TRABALHANDO O “MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORME” COM O AUXÍLIO DA FERRAMENTA PLANO INCLINADO COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO

  • João Nogueira Linhares Linhares Filho Escola Municipal Monsenhor Walfredo Gurgel; Colégio Normal Francisca Mendes
Palavras-chave: Experimentação, Plano inclinado, Ensino de física.

Resumo

O presente estudo tem por objetivo avaliar a eficácia do uso do plano inclinado como ferramenta auxiliar nas aulas de física para o ensino integrado, tendo como tema “Movimento Retilíneo Uniforme” (MRU). Os instrumentos foram aplicados numa turma de ensino médio integrado do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) na cidade de Pau dos Ferros, durante uma aula de física sobre plano inclinado. Na intervenção, os alunos foram divididos em três grupos e cada um dos grupos coletou medidas a partir de um plano inclinado diferente. Com o envolvimento dos alunos em sala de aula e a partir da análise das respostas do questionário, pode-se perceber a importância que as atividades práticas têm no desenvolvimento das aulas teóricas, despertando curiosidade e interesse, uma vez que traz para a sala de aula o conteúdo de forma dinâmica e aplicado mais próximo à realidade dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES FILHO, J. P. Regras da Transposição Didática aplicadas ao laboratório didático. Caderno Catarinense de Ensino de Física, Florianópolis, v. 17, n.2, p. 174-188, 2000.

ARAÚJO, M. S. T.; ADIB, M. L. V. S.. Atividades Experimentais no Ensino de Física: Ensino e aprendizagem de conceitos científicos. Diferentes Enfoques, Diferentes Finalidades. Revista Brasileira de Ensino da Física, 25 (2), 176–194, 2003.

BAZIN, M. Three years of living science in Rio de Janeiro: learning from experience. In: Scientific Literacy Papers. Oxford: University of Oxford Department for External Studies Scientific Literacy Group, 1987. p. 67-74.

BONDIA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, v. 19, p. 20-28, 2002.

BRASIL. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GIORDAN, M. O Papel da Experimentação no Ensino de Ciências. Química Nova na Escola, v. 10, p. 43-49, 1999.

GONÇALVES FILHO, Aurelio; TOSCANO, Carlos. Física para o ensino médio. São Paulo: Scipione, 2002.

MANACORDA, M. A. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

ROSITO, B. A. O ensino de ciências e a experimentação. In: MOARES, R. Construtivismo e ensino de ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008. p. 195-208. V. 3

SERAFIM, M. C. A falácia da dicotomia teoria-prática. Revista Espaço Acadêmico, v. 1, n. 7, 2001. (Revista eletrônica).

Publicado
2020-04-15
Como Citar
Linhares Filho, J. N. L. (2020). TRABALHANDO O “MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORME” COM O AUXÍLIO DA FERRAMENTA PLANO INCLINADO COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO. Interfaces Científicas - Exatas E Tecnológicas, 4(1), 61-70. https://doi.org/10.17564/2359-4942.2020v4n1p61-70
Seção
Artigos