A RELAÇÃO MÃE-BEBÊ E A TEORIA DO APEGO DE JOHN BOWLBY EM PARCERIA COM MARY AINSWORTH FRENTE ÀS IMPLICAÇÕES NA PÓS-INFÃNCIA E NA VIDA ADULTA

  • Genilson dos Santos Centro Universitário Tiradentes
Palavras-chave: Relação mãe-bebê. Teoria do Apego. Padrões de apego.

Resumo

A Psicologia do Desenvolvimento abarca vários conceitos e teorias relativas ao complexo comportamento humano, uma vez que trata do ciclo vital desde a concepção até a senescência. Assim, o presente artigo tem o objetivo de desenvolver teoricamente uma revisão bibliográfica da temática sobre a interação mãe-bebê, tomando como base algumas teorias psicológicas, e em especial trazer informações sobre a Teoria do Apego desenvolvida por John Bowlby em parceria com Mary Ainsworth. Tomando como base a Teoria do Apego, foi apresentado os diversos padrões de apego na infância e as implicações desses padrões na fase pós-infância, na adolescência e na vida adulta, pois os padrões de apego têm uma mudança singular tendo em vista a natural mutação de visão de mundo ao longo da ascensão do ciclo de vida. Logo, para esse trabalho foi pesquisados materiais científicos relacionados à temática através de bases de dados como SciELO e PePSIC, e referenciais bibliográficos encontrados na biblioteca da UNIT. Nesse estudo, pode-se concluir que os seres humanos desenvolvem padrões comportamentais de apego por via dos seus relacionamentos ao longo da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Genilson dos Santos, Centro Universitário Tiradentes
Academico de Psicologia
Publicado
2020-09-06
Como Citar
Santos, G. dos. (2020). A RELAÇÃO MÃE-BEBÊ E A TEORIA DO APEGO DE JOHN BOWLBY EM PARCERIA COM MARY AINSWORTH FRENTE ÀS IMPLICAÇÕES NA PÓS-INFÃNCIA E NA VIDA ADULTA. Caderno De Graduação - Ciências Humanas E Sociais - UNIT - SERGIPE, 6(2), 225. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/cadernohumanas/article/view/7731
Seção
Artigos