VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER: UMA ANÁLISE SOBRE OS RELATOS DAS VÍTIMAS

Chaylane Bruna de Almeida Costa, Byanka Hakauanne Da Rocha Lopes, Vanessa Dos Santos Silva, Thalita Carla De Lima Melo

Resumo


A violência não é única, e sim múltipla. É considerada como um problema de saúde pública, e não apenas entre agressor e vítima. Este trabalho teve como objetivo relatos das vítimas de violência doméstica e analisar a articulação entre eles. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que utilizou a pesquisa descritiva para colher informações. Os dados foram coletados por meio de análise documental, que se debruçou em relatos de mulheres vítimas de violência doméstica publicados na internet. Nessa perspectiva, foi encontrado o site http://www.naoaguentoquando.com.br, conhecido por NAQ. Após os relatos selecionados, foi feita uma análise de conteúdo em que se utilizou a tabulação dos dados recolhidos, com o objetivo de padronizar e facilitar a leitura das informações obtidas.

Palavras-chave


gênero; mulher; violência doméstica; relatos; análise.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA BRASIL. Violência contra a mulher gera prejuízo de R$ 1 bilhão para economia brasileira. Disponível em: . Acesso em: 08 jun. 2018.

ANTONI, C.; KOLLER, S. H. O psicólogo ecológico no contexto institucional: uma experiência com meninas vítimas de violência. Psicol. Ciênc. Prof., v. 21, n. 1. Brasília, mar. 2001. Disponível em: . Acesso em: 05 mai.2018.

ARAÚJO, Moacir Martini de et al. Violência, saúde e a nova lei sobre os crimes contra a dignidade sexual. BIS. Boletim do Instituto de Saúde (Impresso), v. 12, n. 3, p. 273-278, 2010. Disponível em: Acesso em: 08 jun. 2018.

BARCELOS, C. Criando sua liberdade: amor sem dependência. São Paulo: Gente, 1993.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Trad.: L. de A. Rego; A. Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2006. (Obra original publicada em 1977).

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal ea Lei de Execução. Diário Oficial da União, 2006.Disponível em:. Acesso em: 22 abr.2018.

CAMBOIM, L. G.; BEZERRA, E. P.; GUIMARÃES, I. J.B. Pesquisando na internet: uma análise sobre metodologias utilizadas em dissertações de mestrado do programa de pós-graduação em Ciência da Informação da UFPB. Biblionline, João Pessoa, v. 11, n.2, p. 123-134,2015. Disponível em: . Acesso em: 21 mai. 2018.

CHALHUB, A.; RODRIGUES, S.Amor com dependência: um olhar sobre a Teoria do Apego. 2010.Psicologia.Com.Pt.Disponível em: . Acesso em: 06 mai. 2018.

CHAUÍ, M. A não-violência do brasileiro, um mito interessantíssimo. Obra de Paulo Freire; Subgrupo Secretaria Municipal de Educação de São Paulo (1980). Disponível em:.Acesso em: 22 abr. 2018.

DAY, V. P.et al. Violência doméstica e suas diferentes manifestações. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 25, n. supl. 1, p. 9, 2003.Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2018.

HIRIGOYEN, Marie-France. Assédio moral: a violência perversa no cotidiano.8 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

MADERS, A. M.; ANGELIN, R. Direitos humanos e violência doméstica contra as mulheres: oito anos de encontros e desencontros no Brasil. Faces de Eva: estudos sobre a mulher, n. 32, p. 41-58, 2014. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/eva/n32/n32a05.pdf>.Acesso em: 22 abr. 2018.

MARINHO, A. L. V.; VIEIRA, E. M.; SOUZA, L. Prevalência da violência contra a mulher usuária de serviço de saúde. Rev. Saúde Pública, 2006, 40(4): 604-10. Disponível em: . Acesso em: 01 mai. 2018.

MARTINS, A. P. A.; CERQUEIRA, D.; MATOS, M. V. M. A institucionalização das políticas públicas de enfrentamento à violência contra as mulheres no Brasil (versão preliminar). Brasília, mar. 2005, n. 13, p. 01-37. Disponível em: . Acesso em: 30 abr.2018.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis:Vozes, 2002,p. 7-79.______. Violência e saúde. SciELO-Editora Fiocruz, 2006.Disponívelem:. Acesso em: 20 abr. 2018.

MINAYO, M. C. S.; SANCHES, O. Métodos qualitativos e quantitativos: oposição ou complementaridade? Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 9 (3): 239-262, jul.-set. 1993.

NOBRE, M. T.; BARREIRA, C. Controle social e mediação de conflitos:as delegacias da mulher e a violência doméstica. Sociologias, Porto Alegre, ano 10, n. 20, jul.-dez. 2008, p. 138-163. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS).SaludMundial:Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. Genebra: OMS, 1993.Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2018.

PEREIRA, Gabriela; TACCOLINI, Isabela. Não Aguento Quando. 2014. Disponível em:< http://naoaguentoquando.com.br/>. Acesso em: 22 mar. 2018.

REIS, A. A. O atendimento psicológico às mulheres em situação de violência no Centro de Referência Maria do Pará: um balanço após dois anos de funcionamento. Revista do Nufen, v. 2, n. 1, p. 134-139, 2010. Disponível em:.Acesso em: 06 mai. 2018.

RISO, Walter. Amar ou depender? Como superar a dependência afetiva e fazer do amor uma experiência plena e saudável. Trad.: MarlovaAseff. Porto Alegre: L&PM, 2008.

SILVA, A. C.;MELO, B. S.; SILVA, E. F. M.; CATARINO, E. M. Violência Doméstica no Contexto Familiar.II COLÓQUIO ESTADUAL DE PESQUISA MULTIDISCIPLINAR.2017. Disponível em: . Acesso em: 06 mai. 2018.