ESQUIZOFRENIA E TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL: UM ESTUDO DE REVISÃO NARRATIVA

  • Andressa Pereira Lopes FITs
  • Girlene Santos da Mota
  • Maria Jeane da Silva
Palavras-chave: Esquizofrenia. Terapia Cognitivo-Comportamental. Contribuições da TCC.

Resumo

A presente pesquisa teve por objetivo apresentar as contribuições da Terapia Cogni-tivo-Comportamental (TCC) de Aaron Beck no tratamento da esquizofrenia. Trata-se de uma revisão de literatura narrativa, realizada a partir de artigos científicos, livros e dissertações. A esquizofrenia é um transtorno mental grave no qual o paciente apre-senta disfunções cognitivas, emocionais e comportamentais, e a TCC, uma terapêu-tica psicossocial que trabalha focando na interação entre pensamento, emoção e comportamento. No tratamento da esquizofrenia, a TCC busca reduzir os sintomas, ensinando o paciente a analisar, enfrentar e mudar pensamentos e crenças disfuncionais, melhorando a qualidade de vida. Evidenciou-se que a TCC é capaz de reduzir delírios, alucinações, sintomas negativos e a probabilidade de recaída, sendo também eficaz no tratamento da família do paciente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE PSIQUIATRIA – APA. Manual Diagnóstico e Esta-tístico de Transtornos Mentais – DSM- 5. 5. ed. Trad. Maria Inês Corrêa Nascimento et al. Porto Alegre: Artmed, 2014.

BARRETO E. Terapia cognitiva da esquizofrenia. In: NARDI, A. E.; QUEVEDO, J.; SILVA, A. G. (Org.) Esquizofrenia: teoria e clínica. Porto alegre: Artmed, 2015. cap. 4. p. 183-190.

BARRETO, E. M. P; ELKIS, H. Evidências de eficácia da terapia cognitiva compor-tamental na esquizofrenia. Rev. Psiq. Clín. 2007. Disponível em: . Acesso em: 14 Set. 2016

BECK, A.T. et al. Terapia Cognitiva da Esquizofrenia. Porto Alegre: Artmed, 2010.

BECK, J. S. Terapia cognitivo-comportamental: teoria e prática. 2. ed. Porto Ale-gre: Artmed, 2013.

CÂNDIDA, M. et al .Cognitive-behavioral therapy for schizophrenia: an overview on efficacy, recent trends and neurobiological findings. Medical Express. São Paulo, v. 3, n. 5, out. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php? >. Acesso em: 04 Fev. 2017.

CHAVES, A. C. Diferenças entre os sexos na esquizofrenia. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 22, supl. 1, p. 21-22, Maio. 2000. Disponível <http://www.scielo. br/scielo.php? >. Acesso em: 10 Abr. 2017.

CORDIOLI, A. V.; KNAPP P. A terapia cognitivo-comportamental no tratamento de transtornos mentais. Rev. Bras. Psiquiatr. p. 51-53, 2008. Disponível em: Acesso em: 15 Set. 2016.

CZEPIELEWSKI, L. S. Trajetórias de Transtornos Mentais Graves: Contribuições da Pesquisa em Esquizofrenia. 2016. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina: Programa de pós-graduação em psiqui-atria e ciências do comportamento. Disponível em:< http://www.lume.ufrgs.br/handl e/10183/150739> Acesso em: 10 Mar. 2017.

ELKIS, H. O conceito da esquizofrenia. In: NOTO, C. S.; BRESSAN R. A. Esquizo-frenia: Avanços no tratamento multidisciplinar. 2 ed. Porto alegre: Artmed, 2012. P. 19-31.

GIRALDI, A.; CAMPOLIM, S. Novas abordagens para esquizofrenia. Cienc. Cult., São Paulo, v. 66, n. 2, Jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 Abr. 2017.

KNAPP, P et al. Princípios fundamentais da terapia cognitiva. In:______. Terapia cognitivo-comportamental na prática psiquiátrica. Porto Alegre: Artmed, 2004. cap.1. p. 19-40.

KNAPP, P.; BECK, A. T. Fundamentos, modelos conceituais, aplicações e pesquisa da terapia cognitiva. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 30, supl. 2, p. s54-s64, Out. 2008 . Disponível em: <http://www.scielo.br/ scielo.php?>. Acesso em: 08 Abr. 2017.

LOUZÃ NETO, M. R.; ELKIS H. Psiquiatria básica. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

MARI, J. J. LEITÃO, R. J. A epidemiologia da esquizofrenia. Rev. Bras. Psiquiatria 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php? > Acesso em: 06 Out. 2016.

MORRISON, A. P. et al. Cognitive therapy for the prevention of psychosis in people at ultra-high risk: randomised controlled trial. The British Journal of Psychiatry, 185,291-297. Disponível em: <:http://dx.doi.org/10.1192/bjp.185.4.291> Acesso em: 15 Abr. 2017.

NETO, A. G. A.; BRESSAN, R. A.; FILHO, G. B. Fisiopatologia da esquizofrenia: as-pectos atuais. Rev. psiquiatr. São Paulo, v. 34, supl. 2, p. 198-203, 2007. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php? >. Acesso em: 09 Set. 2016.

NEUFELD, C. B.; CAVENAGE, C. C. Conceitualização cognitiva de caso: uma pro-posta de sistematização a partir da prática clínica e da formação de terapeutas cog-nitivo-comportamentais. Rev. bras. ter. cogn., Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 3-36, dez. 2010. Disponível: em <http://pepsic.bvsalud. org/scielo.php? >. Acesso em: 08 Abr. 2017.

OLIVEIRA, S. M. Modelos reducionista e multinível na esquizofrenia: alcances e limites. Rev. Latino am. Psicopat. Fund., São Paulo, 18(4), 743-757, dez. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php? >. Acesso em: 14 Set. 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Relatório sobre a saúde no mundo: Saú-de Mental: nova concepção, nova esperança. Geneva: OMS, 2001.

PADESKY, C. A. Aaron T. BECK: A mente, o homem e o mentor. In: LEAHY, R. L et al. Terapia cognitiva contemporânea: teoria, pesquisa e prática. Porto Alegre: Ar-tmed, 2010. Cap. 1, p. 19-38.

PERKINS, D. O.; LIEBERMAN, J. A. Epidemiologia e história natural. In: ______ Fundamentos da esquizofrenia. Porto Alegre: Artmed, 2013. p. 17-25.

PINKHAM, et al. Prejuízos social e funcional. In. LIEBERMAN, J. A.; STROUP, T. S.; PERKINS, D. O. Fundamentos da esquizofrenia. Porto Alegre: Artmed, 2013. p. 109-146.

RODRIGUES, G. A. Estudos sobre Intervenção Familiar na Esquizofrenia: sub-sídios para sua implantação nos centros de atenção psicossocial. Tese (Douto-rado) – Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP). Rio de Janeiro, s. n. 2008. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/4580 Acesso em: 04 Abr. 2017.

RODRIGUES, M. G. A.; KRAUSS-SILVA, L.; MARTINS, A. C. M. Meta-análise de ensaios clínicos de intervenção familiar na condição esquizofrenia. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 24, n. 10, p. 2203-2218, Out. 2008 . Disponível em: . Acesso em: 11 Abr. 2017.

SADOCK, B. G.; SADOCK V. A. Compêndio de Psiquiatria: ciências do comporta-mento e psiquiatria clínica. 9. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

SCAZUFCA, M. Abordagem familiar em esquizofrenia. Rev. Bras. Psiquiatria, 2000. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n10/02.pdf>. Acesso em: 15 Abr. 2017.

SENSKY, T. et al. A randomized controlled trial of cognitive-behavioral therapy for persistent symptoms in schizophrenia resistant to medication. Arch Gen Psychiatry, vol. 57, Fev. 2000. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/ 1066 561 9& prev=search>. Acesso em: 15 Abril 2017.

SILVA, R. C. B. da. Esquizofrenia: uma revisão. Psicologia USP, 2006, 17(4), 263-285. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php? > Acesso em: 04 Set. 2016.

SILVA, R. C. B. da; PADOVANI, R. da C.; NEVES, M. O. O delírio na perspectiva das neurociências e da terapia cognitiva. Rev. bras. ter. cogn. Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 2-6, jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 07 Mar. 2017.

SOUZA, I. C. W.; CANDIDO, C. F. G. Diagnóstico psicológico e terapia cognitiva:

considerações atuais. Rev. bras. ter. cogn., Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 82-93, nov. 2009 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php? >. Acesso em: 08 Abr. 2017.

VALENÇA, A.; NARDI, A. E. M. Histórico do conceito de esquizofrenia. In: ______ Esquizofrenia: teoria e clínica. Porto alegre: Artmed, 2015. cap. 1. p. 17-24.

WRIGHT, J. H. et al. Terapia Cognitivo-Comportamental para Doenças Mentais Graves. Porto Alegre: Artmed, 2010.

ZIMMER, M. et al. Estudo controlado randomizado de 12 semanas do programa cognitivo-comportamental IPT ( Terapia Psicológica Integrada) com efeito positivo em funcionamento social em pacientes com esquizofrenia. In: ______Avaliação de um programa de terapia cognitivo-comportamental para pacientes com esqui-zofrenia. 2006. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Médicas: Psiquiatria, Porto Alegre, BR-RS, 2006. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/846> Acesso em: 10 Set. 2016.

Publicado
2018-02-15
Como Citar
Lopes, A. P., da Mota, G. S., & da Silva, M. J. (2018). ESQUIZOFRENIA E TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL: UM ESTUDO DE REVISÃO NARRATIVA. Caderno De Graduação - Ciências Biológicas E Da Saúde - UNIT - ALAGOAS, 4(2), 371. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitsbiosaude/article/view/4577
Seção
Artigos