NÚMERO TEMÁTICO – DEFICIÊNCIA, ACESSIBILIDADE E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

Prazo para envio dos textos: 30 de julho de 2020
A revista “Interfaces Cientificas Ciências Humanas e Sociais” convida pesquisadores de todas as áreas do conhecimento e divulgadores da ciência a submeter artigos para a edição especial sobre deficiência e acessibilidade, com o objetivo de reunir estudos científicos e estudos de caso de boas práticas no engajamento público em ciência e tecnologia de todo o mundo. Os artigos podem ser encaminhados em português, espanhol e inglês, até 30 de julho. A edição sairá em dezembro.

Vozes de diferentes partes do mundo são bem-vindas.


Editoras convidadas:
Luisa Massarani e Jessica Norberto Rocha
(Instituto Nacional de Comunicação Pública de Ciência e Tecnologia - Brasil)
Cristiane Porto
(Universidade Tiradentes e Instituto de Tecnologia e Pesquisa - Brasil)
Alexandre Chagas
(Universidade Tiradentes e Instituto de Tecnologia e Pesquisa - Brasil)



Por quê:

O direito de todo ser humano de ter acesso à vida cultural, às artes e ao progresso científico e seus benefícios foi estabelecido décadas atrás no artigo 27 da Declaração Internacional dos Direitos Humanos, proclamada pelas Nações Unidas (ONU): “Todo ser humano tem o direito de participar livremente da vida cultural da comunidade, de desfrutar das artes e de participar do processo científico e de seus benefícios. ” (ONU, 1948). Em 2006, a ONU organizou a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CDPD) e seu Protocolo Opcional para “proteger e assegurar o exercício pleno e equitativo de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais por todas as pessoas com deficiência e promover o respeito pela sua dignidade inerente”(ONU, 2006, artigo 1). Como explica a ONU, a Convenção pretende ser um instrumento de direitos humanos com uma dimensão explícita de desenvolvimento social. Além disso, a CDPD é considerada uma vitória significativa para o movimento das pessoas com deficiência e um marco em sua história: 162 países no mundo o assinaram e alguns deles o ratificaram como leis posteriormente e em diferentes momentos. Após mais de uma década de sua publicação, no entanto, "a realidade vivida é muitas vezes distante da retórica legal" - como Meekosha e Soldatic (2011, p.1394) apontam. Nesse contexto, é relevante discutir como a divulgação da ciência e o engajamento público estão lidando com essa preocupação. Embora a divulgação científica seja uma atividade relevante para promover práticas de inclusão e alcançar uma ampla gama de públicos e partes interessadas, não podemos assumir que ela esteja realmente oferecendo oportunidades para todos. Portanto, a divulgação científica inclusiva, acessível e democrática, focada principalmente nas pessoas com deficiência, é desafio-chave para profissionais, pesquisadores e formuladores de políticas públicas. Ainda existem poucos estudos em desenvolvimento na área, e esta chamada convida estudos acadêmicos que exploram essas questões para aprofundar nosso entendimento sobre acessibilidade e deficiência no amplo campo da divulgação científica e da participação do público.

Referências:

Meekosha, H. & Soldatic, K. (2011). Direitos humanos e o Sul global: o caso da deficiência, Third World Quarterly, 32: 8, 1383-1397, DOI: 10.1080 / 01436597.2011.614800.
Nações Unidas (1948). A declaração universal dos direitos humanos. Disponível em: http://www.un.org/en/universal-declaration-human-rights/. Último acesso: 07 fev. 2019.
Nações Unidas (2006). Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Disponível em: https://www.un.org/development/desa/disabilities/convention-on-the-rights-of-persons-with-disabilities/convention-on-the-rights-of-persons-with-disabilities -2.html. Último acesso: 7 fev. 2019.


Disability, accessibility and Science Communication

The Brazilian journal “Interfaces Cientificas Ciências Humanas e Sociais” is inviting researchers and science communicators to submit a paper to a special issue on disability and accessibility, aiming to bring together scientific studies and case studies of good practice in public engagement in science and technology around the world. The articles can be submitted in Portuguese, Spanish and English, until July 30th 2020. The issue will be launched in December.

We welcome voices from different part of the world.


Invited editors:
Luisa Massarani, Jessica Norberto Rocha
National Institute of Public Communication of Science and Technology (Brazil)
Cristiane Porto
Universidade Tiradentes e Instituto de Tecnologia e Pesquisa (Brazil)
Alexandre Chagas
Universidade Tiradentes (Brazil)


Why:

The right of all human being to have access to cultural life, to arts and scientific progress and its benefits was established decades ago in Article 27 of the International Declaration of Human Rights, proclaimed by the United Nations (UN): “Everyone has the right freely to participate in the cultural life of the community, to enjoy the arts and to share in scientific advancement and its benefits.” (UN, 1948). In 2006, the UN organized the Convention on the Rights of Persons with Disabilities (CRPD) and its Optional Protocol to “promote, protect and ensure the full and equal enjoyment of all human rights and fundamental freedoms by all persons with disabilities, and to promote respect for their inherent dignity” (UN, 2006, article 1). As the UN claimed, the Convention is intended as a human rights instrument with an explicit, social development dimension. Also, the CRPD is considered the most significant victory for the disability movement and a milestone in their history: 162 countries in the globe signed it, and some of them subsequently ratified it at different moments.
After more than a decade of its publication, however, "the lived reality is often distant from the legal rhetoric" –as Meekosha and Soldatic (2011, p.1394) point out. In this context, it is relevant to discuss how science communication and public engagement are tackling this concern. Although science communication is a relevant activity for promoting inclusiveness practices and achieving a broad range of audiences and stakeholders, we cannot assume that it is indeed providing opportunities for everyone. Therefore, inclusive, accessible and democratic science communication, primarily focused on people with disabilities, are critical challenges for practitioners, researchers and policymakers. There are still few studies being developed in the area, and this call invites papers that explore these issues to further our understanding of accessibility and disability within the broad field of science communication and public engagement.

References:

Meekosha, H. & Soldatic, K. (2011). Human Rights and the Global South: the case of disability, Third World Quarterly, 32:8, 1383-1397, DOI: 10.1080/01436597.2011.614800.
United Nations (1948). The Universal Declaration of Human Rights. Available at: http://www.un.org/en/universal-declaration-human-rights/. Last access: 07 feb. 2019.
United Nations (2006). Convention on the Rights of Persons with Disabilities. Available at: https://www.un.org/development/desa/disabilities/convention-on-the-rights-of-persons-with-disabilities/convention-on-the-rights-of-persons-with-disabilities-2.html. Last access: 7 feb. 2019.

Chamada-n-mero-tem-tico-Humanas-e-Sociais-02