CONSUMO DO GRUPO FVL POR ALUNOS DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESCOLAR DE UM CAMPUS DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

  • Marjoryê Lima Belchior CENTRO UNIVERSITÁRIO TIRADENTES http://orcid.org/0000-0002-7081-0821
  • Débora Nídia Santos Lins CENTRO UNIVERSITÁRIO TIRADENTES
  • RAPHAELA COSTA FERREIRA CENTRO UNIVERSITÁRIO TIRADENTES
Palavras-chave: Alimentação saudável. Frutas. Verduras. Legumes.

Resumo

Nos primeiros anos de vida, para que uma criança tenha um desenvolvimento e crescimento apropriado, é essencial uma alimentação qualitativa e quantitativamente adequada, pois ela proporciona ao organismo a energia e os nutrientes necessários para o bom desempenho de suas funções e para a manutenção da saúde. Como estratégia de prevenção de doenças crônicas não-transmissíveis, a OMS e o Ministério da Saúde do Brasil recomendam a ingestão diária de pelo menos 3 porções de verduras e legumes como parte das refeições e 3 porções ou mais porções de frutas nas sobremesas e lanches, como consta nos “Dez passos para uma alimentação saudável” do Ministério da Saúde. O presente estudo teve como objetivo avaliar a prevalência do consumo diário de frutas, legumes e verduras dos estudantes beneficiários do Auxílio Alimentação da Política de Assistência Estudantil e executado pelo Programa de Alimentação e Nutrição Escolar do Instituto Federal de Alagoas. Trata-se de um estudo descritivo de abordagem quantitativa, a frequência de consumo dos alimentos foi categorizada em adequada e não adequada através da aplicação do questionário de frequência alimentar. Participaram do estudo 100 estudantes, a maioria do sexo masculino, com faixa etária de 14 a 19 anos. A maior parte dos adolescentes apresentou consumo inadequado de frutas e de legumes/verduras, com maior inadequação para estes últimos. conclui-se que os adolescentes têm ingestão insuficiente de FLV e, especificamente quanto a verduras e legumes, verifica-se diminuição do consumo conforme aumenta a idade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marjoryê Lima Belchior, CENTRO UNIVERSITÁRIO TIRADENTES
Nutrição - Área das Ciências e Saúde
Débora Nídia Santos Lins, CENTRO UNIVERSITÁRIO TIRADENTES
Nutrição - Área das Ciências e Saúde
RAPHAELA COSTA FERREIRA, CENTRO UNIVERSITÁRIO TIRADENTES
Nutrição - Área das Ciências e Saúde

Referências

Bigio RS. Consumo de frutas, legumes e verduras: relação com os níveis sanguíneos de homocisteína entre adolescentes. Rev Saúde Pública. São Paulo, Ago. 2011 .Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6138/tde-14092011-100337/en.php>. Acesso em: 01 Dezembro 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. 156 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução Nº 54/CS, de 23 DE dezembro de 2013. Aprova o Regulamento da Política de Assistência Estudantil do Instituto Federal de Alagoas – IFAL. Regimento Interno do Conselho, Seção V, Programa de Alimentação e Nutrição Escolar, dez. 2013.

CARVALHAES, M. A. de B. L.; BENÍCIO, M. H. D’A. Capacidade materna de cuidar e desnutrição infantil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 188-197, abr. 2002. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/26344798_Capacidade_materna_de_cuidar_e_desnutricao_infantil>. Acesso em: 01 Dezembro 2018.

Castro IRR, Cardoso LO, Engstrom EM, Levy RB, Monteiro CA. Vigilância de fatores de risco para doenças não transmissíveis entre adolescentes: a experiência da cAge do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro. Oct. 2008; 24 (10): 2279-88.

LEÃO, E. Pediatria ambulatorial. 4. ed. Belo Horizonte: COOPMED, 2005. 1034 p.

MELLO, V.D; LAAKSONEN, D.E. Fibras na dieta: tendências atuais e benefícios à saúde na síndrome metabólica e no diabetes melito tipo 2.Arq.Bras.Endocrinol.Metab. v.53, n.5, 2009.

PHILIPPI, S. T.; CRUZI, A. T. R.; COLUCCI, A. C. A. Pirâmide alimentar para crianças de 2 a 3 anos. Revista de Nutrição, Campinas, v. 16, n. 1, p. 5-19, jan./mar. 2003. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/rn/v16n1/a01v16n1.pdf>. Acesso em: 30 Novembro 2018.

RODRIGUES, Lívia P.F.; RONCADA, Maria J. Educação nutricional no Brasil: evolução e descri-ção de proposta metodológica para escolares. Comunicação e Ciências da Saúde, Brasília, v. 19, n. 4, p. 319-322, 2008. Disponível em:< http://www.dominioprovisorio.net.br/pesquisa/revista/2008Vol19_4art04educacaonutr icional.pdf> acesso em: 24 nov. 2012.

TORAL, N. Estágios de mudança de comportamento e sua relação com o consumo alimentar de adolescentes. Rev Saúde Pública. São Paulo, 2006. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6133/tde-10052006-160248/en.php>. Acesso em: 01 Dezembro 2018.

VALENTE, Flávio Luiz Schieck. Alimentação escolar. São Paulo, Cortez, 2002.

WHO/FAO. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases: report of a joint WHO/FAO expert consultation, Geneva, 28 January - 1 February 2002. Geneva: WHO/FAO, 2003. (WHO Technical Report Series 916). Disponível em: <http://www.fao.org/documents/show_cdr.asp?url_file=// DOCREP/005/AC911E/AC911E00.HTM>. Acesso em: 01 Dezembro 2018.

XIMENES, R. et al. Hábitos alimentares de uma populção de adolescentes. Odontologia Clínico Científica, Recife, 5 (4), 2006. Disponível em:<http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=ADOLEC&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=509901&indexSearch=ID>. Acesso em: 01 Dezembro de 2018.

Publicado
2020-11-08
Como Citar
Belchior, M. L., Santos Lins, D. N., & FERREIRA, R. C. (2020). CONSUMO DO GRUPO FVL POR ALUNOS DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESCOLAR DE UM CAMPUS DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS. Caderno De Graduação - Ciências Biológicas E Da Saúde - UNIT - ALAGOAS, 6(2), 32. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitsbiosaude/article/view/7079
Seção
Artigos