INFANT AND MATERNAL DEATHS IN BRAZIL: A 10-YEAR ANALYSIS OF PREGNANCY IN ADOLESCENCE

DOI:

https://doi.org/10.17564/2316-3798.2022v9n1p116-130

Autores

  • Cláudia Bispo Martins-Santos Universidade Federal de Sergipe
  • Maria Tamires Oliveira Santana Medical student, Federal University of Sergipe, Aracaju – Sergipe
  • Carla Viviane Freitas de Jesus Nurse, PhD in Health and Environment, Tiradentes University – UNIT/SE, Aracaju – Sergipe

Publicado

2022-06-06

Downloads

Edição

Seção

Artigos

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar o perfil epidemiológico das mortes infantis e maternas adolescentes entre 2010 e 2019, no Brasil. Trata-se de um estudo descritivo, quantitativo, a partir de dados referentes aos nascimentos e aos óbitos infantis e maternos de mães adolescentes (entre dez e 19 anos), do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde entre os anos de 2010 a 2019. Na análise dos nascidos vivos, as mães encontravam-se, em sua maioria, solteiras, haviam comparecido a sete ou mais consultas pré-natais, e tinham oito a 11 anos de instrução. Em geral, os infantes nasciam a termo, por via vaginal, e eram pardos. Os óbitos infantis predominaram na fase neonatal precoce. Já as mortes maternas, na faixa etária entre 15 e 19 anos, e a causa obstétrica direta foi o principal motivo do óbito. Não foi possível afirmar que ocorreu decaimento do coeficiente de mortalidade infantil. Verificou-se comportamento linear da razão de mortalidade materna no período estudado. Faz-se necessária a adoção de medidas educacionais para prevenção da gestação na adolescência, a qual constitui um grande desafio para os formuladores e gestores de políticas públicas do País.

Como Citar

Martins-Santos, C. B., Oliveira Santana, M. T. ., & Freitas de Jesus, C. V. . (2022). INFANT AND MATERNAL DEATHS IN BRAZIL: A 10-YEAR ANALYSIS OF PREGNANCY IN ADOLESCENCE. Interfaces Científicas - Saúde E Ambiente, 9(1), 116–130. https://doi.org/10.17564/2316-3798.2022v9n1p116-130