Conflitos e negociações no pós abolição: as relações de compadrio e dados populacionais em Sergipe

Ane Luise Silva Mecenas Santos, Ana Claudia Pereira, Bruna Ribeiro Santos, José Daniel Vieira, José Elberson Galvão Santos, Layra Regina Cupertino Lopes, Suyan Dionizio Alves Teles Santos, Ticiane Santos

Resumo


Esse projeto tem como objeto as práticas de compadrio e de sociabilidades entre homens de cor na Província e no Estado de Sergipe entre 1850 e 1950. O marco temporal justifica-se pelo fato de ser representativo para o entendimento das transformações sociais que ocorreram em Sergipe em dois tempos distintos: o tempo do cativeiro e o tempo do pós-abolição. Portanto, o objetivo dessa pesquisa consiste na preservação documental, por meio da digitalização dos acervos paroquiais, assim como compreender as práticas de compadrio como estratégias de negociação da população de cor na em Sergipe nos últimos decênios da escravidão em contraponto com os primeiros decênios do pós-abolição. Nesse sentido, a investigação contribui para a discussão a respeito da população afro-sergipana no período imperial e republicano, preenchendo uma lacuna da historiografia local. Ele é financiado pelo Ministério da Cultural e foi selecionado pelo Edital PROEXT PROPESQ – UFPE: preservação e acesso aos bens do patrimônio Afro-brasileiro.

Palavras-chave


Batismos. Pós-abolição. Sergipe.

Texto completo:

PDF