O Direito de Estar Só - Entre a casa de vidro e a fortaleza

  • Matheus Italo Nascimento Universidade Tiradentes
Palavras-chave: Privacidade, Espionagem, Direitos Humanos, Direito Constitucional.

Resumo

Após o mundo ter tomado conhecimento dos documentos secretos divulgados por Edward Snowden e o Wikileaks, questões relacionadas ao direito à privacidade têm se tornado muito sensíveis nos mais diversos ordenamentos jurídicos, sobretudo, no que tange a definição dos limites que esse direito se submete e a quais finalidades ele deve se curvar. O jurista italiano Stefano Rodotà, traduz o conceito de direito à privacidade para o mundo contemporâneo, como o direito de controlar as informações que lhe dizem respeito, o que vem a ser bem distante da concepção original de Warren e Brandeis, que defendiam o “direito de ser deixado só”. O empreendimento de pesquisa bibliográfica qualitativa pôde constatar que a mutação axiológica sobre os direitos fundamentais, torna evidente a necessidade do direito permanecer em constante revisão para manter-se compatível aos fatores reais de poder consagrados na vivência social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Italo Nascimento, Universidade Tiradentes
Graduando em Direito pela Universidade Tiradentes.
Publicado
2016-10-24
Como Citar
Nascimento, M. I. (2016). O Direito de Estar Só - Entre a casa de vidro e a fortaleza. Caderno De Graduação - Ciências Humanas E Sociais - UNIT - SERGIPE, 3(3), 131. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/cadernohumanas/article/view/2861
Seção
Artigos