILHO-SE. Interfaces Científicas - Saúde E Ambiente, 4(2), 9–18. https://doi.org/10.17564/2316-3798.2016v4n2p9-18