ANÁLISE DA LIMITAÇÃO FUNCIONAL E CARACTERIZAÇÃO DA DOR EM PACIENTES ACOMETIDOS PELO VÍRUS CHIKUNGUNYA ATENDIDOS NA UDA DR. JOSÉ LAGES FILHO EM MACEIÓ-AL.

  • Natália Vieira Santos Centro Universitário Tiradentes - UNIT
  • Jonathan Peixoto da Silva Centro Universitário Tiradentes - UNIT
  • Cesário da Silva Souza Centro Universitário Tiradentes - UNIT
  • Fábio Teixeira Monteiro Centro Universitário Tiradentes - UNIT
Palavras-chave: Fisioterapia, Chikungunya, Dor articular.

Resumo

Introdução: Pela primeira vez na história, em 2013 foi confirmada a transmissão da febre do chikungunya nas Américas no Caribe. No Brasil, a transmissão foi detectada em setembro de 2014, em Feira de Santana, localizada no estado da Bahia. No ano de 2014, foram registrados 2.772 casos no país. A doença é caracterizada por quadros de dor articular associado à febre, dor de cabeça e edema na fase aguda. Na fase crônica, a artralgia pode durar meses e até mesmo anos. Objetivo: Analisar as atividades de vida diária (AVDs), capacidade funcional e de dor em pacientes afetados pelo vírus chikungunya. Materiais e Métodos: Estudo quantitativo, de caráter observacional prospectivo. A população do estudo foi representada por indivíduos com chikungunya atendidos na Unidade Docente Assistencial (UDA) Dr. José Lages Filho em Maceió-AL. Os instrumentos de coletas foram Escala de AVDs de Lawton & Brody, Escala Multidimensional de Avaliação de Dor (EMADOR) e um questionário complementar desenvolvido pelos pesquisadores. Resultados: Foram avaliados 29 pacientes da UDA Dr. José Lages Filho, sendo a prevalência do sexo feminino (82,75%). A média de idade dos pacientes foi de 47,4 (DP=15,84) anos. Os descritos apontam uma maior incidência de dor nas articulações de tornozelos (86,20%) e punhos (82,75%) sendo os respectivos como características de cronicidade. A intensidade numérica da dor foi prevalente no período noturno e sendo caracterizada pela maioria dos pacientes como uma dor desconfortável (96,55%). O sexo masculino mostrou-se mais independente em relação a Escala da AVDs com uma média de 20,2 (DP=11,12) pontos. Considerações finais: O presente trabalho evidenciou que os indivíduos acometidos pelo vírus chikungunya são afetados nas suas atividades diárias devido ao quadro álgico articular generalizado, recorrendo a medicamentos analgésicos em excesso, porém na maioria dos estudos não foi encontrada relação das características da dor, escala numérica e fisioterapia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZEVEDO, P.S.S.; OLIVEIRA, C.S.; VASCONCELOS, P.F.C. Risco da chikungunya para o Brasil. Revista de Saúde Pública, v.49, n.58, 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Preparação e resposta à introdução do vírus Chikungunya no Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde, 2015.

_______.MINISTÉRIO DA SAÚDE. Febre de Chikungunya: manejo clínico. Secretaria de Vigilância em Saúde, 2015.

DONALISIO, M.R.; FREITAS, A.R.R. Chikungunya no Brasil: um desafio emergente. Revista Brasileira de Epidemiologia, v.18, n.1, p.283-285, 2015.

ESPOSITO, D.L.A.; FONSECA, B.A.L. Zika and chikungunya infections in Brazil: reviewing the epidemic and treatment options. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.49, n.5, p.535-536, 2016.

HARTER, K.R.; BHATT, S.; KIM, H.T.; MALLON, W.K. Chikungunya Fever in Los Angeles, California. Western Journal of Emergency Medicine, v.15, n.7, p.841-844, 2014.

HONÓRIO, N.A.; CÂMARA, D.C.P.; CALVET, G.A.; BRASIL, P. Chikungunya: uma arbovirose em estabelecimento e expansão no Brasil. Caderno de Saúde Pública, v.31, n.5, p.906-908, 2015.

JORGE, M.S.G.; WIBELINGER, L.M.; KNOB, B.; ZANIN, C. Intervenção fisioterapêutica na dor e na qualidade de vida em idosos com esclerose sistêmica. Relato de casos. Revista Dor, v.17, n.2, p.148-151, 2016.

NAPPE, T.M.; CHUHRAN, C.M.; JOHNSON, S.A. The Chikungunya vírus: Na emerging US pathogen. World Journal of Emergency Medicine, v.7, n.1, p.65-67, 2016.

SOUZA, F.F.; Pereira, L.V.; Cardoso, R.; Hortense, P. Escala Multidimensional de Avaliação de Dor (EMADOR). Revista Latino-Americana de Enfermagem, v.18, n.1, 9 telas, 2010.

Publicado
2018-02-15
Como Citar
Santos, N. V., da Silva, J. P., Souza, C. da S., & Monteiro, F. T. (2018). ANÁLISE DA LIMITAÇÃO FUNCIONAL E CARACTERIZAÇÃO DA DOR EM PACIENTES ACOMETIDOS PELO VÍRUS CHIKUNGUNYA ATENDIDOS NA UDA DR. JOSÉ LAGES FILHO EM MACEIÓ-AL. Caderno De Graduação - Ciências Biológicas E Da Saúde - UNIT - ALAGOAS, 4(2), 227. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/fitsbiosaude/article/view/4527
Seção
Artigos