PATRIMÔNIO HISTÓRICO: PROPOSTA DE TOMBAMENTO EM NÍVEL FEDERAL PARA A CASA DE CÂMARA E CADEIA DE MATA GRANDE-AL

Emanuelle Soares Goes, Mônica Peixoto Vianna, Franciany Prudente de Melo França

Resumo


Partindo de uma contextualização que compreende a necessidade de manter viva a história de um povo, através de seus monumentos, evidencia-se neste artigo os valores materiais e imateriais de uma edificação. Trata-se do prédio secular da Casa de Câmara e Cadeia do município de Mata Grande em Alagoas, que contribuiu e contribui para a perpetuação da memória e da identidade da sociedade, não só por sua imponência arquitetônica, fachadas com detalhes estilísticos, ornamentos e toda cultura, como também pela significação de sua tipologia, que por muitos anos foi uma das tipologias mais influentes no Brasil. Essa tipologia foi significante nas definições das capitanias brasileiras pois abrigou os principais poderes das vilas – judiciário e legislativo – que, juntamente com a igreja, impunham para a sociedade o poder da coroa portuguesa. Por isso, esse prédio de origem lusitana muito diz sobre uma sociedade colonizada e um país que baseava sua cultura nas tradições europeias. É percebido através dessa pesquisa que, a compreensão da comunidade destaca e se faz necessária para que haja, entre ambos os atores – sociedade e IPHAN/AL – uma comunicação de interesses para que o recurso de proteção não atenda apenas aos anseios estatais.

Palavras-chave


Patrimônio histórico, tombamento, tipologia.

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, Paulo Thedim. Casas de Câmara e Cadeia – Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, volume 11. Rio de Janeiro, 1947.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, Artigo 23. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

CAMPELLO, Cecília Barthel C. Casas de Câmara e Cadeia 1: Trajetória da Roma Antiga ao Brasil Colonial. Artigo. 2014

CAMPELLO, Cecília Barthel C. Casas de Câmara e Cadeia 1: Trajetória da Roma Antiga ao Brasil Colonial. Dissertação (Dissertação em Arqueologia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012.

CARLAN, Claudio Umpierre. Os Museus e o Patrimônio Histórico: uma relação complexa. História, Franca, v. 27, n. 2, p. 75-88, out. 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2018.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação liberdade: Editora UNESP, 2001.

DE LUCA, Tania Regina. A revista do Brasil: Um diagnóstico para a Nação. Editora Unesp: SP, 1999.

FERRARE, Josemary. Marechal Deodoro. Um itinerário de referências culturais. Alagoas. Editora: Edições Catavento Ltda, 2002.

FONSECA, Maria Cecília Londre. O Patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005.

MENDES, J. Amado. Estudos do patrimônio: Museus e Educação. 2. ed. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2013. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2017.

MENDONÇA, Djalma. Monografia do Município de Mata Grande (acervo do Arquivo Público de Alagoas – APA). Casa Ramalho Editora. Maceió, 1955.

SECULT, Secretaria de Estado da Cultura. DECRETO Nº 4.188, DE 1º DE OUTUBRO DE 2009. Disponível em: . Acesso em: 27 de ago. de 2018.

TEIXEIRA, Rubenilson Brazão. O poder municipal e as Casas de Câmara e Cadeia. Semelhanças e especialidades do caso potiguar. EDUFRN, Editora da UFRN. Natal. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 2012.