IMPLICAÇÕES DO DIAGNÓSTICO TARDIO PARA O PROGNÓSTICO DO CÂNCER DE PÂNCREAS

Hendyara Oliveira Carvalho Almeida

Resumo


O câncer de pâncreas é considerado raro e representa cerca de 2% de todos os cânceres no Brasil. Em contrapartida, mesmo possuindo essa baixa incidência, apresenta alta taxa de letalidade, aproximadamente 100%, pois grande parte dos casos são diagnosticados tardiamente. Objetivou-se com este estudo identificar as implicações do diagnóstico tardio para o prognóstico do câncer de pâncreas. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, tendo como bases de dados pesquisadas: Base de Dados da Enfermagem (BDENF), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE) utilizando os descritores em português, inglês e espanhol, combinados pelo operador boleano and. Foram critérios de inclusão: ter publicação entre 2013 e 2018, no idioma português, inglês e espanhol, disponíveis de forma gratuita e com delineamento metodológico claro. Foram selecionados 13 artigos científicos, expostos em um quadro com a descrição do título, autores, ano, objetivos e resultados. Foi realizada a categorização dos resultados em: Diagnóstico Tardio do Câncer de Pâncreas X Prognóstico Global da Doença e Estratégias para Diagnóstico Precoce do Câncer de Pâncreas. Foi possível evidenciar a gravidade do câncer de pâncreas a nível mundial devido a não realização do diagnóstico precoce e agressividade da doença. Diante disto, o prognóstico é prejudicado e a sobrevida reduzida, com baixa perspectiva de melhora após a sua identificação. Logo, conclui-se que atuar na prevenção é considerada uma estratégia importante e essencial.

Texto completo:

PDF

Referências


AMICO, E. C. et al. Rápido desenvolvimento de metástases hepáticas em paciente com adenocarcinoma de pâncreas. Revista da Sociedade Brasileira de Cancerologia, v. 16, n. 54, p. 41-43, 2014.

ANTUNES, Y. P. P. V. et al. Características clínicas e de sobrevida global em pacientes oncológicos idosos num centro oncológico terciário. Einstein, v. 13, n. 4, p. 487-491, 2015.

BARBOSA, I. R. et al. Tendência das taxas de mortalidade pelas dez principais causas de óbitos por câncer no Brasil. Revista Ciência Plural, v. 2, n. 1, p. 3-16, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. ABC do câncer: abordagens básicas para o controle do câncer / Instituto Nacional de Câncer. – Rio de Janeiro: Inca, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. INCA estima cerca de 600 mil casos novos de câncer para 2018. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/agencianoticias/site/home/noticias/2018/inca-estima-cerca-600-mil-casos-novos-cancer-para-2018. Acesso em: 29 março 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Morbidade Hospitalar do Sistema Único de Saúde. 2018a. Disponível em: Acesso em: 25 mar. 2018.

BUENO, P. C.; NEVES, E. T.; RIGON, A. G. O manejo da dor em crianças com câncer: contribuições para a enfermagem. Cogitare Enfermagem, Paraná, v. 16, n. 2, p. 226-231, abr./jun., 2011.

CHIELLE, E. O.; KUIAVA, V. A. Epidemiologia do câncer de pâncreas na Região Sul do Brasil: estudo da base de dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). Revista de Atenção à Saúde, v. 16, n. 56, p. 32-39, 2018.

ESPINDOLA, L. M. D. et al. Sobrevida em dois anos de pacientes acometidos por câncer de pâncreas e os fatores associados. Arquivos Catarinenses de Medicina, v. 42, n. 2, p. 62-69, 2013.

FONSECA, A. A.; RÊGO, M. A. V. Tendência da mortalidade por câncer de pâncreas em Salvador-Brasil, 1980 a 2012. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 62, n. 1, p. 9-16, 2016.

GONZÁLEZ, J. L. G. et al. Resultados del tratamiento de 215 tumores pancreáticos y periampulares en el Hospital “Hermanos Ameijeiras”. Revista Cubana de Cirugía, v. 53, n. 2, p. 124-133, 2014.

JOOSTE, V. et al. Pancreatic cancer: Wait times from presentation to treatment and survival in a population‐based study. International Journal of Cancer, v. 139, n. 5, p. 1073-1080, 2016.

PEDROLO, E. et al. Pesquisa clínica em enfermagem: contribuições para inovação tecnológica. Revista Mineira de Enfermagem, v. 16, n. 3, p. 445-453, 2012.

PENZA, P. A. L.; MARTÍNEZ, L. R. Cáncer de páncreas. Epidemiología de su mal pronóstico. Revista Médica del Uruguay, v. 33, n. 3, p. 180-186, 2017.

REDORAT, F. S. Avaliação in vitro da inibição da atividade de proteínas RAS por derivados de quinolonas no modelo câncer pancreático humano. 2017. 70 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Biologia Molecular, Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

SCHIFFMAN, S. C. et al. A pancreatic cancer multidisciplinary clinic: insights and outcomes. Journal of Surgical Research, v. 202, n. 2, p. 246-252, 2016.

SILVA, C. O.; FORTES, R. C. Manejo nutricional em paciente cirúrgico com adenocarcinoma de pâncreas: Um relato de caso. Revista de Divulgação Científica Sena Aires, v. 6, n. 2, p. 138-142, 2017.

SOLDAN, M. Rastreamento do câncer de pâncreas. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 44, n. 2, p. 109-111, 2017.

SONG, S. et al. Diagnosis and treatment of pancreatic metastases in 22 patients: a retrospective study. World Journal of Surgical Oncology, v. 12, n. 1, p. 1-6, 2014.

USÓN JUNIOR, P. L. S. et al. Maior sobrevida global em pacientes com câncer pancreático metastático: o impacto de onde e como o tratamento é realizado. Einstein, v. 13, n. 3, p. 347-351, 2015.

VILLANUEVA, C. E. L. et al. Tendencias en la incidencia y factores de riesgo asociados al desarrollo de cáncer de páncreas: Instituto Regional de Enfermedades Neoplásicas" Dr. Luis Pinillos Ganoza"-IREN Norte. 2008-2011. Revista de Gastroenterología del Perú, v. 32, n. 2, p. 161-168, 2013.

ZENI, L. B. et al. Morbimortalidade do tratamento cirúrgico dos tumores do pâncreas. Arquivo Brasileiro de Cirurgia Digestiva, v. 27, n. 4, p. 275-279, 2014.