ATENÇÃO MULTIDISCIPLINAR ATRAVÉS DO CONSULTÓRIO NA RUA

  • Meriely Alves Diniz Medeiros Centro Universitário Tiradentes
  • Mickalle Cynthya Paixão Centro Universitário Tiradentes (UNIT)
  • Lays Nogueira MIranda Centro Universitário Tiradentes
Palavras-chave: Consultório na rua. Pessoas em situação de rua, Assistência à saúde.

Resumo

O objetivo deste trabalho visa identificar a produção científica a nível nacional sobre a atenção multidisciplinar através das equipes de consultório na rua. Metodologia: Trata-se de um estudo de revisão integrativa realizado no período de abril a maio de 2017, por meio das bases de dados MEDLINE, LILACS e BDENF. Resultados: Em sua totalidade foram localizados 12 estudos, apresentando características sobre a assistência multidisciplinar à saúde através das equipes de consultório na rua. Nos trabalhos analisados, observa-se os inúmeros desafios para a efetividade da atenção são pontos de gatilho para a implementação de práticas de cuidado que deem suporte à pessoa em situação de vulnerabilidade. Sobre esta perspectiva, surge as equipes de Consultório na Rua, apresentando-se como um dispositivo para além do modelo biomédico. Conclusão: Destaca-se, que as práticas de cuidado em saúde voltadas para à população em situação de rua e/ou vulnerabilidade, apresenta desafios, possibilidades e resiliência para a efetivação do acolhimento e continuidade dos laços criados no espaço da rua no que se diz respeito o ato de cuidar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Meriely Alves Diniz Medeiros, Centro Universitário Tiradentes
Acadêmica de Enfermagem do Centro Universitário Tiradentes
Mickalle Cynthya Paixão, Centro Universitário Tiradentes (UNIT)
Acadêmica de Enfermagem do Centro Universitário Tiradentes
Lays Nogueira MIranda, Centro Universitário Tiradentes
Enfermeira, Mestra em Enfermagem e Especialista em Terapia Intensiva

Referências

AGUIAR, Maria Magalhães and IRIART, Jorge Alberto Bernstein. Significados e práticas de saúde e doença entre a população em situação de rua em Salvador, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. vol.28, n.1, pp.115-124, 2012. ISSN 1678-4464. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000100012.

ARAUJO, A.S.; MOTA, L.M. Uma alternativa do passado com futuro: hipodermóclise, uma revisão integrativa. Interfaces Científicas – Saúde e Meio Ambiente – Aracajú, Jun. 2014, v. 2, n. 3, p. 45-51. Disponível em: < https://periodicos.set.edu.br/index.php/saude/article/view/1436>. Acesso em: 12 Abr. 2017.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual sobre o cuidado à saúde junto a população em situação de rua / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 98 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

COSTA, Samira Lima da et al. Gestantes em situação de rua no município de Santos, SP: reflexões e desafios para as políticas públicas. Saúde soc. [online]. 2015, vol.24, n.3, pp.1089-1102. ISSN 0104-1290. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902015134769.

Decreto nº 7.053 de 23 de Dezembro de 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dezembro de 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D7053.htm>. Acesso em: 12 Abr. 2017.

DE LIMA, Helizett Santos; SEIDL, Eliane Maria Fleury. Consultório na rua: atenção a pessoas em uso de substâncias psicoativas. Psicologia em Estudo, v. 20, n. 1, p. 57-69, 2015.

ENGSTROM, Elyne Montenegro; TEIXEIRA, Mirna Barros. Equipe “Consultório na Rua” de Manguinhos, Rio de Janeiro, Brasil: práticas de cuidado e promoção da saúde em um território vulnerável. Ciênc. saúde coletiva, v. 21, n. 6, p. 1839-1848, 2016.

FERRAZ DE ARAÚJO ALECRIM, Tatiana et al. Experiência dos profissionais de saúde no cuidado da pessoa com tuberculose em situação de rua. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 50, n. 5, 2016.

FERREIRA, R.A.et al. Spatial analysis of the social vulnerability of adolescent pregnancy. Cad. S. Púb., Rio de Janeiro, vol. 28, n.2, p. 313-323, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2012000200010>. Acesso em: 12 Abr. 2017.

GARUZI, M. et al. User embracement in the Family Health Strategy in Brazil: an integrative review. Rev. Pan. de Salud Publica-pan American Journal of Public Health. Washington: Pan Amer Health Organization, v. 35, n. 2, p. 144-149, 2014. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/111489>. Acesso em: 12 Abr. 2017.

HALLAIS, Janaína Alves da Silveira; BARROS, Nelson Filice de. Consultório na rua: visibilidades, invisibilidades e hipervisibilidade. Cad. Saúde Pública, p. 1497-1504, 2015. Disponível em: <http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_consultorio_rua.php>. Acesso em: 12 Abr. 2017.

LONDERO, Mário Francis Petry; CECCIM, Ricardo Burg; BILIBIO, Luiz Fernando Silva. Consultório de/na rua: desafio para um cuidado em verso na saúde. Interface: comunicação, saúde, educação. Botucatu. Vol. 18, n. 49 (abr./jun. 2014), p. 251-260, 2014.

MACERATA, Iacã Machado. Experiência POP RUA: Implementação do “Saúde em Movimento nas Ruas” no Rio de Janeiro, um Dispositivo Clínico/Político na Rede de Saúde do Rio de Janeiro. Revista Polis e Psique, v. 3, n. 2, p. 207-219, 2013.

MINISTÉIO DA SAÚDE. Coordenação Nacional de Saúde Mental. Consultórios de Rua do SUS de trabalho para a II Oficina Nacional de Consultórios de Rua do SUS. Ministério da Saúde/EPJN-FIOCRUZ: Brasília, DF, p. 48, 2010.

PACHECO, Maria Eniana Araújo Gomes. Public policy and capital social: the Projeto Consultório de Rua. Fractal: Revista de Psicologia, v. 26, n. 1, p. 43-58, 2014.

DA SILVA, Carolina Cruz; MARQUES DA CRUZ, Marly; PORTES VARGAS, Eliane. Práticas de cuidado e população em situação de rua: o caso do Consultório na Rua. Saúde em Debate, v. 39, 2015.

SILVA, Felicielle Perreira da. As práticas de saúde das equipes dos consultórios de rua, n.1, p. 12-90, 2013.

SILVA, D.S.D. et al. Depressão e risco de suicídio entre profissionais de Enfermagem: revisão integrativa. RevEscEnferm USP. 2015; Vol. 49, n. 6, p. 1027-1036. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62342015000601023&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 20 Jan. 2017.

SOARES, CB et al. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Rev. Esc.Enferm. USP, 2014. Vol. 48, n. 2, pag. 335-345.Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62342014000200335&script=sci_arttext&tlng=pt>. Acesso em: 11Mar. 2017.

KAMI, M.T.M. et al. Saberes ideológicos e instrumentais no processo de trabalho no Consultório na Rua. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 50, n. 3, 2016. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=361046885010>. Acesso em 12 Abr. 2017.

Publicado
2018-02-15
Como Citar
Medeiros, M. A. D., Paixão, M. C., & MIranda, L. N. (2018). ATENÇÃO MULTIDISCIPLINAR ATRAVÉS DO CONSULTÓRIO NA RUA. Caderno De Graduação - Ciências Biológicas E Da Saúde - UNIT - ALAGOAS, 4(2), 283. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitsbiosaude/article/view/4558
Seção
Artigos