A INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS EMOCIONAIS NA ANOREXIA NERVOSA: O OLHAR DA PSICOSSOMÁTICA

Lirani Firmo Da Costa Souza, Rodrigo Da Silva Almeida, Maria Sônia Da Silva Crispim, José Rodrigues Rocha Júnior

Resumo


O presente artigo tem como objetivo fazer uma revisão bibliográfica a respeito da influência das emoções nos Transtornos Alimentares, especificamente na Anorexia Nervosa, a partir das contribuições da Psicossomática, a partir dos seguintes descritores: Emoções, Psicossomática e Anorexia Nervosa. Atualmente, o culto à imagem tem feito com que os indivíduos sacrifiquem a própria natureza do corpo em prol de um padrão de beleza instituído pela sociedade atual ao cultuar a magreza. Isso tem refletido no surgimento de Transtornos Alimentares, como a Anorexia Nervosa, transtorno emocional que consiste em uma perda de peso derivada de um intenso temor da obesidade, sentimentos que têm como consequência uma série de condutas anômalas; sendo reflexo de vários fatores, destacando-se os aspectos emocionais. A Psicossomática oferece uma visão holística desse processo e, na presença desse transtorno, o psicólogo psicossomático irá, dentre outras coisas, realizar a escuta psicoterapêutica, visando ajudar o anoréxico e os seus familiares a reconhecer e aceitar seus próprios desejos e opiniões, afim de conseguir expandir suas experiências. Torna-se necessário combater essa onda de corpolatria nas sociedades atuais, que leva a uma obsessão psicológica de um corpo de mentira, calculado e artificialmente preparado, repercutindo num mito cultural que produz personalidades corporais modais.

Palavras-chave


Emoções. Psicossomática. Anorexia Nervosa.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, R. S. et al. Investigação da satisfação corporal em acadêmicos da UNIT. Cadernos de Graduação: Ciências Biológicas e da Saúde. v. 2, n. 3, Maceió, Maio 2015, p.113-130. Disponível em: . Acesso em 16 Set. 2017.

ALVES, M. et al. Os heróis, vítimas e vilões: discursos sobre a anorexia nervosa. Psicologia & Sociedade. v. 24, n. 2, Portugal, Maio, 2012, p. 472-483. Disponível em: . Acesso em 05 Nov. 2017.

BALLONE, G. J.; ORTOLANI, I. V.; NETO, E. P. Da emoção à lesão: um guia de medicina psicossomática. 2 ed. Barueri/SP: Manole, 2007, p. 132-136.

BOZZANO, H. B.; FRENDA, P.; GUSMÃO, T. C. Arte em interação. São Paulo: IBEP, 2013, p. 170.

BRAGA, P. D. Representações do corpo: com a palavra um grupo de adolescentes de classes populares. 2006, 87 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Centro de Ciências da Saúde. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória/ES, 2006. Disponível em: . Acesso em 09 Nov. 2017.

BRAGHIROLLI, M. C. et al. Psicologia geral. 39 ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

BUCARETCHI, H. A.; CORDÁS, T. A. Distúrbios alimentares: anorexia e bulimia. In: QUAYLE, J.; LUCIA, M. C. S. (Orgs.). Adoecer: às interações do doente com sua doença. 2 ed. São Paulo: Atheneu, 2007, p. 53-64.

CARTER, R. O Livro de ouro da mente: o funcionamento e os mistérios do cérebro humano. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004, p. 128-129.

COON, D. Introdução à psicologia: uma jornada. 2 ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006, p. 357-359.

DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2008, p. 339-343.

DAVIDOFF, L. L. Introdução à psicologia. 3 ed. São Paulo: Pearson Makron Books, 2001, p. 338-339.

FELDMAN, R. S. Introdução à psicologia. 6 ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2007, p. 314.

GAZIGNATO, E. C. S. et al. “Beleza põe a mesa?”: transtornos alimentares e grupo. Revista da SPAGESP- Sociedade de Psicoterapias Analíticas Grupais do Estado de São Paulo. v. 9, n. 1, Ribeirão Preto/SP, Jun. 2008, p. 29-40. Disponível em: . Acesso em 05 Nov. 2017.

GOULART, D. M.; SANTOS, M. A. Corpo e palavra: grupo terapêutico para pessoas com transtornos alimentares. Psicologia em Estudo. v. 17, n. 4, Maringá, Dez. 2012, p. 607-617. Disponível em: . Acesso em 16 Nov. 2017.

HAYNAL, A.; PASINI, W.; ARCHINARD, M. Medicina psicossomática: abordagens psicossociais. 3 ed. Rio de Janeiro: MEDSI, 2001, p. 129-136.

LAUS, M. F. Estudo das relações entre prática de atividade física, estado nutricional percepção da imagem corporal em adolescentes do ensino médio de Ribeirão Preto/SP. 2009, 145 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009. Disponível em: . Acesso em 09 Nov. 2017.

MACHADO, A. M. B.; HAERTEL, L. M. Neuroanatomia funcional. 3 ed. São Paulo: Atheneu, 2014, p. 222.

MORRIS, C. G.; MAISTO, A. A. Introdução à Psicologia. 6 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2004, p. 283.

MYERS, D. V. Psicologia. 7 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006, p. 361-362.

PINEL, J. P. J. Biopsicologia. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2005, p. 315-341.

PITANGUY, I.; SALGADO, F. Aspectos filosóficos e psicossociais da cirurgia plástica. In: MELO-FILHO, J.; BURD, M. Psicossomática hoje. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010, p. 256-267.

RAMOS, F. N. N. Vivências de adolescentes anoréxicas. 2009, 86 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia do desenvolvimento e Aprendizagem da Faculdade de Ciências. Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2009. Disponível em: . Acesso em 16 Nov. 2017.

RAMOS, K. B. Escala de avaliação do transtorno Dismórfico corporal: propriedades psicométricas. 2009, 129 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu em Psicologia. Pontífica universidade Católica de Campinas, Campinas, 2009. Disponível em: Acesso em 05 Set. 2017.

REZENDE, C. A. A. Estudo da imagem corporal, do estresse e das preferências alimentares em adolescentes e seus cuidadores. 2012, 127 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2012. Disponível em: < www.ffclrp.usp.br/imagens_defesas/07_08_2012.pdf>. Acesso em 09 Nov. 2017.

REZENDE, F. F. Percepção da imagem corporal, resiliência e estratégias de coping em pacientes submetidas à cirurgia bariátrica. 2011, 148 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Filosofia, Ciências e letras da Universidade de São Paulo. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011. Disponível em: . Acesso em 09 Nov. 2017.

RIECHELMANN, J. C. Medicina psicossomática e psicologia da saúde: veredas interdisciplinares em busca do “elo perdido”. In: ANGERAMI-CAMON, V. A. Psicologia da saúde: um novo significado para a prática clínica. São Paulo: Cengage Learning, 2009, p. 171-198.

SAITO, M. I.; SILVA, L. E. V.; LEAL, M. M. Adolescência: prevenção e risco. 2 ed. São Paulo: Artmed, 2008, p. 75.

SARUBBI, E. B. Uma abordagem de tratamento psicológico para compulsão alimentar. 2003, 162 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 2003. Disponível em: < site.ucdb.br/public/md-dissertacoes/7826-uma-abordagem-de>. Acesso em 06 Nov. 2017.

SILVA, K. P. et al. Transtornos alimentares: considerações clínicas e desafio do tratamento. Infarma. v. 18, n. 11, Anápolis/Go, Dez. 2006, p. 10-13. Disponível em:. Acesso em 05 Nov. 2017.

STRAATMANN, G. Estresse, estratégias de enfrentamento e a percepção da imagem corporal em adolescentes: relações com o estado nutricional. 2010, 99 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2010. Disponível em: . Acesso em 09 Nov. 2017.

TRABBOLD, V. L. M. A busca do corpo ideal como sintoma contemporâneo: os significados do corpo para os adolescentes masculinos que frequentam academias de ginástica na cidade de Montes Claros/MG. 2008, 168 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Faculdade de Medicina da UFMG. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008. Disponível em: . Acesso em 09 Nov. 2017.

VAN DE GRAAFF, K. M. Anatomia humana. 6 ed. São Paulo: Manole, 2003, p. 2.