Aplicação do Exoma nas Imunodeficiências Primárias

  • Arthur Bruno Silva Gomes Graduando do curso de Medicina pelo Centro Universitário Tiradentes - UNIT/AL
  • Tarcísio Fernando Honorio Silva Graduando do curso de Medicina pelo Centro Universitário Tiradentes - UNIT/AL
  • Sabrina Furtunato Oliveira Graduanda do curso de Medicina pelo Centro Universitário Tiradentes - UNIT/AL: Sabrina Furtunato de Oliveira
  • Joel Domingos Da Silva Neto Graduando do curso de Medicina pelo Centro Universitário Tiradentes - UNIT/AL
  • Jaim Simões de Oliveira Curso de Medicina. Professor Titular do Centro Universitário Tiradentes (UNIT/AL)
Palavras-chave: Exoma. Imunodeficiência Primária.Imunidade Inata. Interferon. Padrões de Herança

Resumo

Face ao progresso da ciência e ao comprometimento de patologias, o Exoma fundamenta-se no sequenciamento gênico, com o propósito de diagnosticar erros e definir a causa das moléstias, mediante à heterogeneidade genética, aliada à quantificação das heranças, possibilitando o melhor prognóstico clínico, ou como identificador de tratamentos potenciais, além da capacidade de antecipar agravos e comorbidades, como é via do aconselhamento genético familiar. Não obstante, sua aplicação é restringida pelo valor agregado e pelas análises bioinformáticas avançadas. Trata-se de uma revisão integrativa, na qual se realizaram pesquisas nos portais eletrônicos: na BVS, no Scielo e no PUBMED, tendo como critério de inclusão artigos, publicados no período de 2014 a 2019. Este estudo evidenciou o sequenciamento completo do exoma como uma das avaliações diagnósticas laboratoriais mais precisas para as doenças genéticas, resultantes de mutações, como foco nas imunodeficiências primárias. Em suma, o sequenciamento insere-se na Medicina de Precisão, pois se aplica com eficácia a saúde pública, isto porque diminui o adoecimento, as despesas, mantendo caráter preditivo, preventivo, personalizado, além de valorizar o participativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Associação Brasileira de Alergia e Imunologia. Disponível em: http://aaai-asbai.org.br/. Acesso em: 09 de dezembro de 2019

Bhat MY, Solanki HS, Advani J, Khan AA, Keshava Prasad TS, Gowda H, et al. . Mapa de rede abrangente de sinalização interferon gama. J Cell Commun Signal. (2018) 12: 745–51. 10.1007 / s12079-018-0486-y

BUSTAMANTE, J.; BOISSON-DUPUIS, S.; ABEL, L.; CASANOVA, J.L. Susceptibilidade mendeliana a micobactérias doença: características genéticas, imunológicas e clínicas de erros inatos da imunidade a IFN-γ. Semin Immunol 26: 454-470; doi: 10.1016 / j.smim.2014.09.008, 2014.

CARAGOL, I.; CASANOVA, J.L. (2003). Distúrbios hereditários do eixo Interleucina-12 / Interferon-gama: predisposição Mendeliana à doença micobacteriana no homem Inmunología, 22, 263-276, 2003.

CANDOTTI, F. Manifestações clínicas e mecanismos fisiopatológicos da síndrome de Wiskott-Aldrich. J Clinical Immunolo, v. 38, n.1, p. 1–15, 2017.

CIANCANELLI, M.J. et al. Genética do hospedeiro da influenza grave: do Mx1 de camundongo ao IRF7 humano. Curr Opin Immunolo. v. 38, n. 1, p 109–120, 2016.

Drutman et al (2019) Mutação do ganho de função do NLRP1 homozigoto em irmãos com uma forma sindrômica de papilomatose respiratória recorrente. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31484767. Acesso em: 08 de dezembro de 2019.

HEIMALL, J. R., et al. Use of Genetic Testing for Primary Immunodeficiency Patients. Journal of Clinical Immunology. v. 38, n. 3, p. 320–329, 2018.

PICARD, C., et al. União Internacional das Sociedades Imunológicas: Relatório do Comitê de Doenças Primárias de Imunodeficiência sobre erros inatos da imunidade. J Clin Immunol. v. 38, n. 1, p. 96–128, 2018.

POULTER, N.S., et al. Os nódulos de actina plaquetária são estruturas do tipo podossomo dependentes da proteína da síndrome de Wiskott-Aldrich e do complexo ARP2 / 3. Nat Commun. v. 6, n. 1, 2015.

RETTERER, K., Clinical application of whole-exome sequencing across clinical indications. Genet Med. v. 18, n. 1, p.696–704, 2016.

SUAVINHO, É.; NÁPOLIS, A. C. R; SEGUNDO, G. R. Investigação de imunodeficiências primárias em pacientes durante e após hospitalização em uma Unidade de Terapia Intensiva pediátrica. Rev Paul Pediatra, v. 32, n. 1, p. 32-36, 2014

THOMSEN, M. M., et al. Defective interferon priming and impaired antiviral responses in a patient with an IRF7 variant and severe influenza. Med Microbiol Immunol. https://doi.org/10.1007/s00430-019-00623-8, 2019.

VOGT, G., et al. Os ganhos de glicosilação compreendem um grupo inesperadamente grande de mutações patogênicas. Nat Genet. v. 37, n.1, p. : 692-700, 2005.

VOGT, G., et al. Complementação de uma mutação patogênica de IFNGR2 com dobramento com modificadores de N-glicosilação. J Exp Med.v. 205, n. 1, p.: 1729–1737, 2008.

VERMA, R., et al. (2017). Análise quantitativa proteômica e fosfoproteômica de cepas H37Ra e H37Rv de Mycobacterium tuberculosis. Journal of Proteome Research. v. 16, n. 1, p. 1632-1645, 2017.

ZATZ, MAYANA. Projeto genoma humano e ética. São Paulo Perspect. São Paulo, v.14, n.3, p.47-52, July 2000. Disponível em: htpps://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392000000300009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 04 Nov. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392000000300009.

MEYTS, et al. Exome and genome sequencing for inborn errors of immunity. The Journal of clinical immunology and allergy. v. 138, n. 4p. 957-969, 2016doi: 10.1016/j.jaci.2016.08.003. Acesso em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5074686/.

Publicado
2020-04-13
Como Citar
Gomes, A. B. S., Silva, T. F. H., Oliveira, S. F., Neto, J. D. D. S., & Oliveira, J. S. de. (2020). Aplicação do Exoma nas Imunodeficiências Primárias. Caderno De Graduação - Ciências Biológicas E Da Saúde - UNIT - ALAGOAS, 6(1), 131. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitsbiosaude/article/view/8238
Seção
Artigos