A NEUROCIÊNCIAS E SUAS INTERFACES COM A EDUCAÇÃO: A NEUROBIOLOGIA DAS EMOÇÕES E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

Lirani Firmo Da Costa Souza, Rodrigo da Silva Almeida, Dionísio Souza da Silva, Maria Sônia da Silva Crispim, Marcelo Góes Tavares, Sandra Patrícia Lamenha Peixoto

Resumo


O presente artigo tem como objetivo apresentar como se dão as interfaces entre Neurociências e Educação ressaltando a importância da Neurobiologia das emoções no processo de ensino-aprendizagem. Para isso, foi realizada uma revisão bibliográfica do tipo narrativa, a partir dos seguintes descritores: Neurociências, Neurobiologia, emoções e educação. A Neurociências considera as emoções muito importantes para o processo de ensino-aprendizagem uma vez que elas mobilizam recursos cognitivos existentes e algumas delas, como a raiva, o medo e a ansiedade, podem atrapalhar o processo de ensino-aprendizagem. Então, do ponto de vista neurobiológico, os principais circuitos e sistemas cerebrais envolvidos no processamento das emoções são: corpo Amigdaloide, sistema límbico, área orbitofrontal, hipotálamo, circuito dopaminérgico (especialmente o núcleo acumbente), sistema nervoso autônomo, os sistemas endócrino e musculoesquelético, córtex cerebral, hipocampo e o sistema ativador reticular ascendente. Logo, o conhecimento da Neurobiologia das emoções é um importante aliado dos educadores em sala de aula, na medida em que pode auxiliá-los a se conscientizarem da relevância do papel das emoções no processo de ensino-aprendizagem e desenvolver metodologias de ensino mais profícuas.

Palavras-chave


Neurociências. Neurobiologia. Emoções. Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ARCANJO, A. D. M. Educação inclusiva: uma proposta neuroeducativa. 2013, 85f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2013. Disponível em: . Acesso em 20 Ago. 2017.

BRANDÃO, M. L. Psicofisiologia. 3 ed. São Paulo: Atheneu, 2012, p. 2.

CALDERÓN, A. C. Educar as emoções: um guia para pais e educadores. Lisboa: Editorial Presença, 2014, p. 5-34.

CANTERAS, N. S; BITTENCOURT, J. C. Comportamentos motivados e emoções. In: LENT, T. (Coord.). Neurociência da mente e do comportamento. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016, p. 227-240.

COSENZA, R. M.; GUERRA, L. B. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011, p. 141-148.

EKUNI, R. et al. Projeto de extensão “Grupo de estudos em neurociência”: divulgando neurociência e despertando vocações. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 5, n. 2, Paraná, Dez, 2014, p. 55-59. Disponível em: . Acesso em 15 Jul. 2017.

ESPERIDIÃO-ANTONIO, V. et al. Neurobiologia das emoções. Revista de Psiquiatria Clínica. v. 35, n. 2, Maio. São Paulo, 2008, p. 55-65. Disponível em: . Acesso em 18 Fev. 2018.

GIL, R. Neuropsicologia. 4 ed. São Paulo: Santos, 2014, p. 1-19.

GUYTON, A. C. Fisiologia humana. 6 ed. [Reimpr.]. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011, p. 155-163.

_____________. Neurociência básica: anatomia e fisiologia. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011, p. 3-10.

HOPPEN, N. H. F. A Neurociências no Brasil de 2006 a 2013, indexada na web of Science: produção científica, colaboração e impacto. 2014, 163 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) - Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014. Disponível em: . Acesso em 28 Jul. 2017.

KANDEL, E. R.; et al. Princípios de neurociências. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2014, p. 5-18.

LENT, R. Cem bilhões de neurônios? Conceitos fundamentais de neurociência. 2 ed. São Paulo: Atheneu, 2010, p. 24-27.

LISBOA, F. S. “O Cérebro vai á escola”: um estudo sobre a aproximação entre Neurociências e educação no Brasil. 2014, 177f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Instituto de Medicina Social. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: . Acesso em 29 Ago. 2017.

MACHADO, A. B. M.; HAERTEL, L. M. Neuroanatomia funcional. 3 ed. São Paulo: Atheneu, 2014, p. 263.

MARQUES, S. Neurociência e inclusão: implicações educacionais para um processo inclusivo mais eficaz. Trama Interdisciplinar, v. 7, n. 2, São Paulo, Ago. 2016, p. 144-163. Disponível em: . Acesso em 20 Ago. 2017.

MARTINS, B. M. Ambiente educacional enriquecido: estudo da aplicação de oficinas de construção de brinquedos em centro de ciência. 2012, 201 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Instituto de Psicologia. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em 29 Out. 2017.

MUNIZ, I. A Neurociência e as emoções: quem não sabe sorrir, dançar e brincar não deve ensinar do ato de aprender. Bahia: Via Litterarum, 2012, p. 17-40.

NEVES, K. A Neurociência abraça o mundo. Revista de Biologia, v. 15, n. 1, Rio de Janeiro, Jan, 2016, p. 35-38. Disponível em: . Acesso em 15 Jan. 2018.

OLIVEIRA, L.; PEREIRA, M. G.; VOLCHAN, E. Processamento emocional no cérebro humano. In: LENT, T. (Coord.). Neurociência da mente e do comportamento. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016, p. 254-255.

PINEL, J. P. J. Biopsicologia. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2005, p. 31-34.

PÓVOA, R. M. F. Neuroeducação: como o conhecimento do cérebro pode ser aplicado na educação. In: BEZERRA, H. J. S. (Org.). Psicologia escolar e educacional: reflexões no contexto da educação básica. Maceió: Edufal, 2015, p. 117-131.

RIBEIRO, M. A. T.; MARTINS, M. H. M.; LIMA, J. M. A Pesquisa em base de dados: como fazer?. In: LANG, C. E. et al. Metodologias: pesquisas em saúde, clínica e práticas psicológicas. Maceió: Edufal, 2015, p. 61-83.

SANTOS, M. R. S.; CUNHA, R. S. A Neuroeducação e sua importância na formação continuada de profissionais da educação básica. 2014, 55f. Monografia (Apresentada ao final do curso de graduação em Ciências Biológicas) – Universidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas, Curitiba, 2014. Disponível em: . Acesso em 16 Jul. 2017.

TERUEL, F. M. Neuroeducación: solo se puede aprender aquello que se ama. Madrid: Alianza Editorial, S. A. 2013, p. 65-72.

TRÓPIA, G. Reflexão sobre o discurso na divulgação neurocientífica. Ciência & Ensino, v. 2, n. 2, Santa Catarina, Jun. 2008 p. 1-9. Disponível em: . Acesso em 15 Jan. 2018.

VENTURA, D. F. Um retrato da área de neurociência e comportamento no Brasil. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 6, n. especial, São Paulo, S/M, 2010. p. 123-129 Disponível em: . Acesso em 18 Jun. 2017.

VIVAN, D. Aplicação de diretrizes da ciência da mente, cérebro e educação á produção de vídeos educacionais. 2012, 168 f. Dissertação (Mestrado em Design) – Faculdade de Arquitetura. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012. Disponível em: . Acesso em 04 Set. 2017.